A alegria de experimentar o Amor

Faço uma breve partilha com vocês sobre a alegria de experimentar um amor pessoal, misericordioso, eterno, gratuito, constante e generoso: O Amor de Deus.

Sou casada na igreja católica, porém separada há 15 anos. Tenho um filho com 18 anos de idade. A separação feriu bastante minha dignidade como mulher e também minha castidade, pois me envolvi em relacionamentos no intuito de me sentir amada e não me sentir só, mas nada preenchia o vazio que havia em mim, e Deus, que desde toda a eternidade me amou, ia me fazendo perceber que o relacionamento que eu vivia estava fora da vontade dEle.

O desejo de Deus era que eu me aproximasse dEle, mas na minha incoerência, olhava para o meu pecado e me sentia extremamente indigna de me aproximar. Fui então me afastando cada vez mais da Igreja, dos Sacramentos, consequentemente de Deus e da Sua vontade. Mas Ele, que no seu desejo por mim, abraçou a cruz, sempre ia me atraindo.

Em um momento de minha vida aquele relacionamento fazia com que eu me sentisse a pior das pecadoras, mas eu não tinha forças para romper; até que Deus interveio e o relacionamento chegou ao fim.

Eu, mais ferida ainda, sentia-me cada dia mais só; minha vida não tinha um sentido próprio, faltava algo. Busquei no Santo Terço (até então a única maneira que sabia rezar), o consolo que precisava. Foi então que tive uma experiência com Jesus Cristo abandonado na cruz. Entendi que Ele sentia, sabia das minhas dores e podia curar as minhas feridas mais profundas. Mas como me relacionar com Ele? Eu não sabia…

Deus me fez recordar de Paulo Lamenha, um amigo da comunidade. Pedi auxilio e ele me levou para uma oração e aconselhamento, onde Deus me falou que era preciso renascer da Água e do Espírito.

Me engajei no grupo de oração, e no meu coração ardia o desejo de conhecer e me relacionar com Deus. Participei do curso de Formação Básica (FB) onde tive uma fortíssima experiência ao rezar com Gênesis 1,26, “FAÇAMOS o homem à NOSSA imagem e semelhança”. Me percebi imagem e semelhança da trindade, amada pessoalmente. A partir daí esse Amor foi me formando, curando as minhas feridas, me dando um Amor especial pela Eucaristia e já não tinha mais necessidade de nada nem de ninguém além da Pessoa de Jesus Cristo para ser feliz, para amar e ser amada. O Amor me ama! Isso me basta! Maravilhas fez em mim esse Amor!

Hoje vivo a castidade, na certeza que o amor de Deus vem em auxílio de todas as minhas fraquezas e necessidades como mulher, como pessoa, como mãe. Procuro ser na minha família, no meu trabalho, sobretudo na vida do meu filho, testemunho de que é possível ser casta e fiel a Deus num mundo onde impera o prazer pelo prazer, onde o outro é visto como um objeto, onde se busca nas coisas e pessoas a felicidade que é uma Pessoa, que está dentro de nós.

Hoje entendo as palavras de Jesus quando pergunta: “Que vale ao homem ganhar o mundo inteiro e perder sua vida?” E ainda: “Quem quiser ser meu discípulo renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e me siga”. Hoje entendo porque Nossa Senhora e São José, mesmo tendo um ao outro, fizeram a livre e feliz escolha de serem todo de Deus. Luto com todas as forças para renunciar a minha carne e as minhas vontades, e desejo que o mundo conheça a verdade que me foi revelada por tamanha graça, amor e misericórdia de Deus que me amou primeiro.

Segui orientação que recebi de buscar na Igreja a possibilidade da nulidade do meu matrimônio, em vista de um discernimento e reconciliação com minha história de vida, mas sempre abandonada na vontade de Deus e na certeza de que mesmo sem obtê-la, nada me separará do Seu Amor.

Sou Elen, tenho 42 anos, Postulante de 1º ano da Comunidade de Aliança da Missão Maceió.

Este testemunho faz parte das ações de junho em vista do curso É o tal namoro, saiba mais clicando aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *