Formação

A prática do perdão aos pais

Rebeca Dante

O porquê de não conseguirmos perdoar os nossos pais é um problema bastante complicado. Às vezes, vivemos anos e anos com a mágoa de algo que nos fizeram, ou que não fizeram. Quanto tempo de bom relacionamento perdemos com essas intrigas. Quantos abraços desperdiçados, quantos beijos, quantas conversas, quanto carinho e cuidado jogados fora. E, muitas vezes, acabamos nos arrependendo de tanto desperdício tarde de mais, pois, às vezes, essas pessoas tão queridas partem da vida, enquanto, nós, filhos, ficamos com o arrependimento do tempo perdido, do que poderia ter sido e não foi.

A prática de não perdoar vem, muitas e muitas vezes, de um pensamento profundamente egocêntrico. Pensamos, na verdade, que o nosso umbigo é o centro deste imenso universo e que todas as constelações, astros e estrelas devem girar em nossa órbita. Portanto, digo-lhe, caro Sol (você que se encontra na situação), será realmente que seus pais merecem sua desaprovação, merecem sua rejeição, merecem não serem perdoados?

Não esqueça que foram seus pais (ou sua mãe sozinha, ou só seu pai, em alguns casos) que lhe fizeram chegar aonde você está, o dom da sua vida passa também pelo amor deles por você, amor que ainda têm, ou se não têm, um dia tiveram, e você deve ser grato também por isso. Pare pra pensar em tudo que você viveu e perceba as manifestações de amor dos seus pais, mesmo se foram pequenas ou poucas. Não é justo que toda uma história de amor seja jogada por água abaixo por causa de alguns acontecimentos que o magoaram. Sabemos que certas coisas machucam muito, mas, o amor é maior do que tudo isso e tudo pode ser superado através dele.

Sabemos também que há pais que machucaram muito seus filhos e não foram quem deveriam ser, não foram o apoio, o porto seguro, o carinho e a atenção que deveriam ser como pais. É, claro, que é muito difícil para esses filhos conseguirem se reconciliar com esses pais (aliás, alguns pais nem permitem que os filhos se aproximem), mas, esses filhos não devem esquecer que todos são dignos de amor, e que assim como você precisa do amor dos seus pais, seus pais também precisam do seu, mesmo que eles não expressem isso, mas, eles precisam do seu amor pra mudar. Devemos procurar entender também que seus pais, assim como você, tiveram também suas histórias durante a vida, e também tiveram pais que os trataram das mais diversas maneiras. Devemos parar pra refletir sobre nossos pais como indivíduos normais, como nós, que erramos, que lutamos, que caímos, e como pessoas que também devem ter tido uma vida difícil com seus pais. Muitas vezes desconhecemos o modo como nossos pais foram criados, e isso tem muita influência no modo como nos tratam. Há pais que não receberam atenção e amor dos seus pais, foram tratados com indiferença, e para eles é muito difícil dar para os filhos algo que não receberam. Portanto, precisamos, como jovens maduros e de atitude, tomar também as rédeas de nosso relacionamento com nossos pais, e procurar, através do amor e da compreensão, nos reconciliar com nossa família, com nossa história e com nossa identidade que também passa por nossos pais.

E não esqueçamos que o perdão é uma graça de Deus e você, como conhecedor do Seu amor e da Sua misericórdia, deve, através do perdão que Deus dá a você sempre, pedir a Ele a força e a coragem de perdoar e buscar cicatrizar as feridas que o relacionamento com seus pais deixou em você. Portanto, caro Sol, esqueça-se do seu umbigo, e lembre-se que seus pais também são frutos de sofrimentos anteriores e esforce-se para sair de si mesmo, dessa mágoa, pedindo a Deus que lhe ajude, para que você possa se abrir para uma vida mais sincera, mais amorosa, mais reconciliada, mais leve, mais feliz com seus pais.

Fonte: Revista Shalom Maná


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *