Mas que tipo de amor?

Para falar sobre a sexualidade humana faz-se necessário uma reflexão séria sobre algumas características essenciais do ser humano, sem as quais corre-se o risco de permanecer na superficialidade dos discursos. Deve-se sempre partir do “princípio”, para que a compreensão antropológica seja purificada de ideias e conceitos utilitários ou reducionistas.

Sexualidade Tridimensional

A sexualidade humana constitui uma dimensão fundamental da identidade da pessoa. Ela envolve as dimensões biológica, social, emocional, cultural, enfim todo o indivíduo. Ela é desenvolvimento e relacionamento humano. Refere-se à forma como nos desenvolvemos, nos sentimos, nos relacionamos conosco, com os outros, com o mundo e com Deus. Não envolve apenas nossos instintos e desejos e nem se reduz ao ato sexual.

Criados para a Comunhão

Há uma multidão de pessoas que desconhece essa verdade: são amados por Deus em Jesus Cristo e chamados a viver uma comunhão plena de amor com Ele e com os outros. E essa salvação é destinada a todos os homens e diz respeito ao “homem todo: é salvação universal e integral. Diz respeito à pessoa humana em todas as suas dimensões: pessoal e social, espiritual e corpórea, histórica e transcendente” (DSI, 38).

Os direitos do homem

Criada pelo Deus Uno e Trino, a pessoa humana é chamada a descobrir Nele a origem e a meta da sua existência, sendo na revelação divina que cada homem e cada mulher pode encontrar o significado autêntico e pleno de sua vida pessoal e social, bem como responder à tarefa que lhes foi confiada pelo Criador de ordenar o universo criado segundo o Seu desígnio (Cf. Gn 1,26-31).

A criação do homem

Se quisermos conhecer a antropologia cristã, não podemos nos abster do encontro com a Sagrada Escritura. Desejamos nestes dois primeiros artigos tratar do homem à luz dos capítulos 1 à 3 do livro do Gênesis, para encontrar alguns elementos fundamentais, e imutáveis, a respeito do homem.