Formação

Dedicação é a consagração especial de uma Igreja

O nome Latrão vem da localidade onde foi construída a primeira Catedral de Roma. Com efeito, São João em Latrão é a Catedral do Papa.

Um famoso sociólogo fez uma pesquisa sobre as condições de trabalho em uma região onde existiam grandes pedreiras. Os operários cortavam as pedras com martelo e escalpelo. Um trabalho exaustivo e insalubre. De alguns operários, cobertos de poeira, enxergava-se somente os olhos, o resto estava da mesma cor da pedra branca que quebravam.

O professor perguntou ao primeiro trabalhador o que achava daquele trabalho. Revoltado, o homem respondeu estar cansado de tanto esforço. Quem ganhava mesmo com aquilo era o patrão. À mesma pergunta, o segundo operário respondeu que não havia outra opção para colocar comida na mesa da sua família todos os dias. Enfim um terceiro trabalhador acenou um sorriso e disse: – Estou preparando as pedras para construir uma catedral.

O pesquisador confirmou o que já sabia. Todos os três suavam e batiam do mesmo jeito, porém as motivações eram diferentes. O esforço não era menor e nem o salário era maior, mas existiam, e sempre existem, formas diferentes de encarar a vida, com seus desafios e dificuldades.

Dedicação é a consagração especial de uma Igreja

Já contei essa história muitas vezes. Pode servir para várias reflexões. Lembrei-me dela porque hoje seremos convidados a celebrar a Dedicação da Basílica do Latrão. Nem todos sabem o que é. Dedicação é a consagração especial de uma Igreja. É uma forma solene de dizer que aquele espaço, aquela construção, é inteiramente dedicado ao culto do Senhor.

Deve servir somente para ensinar a Fé e celebrar a sagrada Liturgia e não para outras atividades. O nome Latrão vem da localidade onde foi construída a primeira Catedral de Roma. Com efeito, São João em Latrão é a Catedral do Papa, como bispo de Roma, também se depois os Papas foram morar na Cidade do Vaticano e hoje celebram as solenes festividades na Basílica ou na Praça de São Pedro.

De certa forma, festejar a Basílica do Latrão é lembrá-la como Igreja-mãe, da qual derivaram as demais espalhadas pelo mundo. O mesmo se pode dizer da Catedral de uma Diocese, como Igreja-mãe das igrejas paroquiais. Essa reflexão explica a solenidade e o sentido profundo de unidade de todas as igrejas catedrais com a Igreja-mãe do Papa, como das paróquias com a Catedral diocesana do Bispo.

Mais uma vez o visível, isto é as catedrais e todas as Igrejas, antigas ou modernas, grandes ou pequenas, construídas pelo esforço e as artes humanas nos querem conduzir a algo que não é sempre tão fácil perceber. Falo da Igreja viva que somos todos nós os batizados.

Monumento vazio é só monumento

A estrutura externa é necessária para nos reunir, para nos lembrar a realidade concreta da nossa fé, contudo essas obras de arte correm o perigo de se tornarem monumentos para serem visitados pelos turistas. Algo do passado.

Muito bonitos e de valor inestimável, mas do passado. Isso pode acontecer quando falta a participação dos fiéis naquelas Igrejas, porque é lá que eles devem reunir-se e, assim, manifestar também publicamente a própria fé. Monumento vazio é só monumento.

Da mesma forma seria um erro localizar apenas naquele lugar sagrado a presença de Deus. Como se Ele não agisse na vida e na história das pessoas e da humanidade. Um agir misterioso que é, ao mesmo tempo, totalmente livre e necessitado de nossa colaboração.

Toda ação de bondade e justiça é obra de Deus e de quem a pratica e em qualquer lugar, onde dois ou mais se reunirem Jesus prometeu estar no meio deles.

Quando acaba a Missa, começa a missão

Além de sua presença nos templos, nas Igrejas, enfim, nos monumentos históricos, artísticos, ou não. Construir Igrejas serve para nos encontrarmos e celebrarmos publicamente a nossa fé.

É um direito e um anúncio ao mesmo tempo, no entanto não pode ser uma prisão e nem um círculo fechado. Quando acaba a Missa, começa a missão. Esta, por sua vez,  reconduz-nos à alegria da presença do Senhor Jesus no meio de nós, quando nos reunimos para celebrar a fé, mantendo sempre viva a sua memória.

É um ir e voltar sem fim, como a própria história da humanidade que não pára, aguardando a volta do Senhor. Uma grande caminhada da qual conhecemos a meta: o Reino de Deus. Assim devem ser os cristãos: pedras vivas de uma Igreja sempre em construção,ou se preferem, pedreiros generosos colaborando com o projeto do Pai.

Todos nós podemos quebrar pedras para construir uma Catedral ou ficar resmungando a vida inteira, insatisfeitos com a missão que o Senhor,com tanta confiança, entregou-nos.

Dom Pedro José Conti 


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *