Formação

A obediência nos abre à ação do Espírito Santo

A obediência nos leva a um caminho constante de purificação da busca de nós mesmos e nos abre fortemente à ação do Espírito Santo.

A virtude essencial para a vida cristã e para o exercício dos carismas é a obediência. Devemos vivenciá-la também a exemplo de Cristo “que não veio ao mundo para fazer sua vontade, mas a vontade daquele que o enviou” (Jo 5, 30b).

A obediência sincera mostra que buscamos a vontade de Deus e desejamos nos deixar conduzir pelo seu Espírito, pois não queremos dirigir por nós mesmos a nossa vida particular, nem muito menos o povo de Deus. Reconhecemos pela obediência, a exemplo de Cristo, que a nossa vontade é vã, comparada com a vontade suprema de Deus.

Reconhecemos que a nossa capacidade e experiência humana, por mais ricas que sejam, não se equiparam jamais à riqueza da vontade de Deus. Desconfiamos sempre de obedecer à nossa voz e ao nosso direcionamento por mais bom senso que expressem, porque sentimo-nos infinita e unicamente seguros somente na mão de Deus. Por mais que sua vontade se divorcie da nossa, é a vontade de Deus que deve sempre prevalecer.

A obediência nos abre à ação do Espírito Santo

A obediência nos leva a um caminho constante de purificação da busca de nós mesmos e nos abre fortemente à ação do Espírito Santo, segundo os seus desígnios. A obediência verdadeira nos leva a uma submissão profunda a Deus através da Sua Igreja e nos torna canais aptos para ser usados poderosamente para o Senhor.

“Se obedecerdes os mandamentos que hoje vos prescrevo, se amardes o Senhor, servindo-o de todo o vosso coração e de toda a vossa alma, derramarei sobre a vossa terra a chuva em seu tempo, a chuva do outono e da primavera e recolherás o trigo, o teu vinho e o teu óleo; darei erva aos teus campos para os teus animais, e te alimentarás até ficares saciado” (Deut. 11, 13-15).

Devemos exercer a obediência responsável, que implica liberdade saudável de expor sinceramente o seu ponto de vista sempre à luz do Senhor, e de estar disposto a acolher o discernimento final das pessoas responsáveis ou as autoridades constituídas pois “a sabedoria que vem de cima, é primeiramente, pura, depois pacífica, condescendente, conciliada, cheia de misericórdia e de bons frutos, sem parcialidade, nem fingimento. O fruto da justiça semeia-se na paz para aqueles que praticam a paz” (Tg 3, 17-18).

O batizado já não se pertence a si mesmo

Assim nos diz o Catecismo da Igreja Católica n. 1269: “Feito membro da Igreja, o batizado já não se pertence a si mesmo ( I Cor 6, 19), mas a Cristo que morreu e ressuscitou por nós ( II Cor 5, 15). Portanto, está chamado a submeter-se aos demais (Ef. 5, 21; I Cor 16, 15-16), a servi-los (Jo 13, 12-15) na comunhão da Igreja, e a ser “obediente e dócil” aos pastores da Igreja (Hb 13, 17) e considerá-los com respeito e afeto (I Ts 5, 12-13). Pelo batismo nos submetemos ao Senhorio de Jesus Cristo, portanto toda a nossa vida cristã possa ser vivida na obediência a Jesus Cristo e às autoridades constituídas por Ele.

Usar os carismas na humildade e obediência, harmonia e ordem, longe está de desencorajar ou impedir os esforços necessários para a abertura confiante e plena à ação do Espírito Santo e à manifestação dos carismas, como o próprio São Paulo nos exorta: “Assim, uma vez que aspirais aos dons espirituais, procurai tê-los em abundância para a edificação da Igreja (I Cor 14, 12).

Dons gratuitos de Deus

Resumindo de maneira superficial tudo o que vimos sobre os carismas, podemos dizer que os dons carismáticos são dons gratuitos de Deus, que não dependem dos nossos esforços e méritos pessoais e que são dados a todos os batizados, pelo poder do Espírito Santo, para a edificação do Corpo Místico de Cristo.

Sabemos que o Espírito “sopra onde quer” e “como quer”, e que jamais poderemos limitar sua ação. Somos plenamente conscientes que Ele pode ultrapassar os dons relacionados na própria palavra de Deus, pois Ele é uma fonte inesgotável de graças. Ele está sempre atento às necessidades de seu povo, para supri-las da forma mais plena, com intenção de aproximar cada vez mais o homem do seu Criador. No entanto, iremos restringir nossos estudos sobre os dons àqueles que São Paulo relaciona em sua primeira carta aos Coríntios:

“Há diversidades de dons, mas um só é o Espírito. Os ministérios são diversos, mas um só é o Senhor. Há também diversas operações, mas é o mesmo Deus que opera tudo em todos. A cada um é dada a manifestação do espírito para proveito comum. A um é dado pelo espírito uma palavra de sabedoria, a outro, uma palavra de ciência, por esse mesmo espírito; a outro a fé, pelo mesmo espírito; a outro, a graça de curar as doenças, no mesmo espírito; a outro, o dom de milagres; a outro, a profecia; a outro, o discernimento dos espíritos; a outro, por fim, a interpretação das línguas. Mas um e o mesmo espírito distribui todos estes dons, repartindo a cada um como lhe apraz” (I cor 12, 4-11).

Dons Efusos do Espírito Santo

Dons do Espírito Santo: Dom de Línguas

Dons do Espírito Santo: Dom de Ciência

Dons do Espírito Santo: Dom de Profecia

Dons do Espírito Santo: Dom de Sabedoria

Dons do Espírito Santo: Dom de Cura

Dons do Espírito Santo: Dom da Fé

Dons do Espírito Santo: Dom de Milagres

Dons do Espírito Santo: Dom do Discernimento


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *