Formação

A liberdade de optar pelo melhor

Costuma-se definir a liberdade como a capacidade de tomar posições espontânea diante do bem e do mal, sem ser arrastado à força para um nem para outro. Embora sempre tenha sido considerada pelo homem como um valor muito precioso, o mundo pré-cristão via a liberdade como privilégio de alguns. Mas o cristianismo universalizou a idéia de liberdade, tanto que S. Paulo disse que todo homem é chamado por Deus a ser livre. (cf. Gál.5,1)

Assim, enquanto o pensamento ateu considera a religião como um ataque à liberdade, sabemos que, historicamente, a verdadeira idéia de liberdade tem influência cristã, tornando-a inseparável da própria fé, porque só o homem livre é capaz de escutar a Deus. No entanto, é preciso que o homem se abra para conhecer o verdadeiro sentido do liberdade tem estado sujeito a más interpretações de sua parte.

Sabemos que o livre arbítrio consiste na capacidade que o homem tem de se auto determinar, de contribuir com a sua própria história, tornando-se, de certa forma, responsável pelo próprio destino. Por ela, o homem pode decidir-se diante de todos os apelos que encontra no caminho de sua existência e escolher, baseado no seu conhecimento e vontade, assumindo a responsabilidade de suas decisões, entre o bem e o mal.

A liberdade de arbítrio é uma faculdade que Deus concebeu ao homem, como participação na Sua própria liberdade, a fim de que este pratique o bem voluntariamente, e não como autômato. Deus é livre para me convidar e até para me conduzir, e eu sou livre para aceitar, uma vez que minha liberdade de resposta encontra sua fonte na liberdade que Deus teve de me escolher. Mas não podemos esquecer de que Deus é o Criador, conhecedor de minhas necessidades muito mais do que eu mesmo, e de que eu sou uma criatura, limitada na meu modo de ver e julgar. Sobretudo, não podemos nos esquecer de quea capacidade de optar nos foi dada por Deus para o nosso próprio crescimento, e para o crescimento da comunidade humana, e não para a nossa destruição ou destruição do outro.

O Bem Absoluto

Á criatura humana tem em si a capacidade de reconhecer o Bem absoluto, que é Deus, como um bem, mas muitas vezes não reconhece os bens relativos ou terrenos nos seus aspectos positivos e negativos. Quando se torna escravo da liberdade anticristã, o homem se esquece que estes bens são atraentes sob alguns aspectos, mas todos são insuficientes para saciar a necessidade que temos do Bem infinito, que é Deus.

E, quando o homem não reconhece a transitoriedade dos bens terrenos, torna-se escravo do própria natureza, rebaixando-se a si mesmo, sem conseguir vislumbrar a quão alta vida Deus o chamou. Condicionado por fatores internos como traumas, enfermidades, complexos, ou por fatores esternos como a propaganda, por exemplo, ele pode, de certa forma, diminuir ou até extinguir sua própria liberdade de arbítrio, enquanto pensa que está caminhando para a liberdade, está em plena escravidão de si e das idéias deste mundo, rumo à auto-destruição.

Infelizmente, muitos fazem depender sua escolha dos costumes, das circunstâncias que estão atravessando ou das opiniões das pessoas com quem convivem. Estes fatores, embora não tirem a liberdade de escolha do homem, restringem a capacidade de reconhecer o que é realmente bom. Outros se tornam escravos da própria razão, deixando de se abrir à novidade do CHAMADO PESSOAL de Deus para si. Há ainda os que fazem suas opções seguindo seus sentidos superficiais (estéticos, afetivos, ideológicos, etc.), esquecidos de que a felicidade do homem não está condicionada a estes valores efêmeros, como toda realidade visível, mas na realização do fim supremo para o qual veio ao mundo.

Se tivesse se deixado aprisionar por sua própria natureza, pelos costumes ou pela lógica, o Profeta Abraão jamais teria deixado sua terra, seu povo e encontrado a plenitude de sua própria vida. Assim também os outros Profetas, Juízes, Reis, Nossa Senhora, os Apóstolos, Paulo e todo o povo das Escrituras resumiriam sua existência à do Jovem Rico da Bíblia, que não quis conhecer e viver a vontade de Deus para si.

O ser humano foi feito para ultrapassar a si mesmo, sua própria natureza, seus próprios sentimentos, e sua própria razão em busca do outro que é Deus. Quem sufoca em si ou nos outros essa tendência, de alguma forma mutila a natureza humana.

Deus intervém para libertar

Desde sua criação, todo homem é dotado da capacidade de responder, por livre opção, às intenções de Deus para com ele. No entanto, muito longe ainda estamos de compreender a verdadeira liberdade à qual Deus nos chamou! A soberania de Deus não é uma dominação cega e indiferente, e sim, interessada em dar ao eleito a qualidade de vida que lhe convém.

Desde o início do tempos, toda intervenção de Deus na história do homem gerou para este a verdadeira liberdade. Mas o homem, sempre desconfiado de Deus e invejoso de seus irmãos, costuma relutar em aceitar a graça e a generosidade do convite divino. Tem sempre muitas objeções a fazer quando é agraciado. Mas os convites de Deus são livres. Deus é livre! E chama o homem a viver também esta liberdade! A liberdade de optar pelo melhor! Deus disse a Josué, que havia tomado seu pai Abraão, mas Josué era livre para escolher a quem servir. (cf.Jos.24,3-15 )

Dia – a – Dia somos chamados, das pequenas às grandes coisas. E realmente a eleição de Deus, muitas vezes, transtorna nossos projetos pessoais, propondo um novo modo de existência, exigindo de nós uma resposta. Mas as propostas de Deus nunca tiram do homem sua liberdade de escolha. E falou claramente pela boca do profeta Ezequiel da responsabilidade individual de cada homem diante das próprias escolhas (Ez. 18)

O homem e a liberdade

Porém o homem sempre teve dificuldades de conviver com a própria liberdade. Os pagãos de outrora sentiam-se governados pela fatalidade, quando na verdade eram livres, e os custaram a reconhecer a própria escravidão, como também o homem de hoje tem buscado liberdade por meios que o escravizam.

Toda a Escritura fala dos convites amorosos de Deus ao homem, revelando Sua vontade para este, enquanto sublinha sua responsabilidade individual e poder de opção. Jesus anunciou sua missão de dar liberdade aos homens (cf. Lc 4,18) e Paulo incansavelmente repetiu: “Irmãos, vós fostes chamados à liberdade” (Gal. 5,13). Toda a Escritura revela que a aparente oposição entre a Soberania divina e a liberdade do homem é uma grande mentira. A verdade é que a graça de Deus e a livre obediência do homem são reais e ambas necessárias à Salvação deste. Sabemos que pertence ao homem escolher entre a bênção e a maldição, a vida e a morte. A cada um cabe entrar e perseverar no caminho que leva à vida!

Só Deus conhece o verdadeiro segredo de inclinar nosso coração sem violentá-lo e de nos atrair sem nos forçar. Deus é inteiramente livre na sua escolha, mas a liberdade da eleição divina não nos autoriza a concluir que seja ilusória a liberdade humana. Há em todo homem uma verdadeira liberdade de opção.

Desde o princípio, Deus quis que o homem escolhesse livremente entre o bem e o mal, entre o Deus e o não Deus, entre a aceitação ou a recusa da vocação que nos confere, entre aderir ou rejeitar as missões quem os confia, e nos deu como orientação unicamente a Sua imagem…
Cristo: Modelo de liberdade

Antes de Cristo, o homem desconhecia o verdadeiro sentido da liberdade. A verdadeira liberdade está enraizada na amor a Deus e não no amor do homem a si mesmo. A liberdade é ser para Deus, e não ser para si. No momento em que o homem não quer mais ir para Deus, mas se empenha em permanecer centrado em si, torna-se, novamente, escravo de si mesmo e tem que renovar sua opção pela graça. Ao renunciar a Deus, renunciou à vida, e, ao voltar-se para si, entregou-se à morte, porque somente Deus é a vida! Separada de Deus, a existência humana torna-se escrava de si e presa à aspiração da carne que é a morte.

Por isto é que S. Paulo nos exorta a fazer-nos o que por graça já somos: livres! Deus é mais íntimo de nossa vontade que nós mesmos, mas sua presença é respeitosa, e não destrói nossa autonomia. Ouvir, deixar-se tocar é uma graça, mas, aderir à ela continua sendo um ato livre e responsável do homem.

Deus, em vez de se apropriar da liberdade humana a multiplicou, porque quer o amor livre do homem, quer que este O siga livremente, encantado e conquistado por Sua pessoa!
Somos livres e, embora constantemente colocados diante da lembrança da morte, somos continuamente convidados à vida, a nos retirarmos da prisão das nossas mesquinharias e sermos levados à visão do que é seguro, vivo, eterno. Somos continuamente decepcionados em nossa veneração aos valores relativos, e convidados a conhecermos a felicidade que não passa!

Todo cristão é livre no sentido de que, em Cristo, recebeu o poder de viver na intimidade do Pai, sem ver entravado pelos laços do pecado, da morte e da lei. Sim, porque o pecado é o verdadeiro déspota de cujo jugo Jesus nos arranca. Tanto que S. Paulo diz: “Deus nos arrancou do império das trevas e nos transferiu para o retiro do seu Filho Bem – Amado, no qual temos a redenção, a remissão dos pecados” (Col 1,13).

Também a morte, comparsa infalível do pecado, é vencida, de modo que, sabendo que ressuscitará, o homem deve deixar de temê-la. A lei da qual somos livres é a da exterioridade, das ações movidas pelo interesse próprio, e não das que são movidas pelo amor de Deus.

Fomos chamados a uma liberdade tão perfeita, que nem de longe ainda compreendemos. Fomos chamados a nos livrar do espírito de escravos, a sair da ignorância e compreender nossa dignidade de filhos de Deus, destinados à ressurreição e a agir coerentemente com a verdadeira liberdade que Jesus alcançou para nós. Ele, que é a Porta e o Caminho, passou à nossa frente seguindo, indicando-nos e nos tomando pela mão rumo à verdadeira liberdade!

Obediência e liberdade

Longe do que muitos pensam, a liberdade de arbítrio não consiste na possibilidade de pecar livremente. Ao contrário, Jesus, nosso modelo, caminho e porta, conheceu perfeita liberdade de arbítrio ao escolher voluntariamente a morte de cruz, em obediência à vontade de Deus. Livre, Ele se orientou para o fim supremo de todo homem, que é Deus, de forma espontânea, não constrangida ou violenta. Assim entendida, a liberdade é um meio, e não um fim. Ela nos possibilita a praticar o que Deus, de forma espontânea, não constrangida ou violenta. Assim entendida, a liberdade é um meio, e não um fim. Ela nos possibilita a praticar o que Deus quer, (o nosso maior bem) de modo responsável, por decisão espontânea.

Muitos pensam que obediência e liberdade são duas palavras antônimas, o que é um engano profundo, porque a obediência é uma manifestação da liberdade, já que só homem interiormente livre pode optar responsavelmente por obedecer. Quando Jesus se “fez obediente até à morte de cruz”(Fil 2,8), estava encerrando um tempo de escravidão do homem ao pecado, à lei farisaica, e ao medo do morte, e abrindo para este o caminho da perfeição obediência.

Jesus, como verdadeiro homem, foi livre e usou de Sua liberdade para se entregar generosamente à vontade do Pai. Ele certamente sabia a dor que tal atitude poderia causar à Sua natureza humana. Ele não era alguém insensível. Mas, por livre e espontânea vontade, Jesus assumiu a Sua morte no tempo e no lugar previsto pelo Pai. Assim, Jesus fez Sua condenação uma oferenda voluntária. Numa atitude de livre subordinação, disse: “Faça-se a tua vontade, e não a minha, ó Pai”.

Cristo nos convida a manifestar nossa liberdade na obediência à voz de Deus que se faz ouvir nos Mandamentos, na Palavra, na Igreja e nas autoridades por ela instituídas. Fazendo esta livre opção é que o homem encontra a liberdade, passando do temor ao amor, e libertando-se o perigo de servir ao próprio egoísmo e libertinagem. A suprema obediência a Cristo é, assim, a condição da suprema liberdade do cristão, chamado a ser livre na obediência completa ao Pai em Cristo.

Assumir Cristo como modelo da verdadeira liberdade, que não se opõe à obediência, é o desafio de todo cristão. Cristo é para nós o verdadeiro modelo de liberdade responsável, realizada dentro do obediência à vontade do Pai. Como livre que é, Ele aceita a vontade do Pai com o conhecimento mais autêntico, com os olhos bem abertos e o coração jubiloso.

A troca constante

O cristão é chamado à liberdade de tornar disponível para Deus a sua vida, cultura, vocação e profissão, a fim de que Ele realize o projeto único e perfeito que tem para sua vida. Não há autêntica liberdade para o homem que vive para si mesmo, mas somente para aquele que vive em Deus e para Deus.

É, assim, vazio e transitório todo projeto humano que não está compreendido no projeto único de Deus para sua vida. Romper todos os laços que não seja depender só dele para conquistar a verdadeira liberdade é o que caracteriza a atividade espiritual do cristão.

Somos diariamente colocados diante da veneração das grandezas passageiras e levados à visão do que é eterno e seguro, colocados diante da lembrança da morte e convidados à ressuscitar com Cristo, colocados diante das nossas fragilidades e convidados, por Sua enorme confiança, a tão altas missões! Presos a Ele pelos laços do amor, porque só ele tem a vida, mas, ao mesmo tempo livres para optar ou não por ele e pela sua vontade para as nossas vidas.

Cristo nos faz livres, mas permanece espontânea e eternamente preso a nós na Eucaristia. Trocou de lugar conosco e nos convida a viver este colóquio, esta troca constante de liberdades, esperando alguém que lhe responda: – Senhor, eu recebo a tua liberdade e em troca Te dou a minha!

Formação/2009


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *