O Acamp’s foi para mim uma graça

Eu, minha mãe, uma superamiga chamada Camilli Starosky e a mãe dela, Vera Lúcia, passamos a virada do ano de 2016 para 2017 na Shalom Joinville, foi quando a Raisa nos convidou para o Acamp’s. De primeira fiquei com um pouco de animação, mas cheguei em casa depois de deixar a Camilli e fui para a cama pensar em como seria o Acamp’s. Pensei: “Não vai ser legal. Vou ficar triste e deprimido pensando aqui em casa, já que o clima familiar não está muito bom…” Uns dias depois a Camilli me passou mensagem dizendo que não poderia, o que me deixou mais chateado ainda.
Chegou o dia do Acamp’s e não estava tão animado. Na topic que nos levou não estava afim de conversar, estava só imaginando minha família unida de novo. A Raisa estava animada e puxando conversa com todos perguntando como era a expectativa para o acampamento. Então ela virou para trás e começou a falar comigo: “E aí, João! O que foi? Está chateado?” Eu não queria falar que estava mesmo triste, chateado e deprimido, então fingi que estava com sono.
Chegamos no Acamp’s, fizemos tudo o que tínhamos que fazer, montamos as barracas e depois fomos para o espaço onde tinha o palco e nos dias depois aconteceriam as palestras e pregações, danças, etc. No momento de animação tentei abrir um sorriso fingindo que estava tudo bem. Quando fomos para as barracas na hora de dormir, senti uma vontade enorme de chorar deitado na cama, por tudo o que estava acontecendo (família dividida, perdendo os amigos…).
Na manhã seguinte o Arthur, coordenador do acampamento, disse que todas as manhãs teria adoração com o Santíssimo a partir daquele dia. Quando o Santíssimo estava entrando, um monte de coisa começou a subir à minha cabeça, eu estava confuso com a cabeça cheia de pensamentos. No meio da adoração, quem estava no palco com o microfone fez a pergunta: “Fale para Deus agora, o que você quer que seja mudado na sua vida?” Foi quando comecei a chorar. Não sei como aquela água toda cabia dentro de mim, mas aquele foi o momento de soltar tudo o que tinha para soltar, e aqueles pensamentos que me deixaram confuso no início já tinham ido embora. Na mesma adoração, um pouco depois, ela disse: “A paz do Senhor esteja contigo” e imediatamente parei de chorar. Não consegui pensar em mais nada, só senti uma profunda tranquilidade, que nunca senti antes. Percebi que era a paz do Senhor. Um pouco antes do Santíssimo voltar à capela, eu fiz uma oração pedindo para que a paz que vem do céu não saísse de mim, fui ouvido e atendido na mesma hora, essa paz durou o acampamento inteiro até agora (este exato momento que estou escrevendo meu testemunho aqui). Depois da adoração me desliguei do mundo lá fora, até do que me fazia deprimido
Cheguei em casa, percebi que as coisas estavam diferentes, como por exemplo estava reconquistando as amizades, não estava chorando todos os dias como antes do Acamp’s… Deus atendeu em três dias o que eu estava pedindo há meses.
O Acamp’s foi para mim uma graça, e não vou esquecer nunca da Shalom que me deu essa oportunidade. Deus abençoe vocês!

João Gabriel Borges

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *