#DiaDosPais “Ser alcançado pela paternidade divina, me deixar moldar por ela”

Me chamo Bruno César, tenho 28 anos de idade, sou consagrado da comunidade de aliança da Comunidade Católica Shalom. Sou Formado em Engenharia Mecânica e mestre na mesma engenharia, mas atualmente atuo como professor. Durante minha infância sempre fui muito cercado de amor, tanto dos meus pais quanto de avós e tios. Referenciais masculinos não me faltaram, visto que tinha meu pai, meus tios (principalmente os irmãos da minha mãe), meus avôs sempre por perto, sempre convivendo comigo. Meu pai, principalmente, sempre foi presente, atencioso, cuidadoso, me educava, impunha limites quando necessário e ensinou valores.

Apesar de tudo isso, no meu desenvolvimento como pessoa humana, como homem, havia uma lacuna. Algo dentro de mim me puxando para trás, me impedindo de ter altivez de um homem pleno, de um filho de Deus, criado para amar, para ofertar a própria vida. Aqui entra uma das melhores experiências que tive em minha vida: ser alcançado pela paternidade divina, me deixar moldar por ela.

Por diversas vezes já ouvi que o pai é aquele que melhor contribui para o desenvolvimento humano de seus filhos. Pela experiência de vida, percebi que somente o Pai é quem pode conduzir um ser humano para um desenvolvimento pleno. Sabe por quê? Porque somente Ele sabe qual a nossa essência, sabe do que somos capazes, sabe da nossa personalidade, sabe da nossa… Vocação.

Somente Ele sabe… Isso mesmo! Somente Ele sabe o que é melhor para nós. É um mistério, uma aventura, se lançar com fé e confiança nos braços de Deus Pai. E digo mais: Ele sabe muito melhor do que nós mesmos. Nosso pecado deixa a visão turva, incapaz de enxergar caminhos tortuosos que porventura trilhamos.

À medida que fui descobrindo essa ação de Deus em minha vida, até nas aparentes frustrações, eu pude enxergar um sentido, obter uma força que por mim mesmo não seria capaz de ter para seguir em frente. Nas dores fui aprendendo a ter esperança, a confiar que aquilo não seria o fim, mas uma reconstrução do meu próprio ser, da minha própria vida.

A vida de filho de Deus consiste, portanto, em buscá-lo incessantemente, sabendo que não faltará amor, não faltará aventura (principalmente para dentro de si), não faltará oferta de vida, não faltará esperança. Por tudo isso sou muito grato a Deus. E acima de tudo não me falta o essencial: vida, e em abundância. A Ele toda honra e glória pelos séculos dos séculos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *