Formação

A alma de Maria

Maria Emmir Oquendo Nogueira

Talvez, como eu, você se tenha perguntado mil vezes: como é a alma de Maria? Como ela vê o mundo, as pessoas? Como se relaciona com Deus, com o criado? Como sente? Como pensa? Como age? Como reage? Como medita? Como ora Maria?

Talvez, até, você estranhe de estarmos utilizando o verbo no presente. Mas é que este é exatamente o primeiro segredo ao se contemplar Maria. Tem-se que utilizar sempre o presente: o céu existe nela desde sua concepção. Hoje, é certo, ela está no céu, de corpo e alma, ressuscitada, plena também em seu corpo do que ela aqui viveu plenamente. Mas como é, afinal, a alma desta que trouxe o céu em si e nunca conheceu em sua alma nada que não fosse o próprio céu?

Nós, que mal e mal conhecemos nossa alma, nós a quem o acesso pleno à própria alma é impossibilitado pelo pecado, nós, a quem o acesso irrestrito ao próprio corpo, à própria história é barrado pela imperfeição, ousamos contemplar, amorosos, a alma de Maria.

Como isso só é possível se nos for dado do céu, pelo poder do Espírito Santo, em uma partilha de sua intimidade com a Esposa, é a Ele que devemos pedir licença para penetrar neste santuário incomparável. Somente Ele, também, poderá ser nosso guia. O recato de Maria, sua vida interior tão rica quanto reservada, o fato de que ela só ama, não permitiria que ela mesma fosse nossa guia. Maria não caminha no interior de si mesma: caminha no interior de Deus, em quem vive.
Este é o primeiro aspecto a ser contemplado: nada há em Maria que seja ela mesma. Ela é toda ela mesma, certamente, em seu corpo e alma. No entanto, não é nela que se encontra a ela própria, pois ela não vive em si nem para si. Vive toda em Deus e para Deus. No outro e para o outro. Se se quiser encontrá-la, portanto, é Nele que a encontramos. Esta é a primeira coisa a aprender: só é plenamente, só é verdadeiramente quem se é quando não se é para si e não se é em si.

Ao buscarmos a alma de Maria, sua vida interior, seu íntimo mais íntimo, não a encontramos. Encontramos Deus. Encontramos o homem, cada homem, todo homem. Encontramos a vontade de Deus mais plenamente pura – e, portanto, mais plenamente escondida, misteriosa, desafiante – e mais radicalmente obedecida. Encontramos um universo sem fim de corações de homens guardados em seu coração.

Ao ser visitada por Gabriel, ao receber os pastores, ao acolher os magos, ao ouvir Simeão, Maria não arquiva palavras e fatos em seu coração, como eu faço facilmente com as palavras que escrevo, arquivando-as na memória de meu computador. Maria não arquiva fatos, frases, constatações, acontecimentos em sua memória. Maria guarda mistérios em sua alma, em seu coração. Guarda-os, como se entesoura coisas preciosas: atentamente, amorosamente, cuidadosamente, respeitosamente. Guarda o mistério da vontade de Deus, guarda o mistério da alma de cada pessoa, da sua e da minha.

Buscamos a alma de Maria e encontramos Deus. Buscamos seu coração e encontramos o homem. Buscamos seu íntimo e encontramos amor. Por isso não a encontramos. Ela não existe senão em Deus e nos outros. É a mulher-amor, a toda graça, a toda de Deus, a nada dela mesma.

É difícil evitar um sorriso complacente quando a gente vê pessoas que se querem vestir como Maria, caminhar como Maria, agir como Maria, amar como Maria. Teriam que vestir-se de sol, pois era Maria quem dava sentido ao que vestia, e não o contrário. Teriam que caminhar para dentro de si mesmos, onde habita Deus, pois o caminho de Maria não é para realizações exteriores, mas interiores. Teriam que agir sem agir, entregues, abandonados, pois, em Maria, quem faz toda a Obra é Deus. É Ele quem a direciona a agir para que o amor seja implantado, sempre. E, como o amor é pequeno, sempre pequeno, sempre loucamente perdido em Deus e nos outros, ao quererem amar como Maria teriam que, literalmente, desaparecer, sumir, diminuir até ser nada e Deus ser tudo.

Tenho para mim – cá com meus botões mais íntimos – uma intuição que João, o Batista, conheceu muitíssimo bem a alma de Maria. Foi por meio dela que sua alma foi purificada ainda no seio de Isabel. Os dois, a partir de então, desenvolveram uma cumplicidade única, irrepetível, sobre a terra: a vida – para ela desde a concepção, para ele desde os seis meses de gestação – livre do pecado original.

Cúmplices, os dois desapareceram e deixaram aparecer quem amavam. Deixaram aparecer quem interessava. Cederam todo o seu espaço interior e exterior para Aquele de quem eram mediador e medianeira e, ao amar, sumiram, desfizeram-se em amar, consumiram-se em não ser para si e em si para serem para Ele e Nele: o Menino, o Cordeiro, a Criança de Deus.

Maria é, então, uma despersonalizada, uma pobre coitada, pouco brilhante, sem expressão, indefinida? Quem ousaria pensar tal coisa?!? Ninguém há que seja tão ela mesma. Ninguém que seja tão feliz. Ninguém que tenha tamanho brilho. Ninguém que tenha influenciado tanto a humanidade afora Jesus, o Filho, para quem ela é toda.

A alma de Maria é Jesus. É o Pai. É o Espírito. A alma de Maria é a Trindade em permanente relacionamento de amor. Maria é feita e se faz amor e amar. Dá-se em tudo e sempre. Porque não busca a si mesma encontra-se plenamente. Porque não busca a própria realização realiza-se profundamente. Porque não se dá descanso, é paz. Porque faz sua a vontade do Pai, ainda que só a conheça como mistério, é inteiramente livre e feliz.

A alma de Maria. Maria. A que é porque não é. A que existe em Deus que é seu habitat. A que faz-se tão ampla, tão aberta, tão plenamente o outro que nela só há espaço de abertura e acolhida; nela, o paraíso de Deus; nela o paraíso dos homens; nela o não aparecer para que só Deus seja visível; nela o não falar para que só Deus seja Palavra, nela o abandono para que em tudo faça-se, plenamente, a vontade de Deus, para a Sua felicidade, para a felicidade do homem.
Quem tem amor assim, este conhecerá a alma de Maria, paraíso de Deus, paraíso do homem. A esta alma, só o amor conhece, só o amor a Deus e aos homens toca e maravilha-se com o mistério escondido no não ser para ser plenamente, no perder-se em amor para que o Amor seja tudo em todos.

Fonte: Revista Shalom Maná


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *