Uma quaresma de escondimento

coluna da emmir 10022016

Retiro de Carnaval, Quaresma, Páscoa. Todo ano, a mesma coisa. Prometo jejuar mais, mas aqueles benditos aniversários têm que cair sempre na Quaresma? Decido-me ser mais penitente, mas com o stress em que vivo, quem consegue? Faço o propósito de dar mais esmolas e fazer “um raspa” na casa em favor dos necessitados, mas quando me lembro da trabalheira…

A gente tem mania de fazer promessa grande, não é verdade? Talvez porque a gente se ache grande o suficiente para cumprí-las, talvez porque a gente pense que quanto mais grandioso o ato, mais a gente agrada o Senhor.

Santa Teresinha gostava de sentir-se pequena, pequena. Ela entendia que era assim que se agrada a Deus. Muitos outros santos – creio que todos, ou não seriam santos – entenderam e viveram o mesmo que ela: o que vale para Deus não é a grandiosidade do ato, mas a intenção com a qual o ato é feito.

Na época em que viajar de avião tinha mais glamour, havia, no toalete, um aviso: “Por cortesia para com o próximo passageiro, enxugue a pia após o uso. Obrigado.” Nem sei porque agradeciam, pois em muitos anos não me lembro de ter encontrado a pia enxuta uma só vez. Quem, senão alguém que entendesse o valor de um ato tão pequeno e escondido, enxugaria a pia por amor ao próximo … passageiro, por amor a Deus?

Há pouco tempo, porém, tive uma surpresa ao viajar em um destes aviões antigos. Como estava sentada perto do toalete, pude entrar logo que saiu um senhor meio forte e que, com a mais absoluta certeza, havia provado bebidas também fortes naquele vôo internacional, onde tais bebidas são fartas.Qual não foi minha surpresa quando, ao entrar, verifiquei que a pia havia sido enxuta! Pedi perdão a Deus por julgar mal o cavalheiro que fizera aquele ato tão escondido de amor a mim, embora nem me conhecesse e, seguindo o seu exemplo, também eu enxuguei a pia para servir o próximo … passageiro.

Mal me sentei no meu lugar, a duas poltronas do lavatório, e novamente vi o senhor forte de pé, como que esperando alguma coisa, e de olho no toalete. De repente, precipitou-se porta adentro, mas… deixou-a aberta. ‘Meu Deus!’, pensei, fazendo novo julgamento.

Logo, a belíssima aeromoça italiana, com aquele perfil clássico que só elas têm, aproximou-se, certamente tão desconfiada como eu, e o pobre homem, a enxugar a pia e falar mais alto do que o necessário, começou a comentar com ela como era possível que as pessoas não enxugassem a pia depois de usá-la! ‘Que grossura! Que falta de educação! Não existe mais cavalheirismo hoje em dia.’

Certamente acostumada com tal expediente para chamar sua atenção, a comissária esgueirou-se educadamente para a primeira classe e sumiu, enquanto o senhor forte, à porta do toalete, lhe lançava um olhar nada cavalheiro pelas costas.

Não pude evitar pensar como Jesus usaria aquela situação. Imaginei que ele modificaria um pouco a frase clássica: “Por cortesia para com o próximo, ainda de porta fechada para que ninguém lhe veja, enxugue a pia após usá-la e confira em Mt 6, 1. Sinto muito, mas é melhor para você que eu não agradeça.”

Quem sabe, nesta Quaresma o Senhor não deseja que queiramos ser pequenos, que gostemos de ser pequenos e de substituir todo plano maior do que nós por fazer, sistematicamente, todas as pequenas coisas com um zelo e amor especial para a maior glória Dele, sem planos, aproveitando toda pequena oportunidade?

Nossas camas, então, terão lençóis sem nenhuma dobra. Os pratos, na mesa, serão bem ornamentados como nunca. Toda pasta de dentes será tampada. Nenhum aniversário será esquecido. Todas as portas serão abertas por cortesia amorosa e os outros sempre entrarão primeiro. Haverá os mais belos sorrisos para os mais ferrenhos inimigos, os mais delicados elogios para aquela colega ‘sem gracinha’ do trabalho, a pergunta mais interessada para o inoportuno limpador de para-brisas, o agradecimento mais efusivo para o trocador do ônibus, o até-logo mais grato para o motorista.

As senhoras idosas passarão à frente da fila, aquela que além de dois filhos pequenos traz uma sacola encontrará ajuda e as murmurações silenciarão por amor. As louças não ficarão sobre a mesa, a comida sem graça será a melhor do mundo, todo supérfluo será doado e – mais importante do que tudo! – com essas pequenas mortes, estaremos participando da morte de Cristo e ressuscitando com ele.

Lá pelo vigésimo dia, estaremos prontos para o despojamento, para o jejum, para maiores penitências. Teremos feito coisas pequenas, mas isso não importa. Importa que teremos escolhido ser pequenos e teremos conseguido isso pela única via segura: a via do amor.
“Por amor ao próximo ….”

Feliz Quaresma!

Maria Emmir Oquendo Nogueira

Cofundadora da Comunidade Católica Shalom

em “Entrelinhas” da Revista Shalom Maná
TT @emmiroquendo
Facebook/ mariaemmirnogueira
Coluna da Emmir – www.comshalom.org

 

 

7 thoughts on “Uma quaresma de escondimento

  1. VIVER A QUARESMA EM SILÊNCIO,COM AMOR NO SEU SILÊNCIO,ASSIM COMO FEZ MARIA,FOI ESSE SENTIDO QUE EU INTERPRETEI NESSE SANTO TEXTO.

  2. as vezes esquecemos de trabalhar para deus nas pequenas ofertas do dia a dia, ate porque elas nem sempre são tão atraentes como realizar ‘grandes’ feitos por Jesus. Lembro de Benedita da Cruz: ‘é muito mais facil nos deixar pregar na cruz por Cristo do que ser uma pequena criança que nada sabe em suas mãos’. obrigada por me lembrar e me formar. Shalom

  3. Quaresma é o período de jejum e arrependimento tradicionalmente observado pelos católicos de forma ritualística, em preparação para a páscoa.
    A duração do jejum da quaresma foi estabelecida no século IV, como de 40 dias. Durante este período, os participantes comem muito pouco, ou simplesmente deixam de comer algum tipo de comida ou deixam de praticar alguma ação habitual. A quarta-feira de cinzas e a quaresma iniciaram como uma forma de os cristãos lembrarem-se do arrependimento de seus pecados. A idéia até que era boa!
    Contudo, através dos séculos, valores muito mais “sacramentais” foram se desenvolvendo. Muitos católicos entendem que, deixar de fazer algo na quaresma é uma maneira de ganhar a bênção de Deus. A Bíblia não ensina que tais atos alcancem qualquer mérito junto a Deus (Isaías 64.6). De fato, o Novo Testamento nos ensina que nossos atos de jejum e arrependimento devem ser praticados de forma que não atraiam atenções sobre nós: “E, quando jejuardes, não vos mostreis contristados como os hipócritas; porque desfiguram os seus rostos, para que aos homens pareça que jejuam. Em verdade vos digo que já receberam o seu galardão. Tu, porém, quando jejuares, unge a tua cabeça, e lava o teu rosto, Para não pareceres aos homens que jejuas, mas a teu Pai, que está em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará publicamente” (Mateus 6.16-18).
    O jejum é algo bom quando feito sob a ótica bíblica. É bom e agradável a Deus quando abandonamos hábitos e práticas pecaminosas. Não há absolutamente nada errado em guardar um tempo no qual vamos nos concentrar apenas na morte e ressurreição de Jesus. Entretanto, estas “práticas” são coisas que devemos fazer todos os dias do ano, não apenas nos 40 dias entre a quarta-feira de cinzas e a páscoa.
    A Igreja Católica equivoca-se ao ensinar que o cristão deve se consagrar somente na época da quaresma. Sem contar que a quaresma redundou na festa profana do Carnaval.
    Fontes de pesquisas:

  4. bela reflexão sobre como evangelizar com coisas simples e com o verdadeiro testemunho de cristão: aquele que espalha a alegria. Dai-nos a Graça, Senhor

  5. Simplesmente lindo e simples, mais as vezes tão difícil de colocar-mos em prática tudo isso…Devido a nossa falta comunhão com o nosso Senhor, e de nossa pobreza de amor.Mais Jesus vem nos convidar a essa pascoa, para que sejamos luz viva de seu espirito santo.Que abandonemos, o homem e mulher velho, e que também renascemos da aguá de seu espirito purificador.Para que possamos com grande alegria, que invade nossos corações, na pascoá, celebrar a vitória do nosso príncipe Jesus,sendo assim, nosso único caminho, é renunciar de tudo aquilo que nos afasta de sermos puros de coração.Que possamos realmente, não deixar ser como uma quaresma qualquer, mais sim uma profundidade de encontro com o nosso intimo, invocando o auxilo de nosso Celestial pai .Shalom!

  6. Quero estar mais perto de Jesus nessa Quaresma.Obrigada, por me lembrar que preciso ser pequena pra alcançar esse”querer”.encontrei o q devo ter como penitência messa aQuaresma.Bjssssss! Deus te faça cada vez mais santa, a Santa da Formação”.rs

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *