Formação

A redenção por Jesus Cristo

INTRODUÇÃO:

Toda a vida de Cristo é mistério de Redenção. A Redenção nos vem antes de tudo pelo sangue da Cruz, mas este mistério está em ação em toda a vida de Cristo: já na sua Encarnação, pela qual, fazendo-se pobre, nos enriqueceu pela sua pobreza; na sua vida oculta, que, pela sua submissão, serve de reparação para a nossa insubmissão; na sua palavra que purifica seus ouvintes; nas suas curas e seus exorcismos, pelos quais "levou as nossas fraquezas e carregou as nossas doenças"(Mt 8,17); na sua Ressurreição, pela qual nos justifica.

Redenção é a recuperação de um objeto precioso mediante pagamento – o que supõe um regime de escravidão.

1. REDENÇÃO FÍSICO MÍSTICA

O fato mesmo de que Deus se fez homem e viveu as etapas da vida de um homem desde a conceição no seio materno até a morte, é obra de Redenção. Com efeito; pelo contato mesmo com a natureza e as etapas da vida humana, Deus divinizou ou deu novo sentido, recriou, tudo o que é do homem.

a. Pela Encarnação Cristo foi constituído substancialmente mediador

Isto quer dizer que, pela sua própria existência, Cristo exerce mediação. A união e a reconciliação entre Deus e os homens estão realizadas em raiz. A vida e as obras de Cristo descobriram o que estava contido nessa raiz. Pelo fato de estar unida a Deus como nenhuma outra criatura, a natureza humana de Cristo está no ápice das criaturas. Nenhuma criatura pode voltar a Deus senão por Cristo. Tudo neste mundo é avaliado em função de Cristo. Todo o universo converge para Cristo e se recapitula nele (Cl 1,16s)

b. Pela Encarnação todo o universo foi consagrado e teve início a edificação dos homens

No homem (mikrokósmos) resume-se todo o grande mundo (makrokósmos). Por conseguinte, se a criatura humana foi elevada à união hipostática, as demais criaturas também foram chamadas a nova forma de vida. Esta consagração é particularmente efetiva nos sacramentos e sacramentais, que são instrumentos materiais comunicadores da vida divina. Cristo mesmo quis, de certo modo, identificar-se com objetos materiais, ao dizer: "Eu sou o pão da vida (Jo 6,48), a luz do mundo (Jo 8,12), a porta( Jo 1,29), a verdadeira videira (Jo 15,1), o caminho (Jo 14,6)"; Ele é o Cordeiro (Jo 1,29), a Pedra angular (Ef 2,20). Estas expressões significam que todos estes objetos têm seu exemplar no Verbo Encarnado. A santíssima humanidade de Cristo contém em grau máximo as perfeições expressas por cada um desses objetos.

c. O Batismo de Jesus foi ato de obediência e humildade, em antítese à soberba do primeiro pecado.

A palavra grega baptízomai, significa "submergir ,ao qual se segue um emergir". Assim o Batismo de Jesus é um compêndio de toda a vida de Cristo, que foi humilhação e exaltação; é também a aceitação simbólica da morte redentora (Mc 10,38). Aceitando o Batismo, Jesus manifesta a intenção de sofrer a morte de cruz pelos homens.

O Batismo de Jesus foi também a santificação das águas para que estas se tornassem o sacramento da nossa regeneração; pelo contato com a carne de Cristo, a água recebeu o poder de vivificar o homem. Consequentemente o nosso Batismo também é a aceitação da morte por ascese; comprometemo-nos então a morrer com Cristo para o pecado.

d. A pregação de Cristo, predita nas Escrituras (Dt 18,18; Is 61,2), tornou-se plena comunicação da Palavra de Deus aos homens (Hb 1,1). Cristo é a Palavra (Jo 1,1) e a Imagem (Cl 1,15) do Pai, que por sua existência terrestre, nos revela o Pai.

O mundo anterior a Cristo estava sob o poder do demônio, que é o pai da mentira (Jo 8,44); 12,31). Por isto a manifestação da verdade realizada por Cristo já é certa vitória sobre o demônio ou início da nossa Redenção. A Escritura assinala muitas vezes que a Palavra de Jesus comunicava a vida (Jo 1,1-5; 1 Jo 1,1), e santificava os homens (1 Tim 4,5; Tg 1,18; 1 Pd 1,23). A sua eficácia é comparada à de uma espada (Ef 6,17; Hb 4,12s). Disto se segue a importância da pregação e da catequese. "A fé vem pela pregação, e a pregação é pela Palavra de Cristo"(Rm 10,18).

e. Os milagres de Jesus

A palavra milagre vem do latim miraculum. Geralmente se considera o milagre tão somente sob este aspecto. A Bíblia, porém, fala de seméion, sinal (Jo 6,26; 10,37s; 12,37; 15,24); ora o sinal é sempre algo que não tem sentido em si mesmo, mas é relativo; é uma mensagem dirigida a alguém.

O milagre é, pois, uma palavra…palavra de Deus mais forte e enfática do que os vocábulos habituais; Deus dirige aos homens esse tipo de linguagem sempre que o julga oportuno. Tenha-se em vista o episódio de Mc 2,5-12: Jesus perdoa os pecados ao paralítico; os escribas que o vêem, julgam que está blasfemando; então Jesus confirma as palavras anteriores mediante o sinal da cura do paralítico.

Por conseguinte, os milagres de Jesus nos Evangelhos não são meras demonstrações de poder. Mediante curas, exorcismos, domínio sobre a natureza…, Jesus quis significar que Ele vinha recriar o homem, restaurando na sua integridade a natureza vulnerada pelo pecado. Não basta, pois, admirar os milagres de Jesus; é preciso também saber lê-los ou reconhecer e seu significado transcendental. S. Agostinho diz que quem não atinge essa significação mais elevada, é semelhante ao analfabeto que vê belas letras de imprensa; admira o seu traçado, mas passa ao lado do principal, porque não sabe ler.

Assim entendemos por que os milagres de Jesus estavam profundamente inseridos dentro da pregação do Senhor; a ressurreição deveria ser o sinal por excelência ou o sinal de Jonas (Mt 12,38-40), que atenderia aos anseios dos fariseus.

2. A REDENÇÃO PROPICIATÓRIA (Páscha Staurósimon – Páscoa da Paixão)

A obra salvífica de Cristo foi uma só desde o nascimento até a Ascensão. Por isto a Encarnação e as diversas fases da vida oculta como da vida pública de Jesus deviam culminar na morte e ressurreição. Principalmente estas duas etapas finais estavam intimamente associadas entre si, a tal ponto que os antigos gregos falavam de Páscha Staurósimon (Páscoa da Cruz) e Páscha anastásimon (Páscoa na ressurreição)

a. O sentido mais profundo da morte de Cristo é o de manifestação suma do amor de Deus aos homens

Com efeito. A morte de Cristo não foi apenas propiciação oferecida ao Pai pelos pecados. Foi algo cuja iniciativa se deve ao próprio Pai. Sim; foi Este quem nos predestinou em Cristo (Ef 1,3-6); iniciou a nossa salvação já no Antigo Testamento e deu ao Filho o mandamento de entregar a vida por nós (Jo 10,18; 14,31; Rm 5,8-10; 8,32). Trata-se de amor não motivado, mas de pura benevolência ( 1Jo 4,10; 2 Cor 5,18).

Ao amor do Pai corresponde o amor do Filho, que na cruz se exprime num sim ao Pai e na restauração da vida dos homens.

b. A morte de Cristo foi também sacrifício de propiciação e reconciliação oferecido ao Pai em favor dos homens

Cristo, Sacerdote desde o primeiro instante da sua Encarnação, ofereceu um sacrifício perfeito. Desde a sua estrada no mundo, Ele mesmo era vítima consagrada pela união com o Verbo (Hb 10,1-4; 7, 26-28; 9,25-28).

Eis o fato. Procuremos penetrar no âmago do mesmo.

b.1 Cristo exerceu um ato de livre entrega ao Pai. A sua morte não foi um fato inevitável, como a dos demais homens. Cristo não apenas aceitou e sofreu a morte necessária, mas voluntariamente entregou a vida em testemunho de sua obediência ao Pai e de seu amor aos homens. Assim a morte de Cristo é mesmo mais preciosa e grandiosa do que a dos mártires.

b.2 Toda a vida de Cristo é mistério de Recapitulação. Tudo o que Jesus fez, disse e sofreu, tinha por meta restabelecer o homem caído na sua vocação primeira:

Quando ele se encarnou e se fez homem, recapitulou em si mesmo a longa história dos homens e, em resumo, nos proporcionou a salvação, de sorte que aquilo que havíamos perdido e Adão, isto é, sermos à imagem e à semelhança de Deus, o recuperemos em Cristo Jesus. É, aliás, por isso que Cristo passou por todas as idades da vida, restituindo com isto a todos os homens a comunhão com Deus. (Cat 518)

c. A morte de Cristo foi vitória sobre o pecado, a morte e o diabo.

Conforme a Escritura, o pecado, a morte e o demônio eram os senhores deste mundo antes da vinda de Cristo (Rm 5,12-19; Jo 12,31; 14,30; 1 Jo 5,19; 2 Cor 4,3).

Toda a vida de Cristo foi luta contra o pecado e o demônio; isto se evidenciou principalmente nos exorcismos, que desmantelavam inicialmente o império do Maligno,…império que foi definitivamente destruído na cruz; ver Ap 12,10-12.

A vitória sobre o pecado

A carne foi o instrumento pelo qual o primeiro Adão pecou no início da história. Tornou-se sede da miséria humana. Ora precisamente Deus quis salvar os homens mediante carne, a fim de vencer o pecado através do instrumento mesmo do pecado. É o que se chama "recapitulação" ou a arte de fazer que os instrumentos do pecado e da morte se tornem recursos para a vida e a glória (Rm 8,3).

A carne do Messias representava a carne de todo gênero humano; sobre ela pesou a sentença que pairava sobra a humanidade pecadora ("no dia em que desobedeceres, morrerás" Gen 2,17); a carne inocente de Jesus, fezendo-se voluntariamente as vezes da humanidade pecadora, libertou do jugo do pecado todos os homens. A carne tornou-se assim instrumento do sumo amor de Deus, ela que fora objeto de condenação. Isto significa que a carne foi interiormente redimida e santificada, e não apenas salva por imputação extrínseca dos méritos de Cristo.

A vitória sobre a morte

Cristo inocente nada devia à morte (Jo 12,31; 14,30). Por isso ela não o pôde deter (Ap 1,18). Assim a morte só podia servir a à glorificação de Cristo. Ela ainda permanece no mundo e domina cada homem, mas servindo para a nossa glorificação ou passagem para o Pai. A morte é atualmente o inimigo que nos dá a ocasião da vitória definitiva. No dia da consumação final, ela será destruída (I Cor 15,26).

Vitória sobre o demônio

Este foi desejado do seu poder (Jo 12,31; Cl 2, 13-15). Desde a tentação no deserto até a cruz quis dominar Jesus (Lc 4,1′; Lc 22,3.53); instigou os homens pelos Padres da Igreja mediante a seguinte imagem: a santíssima humanidade de Cristo, em tudo semelhante à dos demais homens, exceto no pecado, foi apresentada ao demônio como isca. O Maligno abocanhou-a com avidez, julgando fazer mais uma presa, todavia não percebera nela o anzol da Divindade; a sua fisgada, aparentemente vitoriosa, tornou-se-lhe fatal. Era, de resto, justo que o Senhor Deus apresentasse ao demônio, como antagonista, uma carne humana semelhante àquela que ele suplantara no primeiro encontro da história ou no paraíso. Neste encontro com o segundo Adão, Satanás foi derrotado pelo adversário que ele havia derrotado.A tríplice vitória de Cristo sobre o pecado, a morte e o demônio trouxe ao mundo Paz (Rm 5,1). A mensagem de Cristo é essencialmente Paz (SHALOM) (EF 2,17; 6,15)


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *