Formação

Albertina, uma jovem contra-corrente

No próximo sábado, dia 20, em Tubarão, será beatificada Albertina Berkenbrock. É a segunda mulher que a bela e santa Catarina – como é conhecido o simpático Estado sulino – oferece como exemplo de santidade à Igreja e à sociedade.

A primeira foi Santa Paulina, cuja festa se comemora a 9 de julho. Nascida na Itália, em 1865, aportou ao município de Nova Trento aos 10 anos de idade, juntamente com a família e centenas de migrantes que buscavam melhores condições de vida no Brasil. Abrindo-se sem medidas ao amor de Deus, transmitiu-o aos pobres e doentes, gastando sua vida a serviço dos mais esquecidos e excluídos. Fundou uma congregação religiosa para continuar seu carisma na Igreja. Falecida em 1942, foi beatificada por João Paulo II, em Florianópolis, em 1991, e canonizada pelo mesmo Papa, em 2002.

Albertina nasceu a 11 de abril de 1919, na Comunidade São Luís, município de Imaruí. A sua vida de criança em nada se distinguia das demais, a não ser pela fidelidade aos princípios cristãos, já que nascera numa família de raízes profundamente católicas.

Confessava-se com freqüência, ia regularmente à missa e comungava com fervor. Com seus familiares, rezava o terço todos os dias. Dócil e paciente, não fugia das responsabilidades e trabalhos que lhe eram confiados. Fora de casa, era uma menina estimada por todos, colegas e adultos. Amável e risonha, vestia-se com simplicidade e modéstia.

Apesar da pouca idade, entendera que a caridade era a primeira das virtudes. Aproximava-se e brincava com as meninas mais pobres, dividindo com elas o pão que trazia de casa para lanchar no intervalo das aulas. Até mesmo com os filhos do seu futuro assassino, o Maneco Palhoça, que trabalhava na casa do pai, se entretinha alegremente, acariciando-os e carregando-os ao colo. O fato não deixa de chamar a atenção, pois o empregado era negro, olhado com desconfiança pela maioria dos descendentes europeus.

Tudo corria normalmente até o dia 15 de junho de 1931. Naquela manhã, um boi da família perdera-se pelos pastos. A pedido dos pais, Albertina sai à sua procura. Anda de cá para lá, olha, chama pelo “Pintado”, mas nada! De longe, Maneco Palhoça, que rumina dentro de si o plano de conquistar a menina para seus intentos libidinosos, acompanha-a com o olhar e estuda como se aproximar dela.

Albertina mal completara 12 anos, mas aparentava uma idade superior. Alta e forte, bonita e simpática, tinha os cabelos louros e os olhos verde-escuros.

Maneco costumava andar armado com um punhal. Neste dia, ao invés, carrega um canivete afiado.

Albertina procura o boi fugitivo. De repente, vê ao longe alguns chifres e corre naquela direção. Mas eram outros bois, amarrados a um poste. Com surpresa, vê perto deles Maneco, carregando a carroça com sacos de feijão. À pergunta de Albertina pelo boi desaparecido, o homem lhe dá uma pista falsa para encaminhá-la ao lugar onde pudesse satisfazer seus desejos sem chamar a atenção.

Albertina segue a indicação de Maneco, embrenhando-se pelo mato. De repente, percebe que os gravetos estalam e as folhas farfalham. Volta-se e dá de cara com Maneco. Fica petrificada. Sozinha, na mata, com aquele homem na frente!

Ainda naquela manhã levara comida a seus filhos, como sempre fazia. Havia certa familiaridade entre Albertina e Maneco: ela o chamava de “Maneco preto”, como todo mundo, sem nenhuma intenção de ofendê-lo.

Chegara o momento decisivo! Maneco lhe propõe seus intentos. Albertina, decidida, não aceita. Sabe o que significa o pecado e recusa terminantemente. Começa, então, a tentativa do assassino de se apossar de Albertina, mas ela não se deixa subjugar. A menina é forte. Aos pontapés, derruba o assassino. A luta é longa e terrível. Ela não cede. Subjugada e jogada ao chão, tudo parece terminado. Ainda assim, defende-se, agarra seu vestido e se cobre mais que pode.

Maneco, derrotado moralmente pela menina, vinga-se, agarra-a pelos cabelos e afunda o canivete no pescoço e a degola.

Albertina está morta! Seu corpo verte sangue por todos os lados, mas sua pureza e sua liberdade interior ficaram intactas! A batalha foi vencida! Superando os tabus e os preconceitos de uma sociedade dominada pelo erotismo, demonstrara que “um outro mundo é possível” quando as mulheres ocupam o seu lugar e realizam a própria missão!

Fonte: CNBB


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *