Igreja

Angelus: Jesus é o médico das almas e dos corpos

09.angelus

“A cura dos doentes por parte de Cristo nos convida a refletir sobre o sentido e o valor da doença.” No Angelus deste domingo (08/02), o Papa Francisco comentou o Evangelho do dia, em que Jesus cura inúmeros doentes.

“Pregar e curar: esta é a atividade principal de Jesus na sua vida pública”, explicou o Papa. Com a pregação, Ele anuncia o Reino de Deus; com as curas, demonstra que o Reino está próximo.

Ao entrar na casa de Simão Pedro, Jesus vê que a sua sogra estava na cama com febre; logo a toma pela mão, a cura e a faz levantar-se. Depois do pôr-do-sol, quando concluído o sábado as pessoas podem sair e levar-lhes os doentes, reúne-se uma multidão de pessoas com todo tipo de doenças: físicas, psíquicas e espirituais.

Médico de almas e corpos

“Vindo sobre a terra para anunciar e realizar a salvação de todo o homem e de todos os homens, Jesus mostra uma especial predileção por aqueles que estão feridos no corpo e no espírito: os pobres, os pecadores, os endemoninhados, os doentes e os marginalizados. Ele assim se revela médico seja das almas, seja dos corpos, bom Samaritano do homem”, explicou o Papa.

Orações por Dom Zimowski

Para o Pontífice, a realidade da cura dos doentes por parte de Cristo nos convida a refletir sobre o sentido e o valor da doença. A isso nos evoca também o Dia Mundial do Enfermo, que será celebrado na próxima quarta-feira, 11 de fevereiro, memória litúrgica da Bem-aventurada Virgem Maria de Lourdes. “Abençoo as iniciativas preparadas para este Dia, em especial a vigília que terá lugar em Roma, na noite de 10 de fevereiro”, pedindo orações também para o idealizador desta iniciativa, o Arcebispo polonês Zygmunt Zimowski, que está “muito doente” na Polônia.

A obra salvífica de Cristo não se esgota com a sua pessoa e no arco de sua vida terrena; ela continua mediante a Igreja. Fiel a este ensinamento, afirmou Francisco, a Igreja sempre considerou a assistência aos doentes parte integrante da sua missão, uma via privilegiada para encontrar Cristo, para acolhê-lo e servi-lo. “Curar um doente, acolhê-lo, servi-lo, é servir Cristo: o doente é a carne de Cristo”, ressaltou.

Levar a luz do Evangelho

Apesar dos avanços da ciência, constatou o Papa, o sofrimento interior e físico das pessoas suscita fortes interrogações sobre o sentido da doença e da dor e do porquê da morte. “Trata-se de perguntas existenciais, às quais a ação pastoral da Igreja deve responder à luz da fé. Portanto, cada um de nós é chamado a levar a luz do Evangelho aos que sofrem e aos os assistem, parentes, médicos e enfermeiros, para que o serviço ao doente seja realizado sempre mais com humanidade, com dedicação generosa, com amor evangélico. A Igreja mãe, através das nossas mãos, acaricia os nossos sofrimentos e cura as nossas feridas, e o faz com a ternura de mãe.”

Francisco então concluiu pedindo a Maria, Saúde dos doentes, para que cada pessoa na doença possa experimentar, graças à solicitude de quem lhe está próximo, a potência do amor de Deus.

Fonte: Rádio Vaticano


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *