Formação

Por que a vida humana é sagrada?

viver_com_feQue é o homem, digo-me então, para pensardes nele? Que são os filhos de Adão, para que vos ocupeis com eles?”[1]
Em seu infinito amor, Deus, Criador do universo, criou o homem à sua imagem e semelhança, para amá-lo e fazê-lo participar da sua vida divina. Por isso a vida humana é sagrada, pois tem em Deus a sua origem e o seu fim, ela não é fruto do acaso ou de mera evolução física; e portanto, é, também, inviolável porque pertence a Deus, seu criador. 

“O Senhor Deus formou, pois, o homem do barro da terra, e inspirou-lhe nas narinas um sopro de vida e o homem se tornou um ser vivente”[2].A Sagrada Escritura nos ensina que o homem foi criado à imagem de Deus, capaz de conhecer e amar o seu Criador, e que foi constituído acima das outras criaturas terrenas como senhor delas[3], para governá-las e delas se servir para a glória de Deus[4]. Essa participação do homem na soberania divina atinge o seu ápice no dom da liberdade responsável que o homem recebe do Senhor. “A liberdade verdadeira é um sinal privilegiado da imagem divina no homem. Pois Deus quis «deixar o homem entregue à sua própria decisão»[5], para que busque por si mesmo o seu Criador e livremente chegue à total e beatífica perfeição, aderindo a Ele”[6]. Mas precisamos compreender que existe uma diferença qualitativa entre o senhorio do homem sobre o mundo infra-humano e o senhorio sobre a sua própria vida, porque a vida humana não poderá jamais ser objeto de posse e manipulação, ela deve, simplesmente, ser vivida.O homem é“senhor” somente na medida em que é também “ministro” do desígnio estabelecido pelo Criador. Ou seja, Deus constituiu o homem como administrador das suas obras, para administrá-las com sabedoria, mas esse domínio não se estende sobre a própria vida humana.À luz da experiência universal e de uma reta reflexão racional, podemos afirmar que a vida humana é um bem, um valor. À luz da fé, a vida humana se revela como um grande dom de Deus Criador e Pai Misericordioso.“Na interpretação antropológica do corpo, a inviolabilidade da vida humana não coincide com a intocabilidade, ou seja, ou com a exclusão de qualquer intervenção sobre ela: tal intervenção, mesmo se é “artificial”, resulta eticamente lícita ou até mesmo obrigatória se, no respeito da estrutura, dos dinamismos e das finalidades do corpo humano, é colocado a serviço da pessoa e do seu desenvolvimento[7]”.

Na sua encíclica Evangelium Vitae, João Paulo II afirma que, “mesmo por entre dificuldades e incertezas, todo o homem sinceramente aberto à verdade e ao bem pode, pela luz da razão e com o secreto influxo da graça, chegar a reconhecer, na lei natural inscrita no coração (cf. Rm 2,14-15), o valor sagrado da vida humana desde o seu início até ao seu termo, e afirmar o direito que todo o ser humano tem de ver plenamente respeitado este seu bem primário”[8]. Ele nos recorda, ainda, que somos chamados a uma plenitude de vida que vai muito além das dimensões da nossa existência terrena, porque consiste na participação da própria vida de Deus. A sublimidade dessa vocação sobrenatural revela a grandeza e a dignidade da vida humana[9].

No primeiro capítulo desta belíssima Encíclica, o Papa descreve as atuais ameaças à vida humana, partindo do início, desde o sangue de Abel, morto por Caim, seu irmão: “Caim disse então a Abel, seu irmão: “Vamos ao campo.” Logo que chegaram ao campo, Caim atirou-se sobre seu irmão e matou-o. O Senhor disse a Caim: “Onde está seu irmão Abel? – Caim respondeu: “Não sei! Sou porventura eu o guarda do meu irmão?” O Senhor disse-lhe: “Que fizeste! Eis que a voz do sangue do teu irmão clama por mim desde a terra[10]”, e afirma que o sangue das pessoas e dos povos mortos das mais diversas formas de violência é como um rio que ainda hoje escorre e sacia a cultura de morte. Mas a história da humanidade também conhece um outro sangue, que gera a cultura da vida e que semeia a cada dia a esperança, produzindo frutos de amor e de serviço à vida: “Já não haverá morte[11]”,exclama a voz potente que sai do trono de Deus na Jerusalém celeste. Este outro sangue é o sangue de Cristo Crucificado, que sai do seu lado aberto[12], “derramado por muito, para a remissão dos pecados[13]”.

Que grande amor do Pai e do Filho pelo homem pecador! Quão precioso é o homem aos olhos de Deus e quão inestimável é o seu valor! Você entende agora porquê a vida humana é sagrada e inviolável, desde o momento da sua concepção até a sua morte natural e em qualquer condição, de saúde ou de doença?

Com a doação livre e total de Cristo na Cruz – e doando-se entregou o espírito – Jesus se torna a Nova Lei, que no Espírito faz o homem participar do seu amor e do seu abandono. Sobre isso nos ensina a Evangelium Vitae: “Animado e plasmado por esta lei nova está também o mandamento que diz “não matarás”. Para o cristão, isto implica, em última análise, o imperativo de respeitar, amar e promover a vida de cada irmão, segundo as exigências e as dimensões do amor de Deus em Jesus Cristo. “Ele deu a Sua vida por nós, e nós devemos dar a vida pelos nossos

[1] Sl 8,5.
[2]
Gn 2,7.

[3] Cfr. Gn 1,26; Sb 2,23.

[4] Cfr. Sir 17,3-10.

[5] Cfr. Sir 15,14.

[6] Gaudium et Spes, 17.

[7] DIONIGI TETAMANZI, Nuova Bioetica Cristiana, Piemme, 2001, p. 138.

[8] Evangelim Vitae, 2.

[9] Idem.

[10] Cfr. Gn 4,8-10.

[11] Cfr. Ap 21,4.

[12] Cfr. Jo 19,34.

[13] Cfr. Mt 26,28.

Artigo publicado na revista Shalom Maná

*Se você deseja ter mensalmente em sua casa este instrumento de informação e evangelização, faça a sua assinatura pelo telefone: (85) 3304.7403 ou acesse a nossa loja web: www.edicoesshalom.com.br
Artigo publicado na revista Shalom Maná
11.11A maravilhosa catequese de João Paulo II, que aborda o amor humano em toda a sua grandeza, trazendo temas como: o valor da pessoa humana, a redenção do corpo e o seu significado esponsal, corpo, lugar de santidade, totalidade e constância do dom de si e a sua visão do lugar do homem em Deus na espiritualidade vivida por Santa Terezinha, Santa Catarina e Santa Teresa de Ávila.
Adquira o seu [AQUI]

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *