Formação

Deus demonstra seu amor por nós

Pregação de Raniero Cantalamessa na Sexta-feira Santa de 2006 na Basílica de S. Pedro

1. «Sede, cristãos, mais firmes ao mover-vos!»

«Pois virá um tempo em que alguns não suportarão a sã doutrina; pelo contrário, segundo os seus próprios desejos, como que sentido comichão nos ouvidos, rodear-se-ão de mestres. Desviarão os seus ouvidos da verdade, orientando-os para as fábulas» (2 Tim 4, 3-4).

Esta palavra da Escritura –sobretudo a menção ao desejo de ouvir coisas novas– está-se realizando de modo novo e impressionante em nossos dias. Enquanto nós celebramos aqui a memória da paixão e morte do Salvador, milhões de pessoas são induzidas por hábeis contadores de lendas antigas a crer que Jesus de Nazaré nunca foi, na verdade, crucificado. Nos Estados Unidos, existe um best seller do momento, uma edição do Evangelho de Tomé, apresentado como o evangelho que «nos evita a crucificação, torna desnecessária a ressurreição e não nos obriga a crer em nenhum Deus chamado Jesus». [1]

«Existe uma percepção penosa na natureza humana, escrevia anos atrás o maior estudioso bíblico da história da Paixão, Raymond Brown: quanto mais fantástico é o cenário imaginado, mais sensacional é a propaganda que recebe e mais forte o interesse que suscita. Pessoas que não se dão ao trabalho de ler uma análise séria das tradições históricas sobre a paixão, morte e ressurreição de Jesus, ficam fascinadas por toda nova teoria segundo a qual ele não foi crucificado e não morreu, especialmente se a seqüência da história compreende sua fuga com Maria Madalena para a Índia [ou para a França, segundo a versão mais atualizada]… Estas teorias demonstram que quando se trata da Paixão de Jesus, a despeito da máxima popular, a fantasia supera a realidade, e é, querendo ou não, também mais rentável». [2]

Fala-se muito da traição de Judas e não se percebe que se está repetindo. Cristo é agora vendido, não mais aos chefes do sinédrio por trinta moedas, mas a editores e livrarias por milhares de moedas… Ninguém voltará a frear essa onda especulativa que, mais ainda, registrará um crescimento com o lançamento iminente de um certo filme, mas me tendo ocupado por anos da História das origens cristãs, sinto o dever de chamar a atenção sobre um equívoco descomunal que está no fundo de toda esta literatura pseudo-histórica.

Os evangelhos apócrifos sobre os quais se apóia são textos conhecidos há tempos, no todo ou em parte, mas com os quais nem sequer os historiadores mais críticos e mais hostis ao cristianismo pensaram, antes de hoje, que se pudesse fazer história. Seria como se entre qualquer século se pretendesse reconstruir a história atual baseando-se em romances escritos em nossa época.

O equívoco descomunal consiste no fato que se utilizam estes escritos para fazê-los dizer exatamente o contrário daquilo que pretendiam. Estes fazem parte da literatura gnóstica dos séculos II e III. A visão gnóstica –uma mescla de dualismo platônico e de doutrinas orientais revestidas de idéias bíblicas– sustenta que o mundo material é uma ilusão, obra do Deus do Antigo Testamento, que é um deus mau, ou ao menos inferior; Cristo não morreu na cruz porque jamais havia assumido, a não ser em aparência, um corpo humano, sendo este indigno de Deus (docetismo).

Se Jesus, segundo o Evangelho de Judas, do qual se falou muito nos dias passados, ordena seu próprio apóstolo a traí-lo, é porque, morrendo, o espírito divino que está nele poderá finalmente livrar-se do invólucro da carne e voltar a subir ao céu. O matrimônio orientado aos nascimentos deve ser evitado (encratismo); a mulher se salvará só se o «princípio feminino» (thelus) personificado por ela se transformar no princípio masculino, isto é, se deixar de ser mulher. [3]

O cômico é que hoje há quem crê ver nestes escritos a exaltação do princípio feminino, da sexualidade, do pleno e desinibido gozo deste mundo material, em polêmica com a Igreja oficial, que, com seu maniqueísmo, teve sempre inculcado tudo isto! O mesmo equívoco que se nota a propósito da doutrina da reencarnação. Presente nas religiões orientais como uma punição devida a precedentes culpas e como aquilo ao que se deseja terminar com todas as forças, essa é acolhida no ocidente como uma maravilhosa possibilidade de tornar a viver e gozar indefinidamente este mundo.

São coisas que não merecem ser tratadas neste lugar e neste dia, mas não podemos permitir que o silêncio dos crentes seja tomado por vergonha e que a boa fé (ou a ignorância?) de milhões de pessoas seja brutalmente manipulada pela mídia, sem alçar um grito de protesto em nome não só da fé, mas também do bom senso e da sã razão. É o momento, creio, de ouvir novamente a advertência de Dante Alighieri:

«Sede, Cristãos, firmes ao mover-vos:
não sejais como a pluma sensível a todos os ventos,
e não creiais que qualquer água vos lave.

Tendes o novo e o velho Testamento,
e o pastor da Igreja que vos guia;
isto vos basta para vossa salvação…
Sede homens, e não ovelhas insensatas». [4]

2. A Paixão precedeu a Encarnação!

Mas, deixemos de lado estas fantasias que possuem todas uma explicação comum: estamos na era da mídia e à mídia não interessa a verdade, mas a novidade. Concentremo-nos sobre o mistério que estamos celebrando. O melhor modo de refletir, este ano, sobre o mistério da Sexta-Feira Santa é saber reler por inteiro a primeira parte da encíclica do Papa, «Deus caritas est». Não podendo fazê-lo aqui, quero ao menos comentar algumas de suas passagens que mais diretamente referem-se ao mistério deste dia. Lemos na encíclica:

«O olhar fixo no lado trespassado de Cristo, de que fala João, compreende o que serviu de ponto de partida a esta Carta Encíclica: “Deus é amor”. É lá que esta verdade pode ser contemplada. E começando de lá, pretende-se agora definir em que consiste o amor. A partir daquele olhar, o cristão encontra o caminho do seu viver e amar». [5]

Sim, Deus é amor! Se todas as Bíblias do mundo –foi dito– fossem destruídas por qualquer cataclismo ou furor iconoclasta e nos permanecesse somente uma cópia; e ainda que esta copia fosse assim danificada que só uma página estivesse agora inteira, e ainda que esta página fosse estragada que só uma linha pudesse ser lida agora: se tal linha for a linha da Primeira carta de João onde está escrito «Deus é amor», toda a Bíblia estaria salva, porque tudo está contido lá.

O amor de Deus é luz, é felicidade, é plenitude de vida. É a torrente que Ezequiel viu sair do templo e que, aonde chega, cura e suscita vida; é a água que sacia toda sede prometida à samaritana. Jesus também repete a nós, como a ela: “Se conhecesses o dom de Deus”. Vivi minha infância em uma casa de campo a poucos metros de uma rede elétrica de alta tensão, mas nós vivíamos às escuras ou à luz de velas. Entre nós e a rede elétrica estava a via férrea, e, com a guerra em marcha, ninguém pensava em superar o pequeno obstáculo. Assim ocorre com o amor de Deus: está ali, ao alcance da mão, capaz de iluminar e aquecer tudo em nossa vida, mas passamos a existência na escuridão e no frio. É o único motivo verdadeiro de tristeza da vida.

Deus é amor, e a cruz de Cristo nos é a prova suprema, a demonstração histórica. Existem dois modos de manifestar o próprio amor para os demais, dizia um autor do oriente bizantino, Nicolas Cabasilas. O primeiro consiste em fazer o bem à pessoa amada, em dar-lhe presentes; o segundo, muito mais comprometedor, consiste em sofrer por ela. Deus amou-nos no primeiro modo, com amor, isto é, de generosidade, na criação, quando nos encheu de dons, dentro e fora de nós; amou-nos com amor de sofrimento na redenção, quando inventou a própria aniquilação, sofrendo por nós as mais terríveis dores, a fim de convencer-nos de seu amor [6]. Por isso, é sobre a cruz que se deve contemplar agora a verdade de que «Deus é amor».

A palavra «paixão» tem dois significados: pode indicar um amor veemente, «passional», ou um sofrimento moral. Há uma continuidade entre as duas coisas e a experiência quotidiana mostra quão facilmente de uma se passa à outra. Assim ocorreu também, antes de tudo, com Deus. Há uma paixão –escreveu Orígenes– que precede à encarnação. É «a paixão de amor» que Deus desde sempre nutre em relação ao gênero humano e que, na plenitude dos tempos, levou-o a vir sobre a terra e padecer por nós. [7]

3. Três ordens de grandeza

A encíclica «Deus caritas est» adiciona um novo modo de fazer apologia da fé cristã, talvez o único possível hoje e certamente o mais eficaz. Não contrapõe os valores sobrenaturais aos naturais, o amor divino ao amor humano, o eros ao ágape, mas nos mostra a originária harmonia, sempre a redescobrir e curar por causa do pecado e da fragilidade humana. «O eros –escreve o Papa– quer-nos elevar “em êxtase” para o Divino, conduzir-nos para além de nós próprios, mas por isso mesmo requer um caminho de ascese, renúncias, purificações e saneamentos» [8]. O evangelho está, sim, em concorrência com os ideais humanos, mas no sentido literal de que concorre à sua realização: cura-o, eleva-o, protege-o. Não exclui o eros da vida, mas o veneno do egoísmo do eros.

Existem três ordens de grandeza, disse Pascal em um célebre pensamento [9]. A primeira é a ordem material ou do corpo: nela sobressai quem tem muitos bens, quem é dotado de força atlética ou beleza física. É um valor para não desprezar, mas o mais baixo. Acima dessa há a ordem do gênio e da inteligência, na qual se distinguem os pesadores, os inventores, os cientistas, os artistas, os poetas. Esta é uma ordem de qualidade diversa. Ao gênio não acrescenta e não tolhe nada o ser rico ou pobre, belo ou feio. A deformidade física da própria pessoa não tolhe em nada a beleza do pensamento de Sócrates e da poesia de Leopardi.

Este valor do gênio é um valor certamente mais alto que o precedente, mas não ainda o supremo. Acima dele há uma outra ordem de grandeza, e é a ordem do amor, da bondade. (Pascal chama de ordem da santidade e da graça). Uma gota de santidade, dizia Gounod, vale mais de um oceano de gênio. Ao santo não acrescenta e não tolhe nada o ser belo ou feio, douto ou iletrado. Sua grandeza é de uma ordem diversa.

O cristianismo pertence ao terceiro nível. No romance Quo vadis, um pagão pergunta ao apóstolo Pedro recém-chegado a Roma: «Atenas deu-nos a sabedoria, Roma a força; a vossa religião, o que nos oferece? E Pedro responde: o amor! [10] O amor é a coisa mais frágil que existe no mundo; é representado, e o é, como uma criança. Pode-se matar por muito pouco –vimos com horror na Itália nas passadas semanas–, como se pode fazer com uma criança. Sabemos bem no que se tornam o poder e a ciência, a força e o gênio, sem o amor e a bondade…

4. Amor que perdoa

«O eros de Deus pelo homem –prossegue a encíclica– é ao mesmo tempo totalmente agape. E não só porque é dado de maneira totalmente gratuita, sem mérito algum precedente, mas também porque é amor que perdoa» (n. 10).

Também esta qualidade refulge no máximo grau no mistério da cruz. «Ninguém tem amor maior que aquele que dá a vida pelos próprios amigos», disse Jesus no cenáculo (Jo 15, 13). Queria exclamar: Sim, existe, ó Cristo, um amor maior que dar a vida pelos próprios amigos. O vosso! Vós não destes a vida por vossos amigos, mas por vossos inimigos! Paulo disse que a duras penas se encontra quem seja disposto a morrer por um justo, mas se encontra. «Por um homem de bem talvez alguém se atreva a morrer; mas a prova de que Deus ama-nos é que Cristo, sendo nós ainda pecadores, morreu por nós»; «Cristo morreu pelos ímpios no tempo estabelecido» (Rm 5,6-8).

No entanto, não se tarda a descobrir que o contraste é só aparente. A palavra «amigos» em sentido ativo indica aquele que te ama, mas em sentido passivo indica aquele que é amado por ti. Jesus chama Judas de «amigo» (Mt 26, 50), não porque Judas o amasse, mas porque ele o amava! Não há amor maior que dar a própria vida pelos inimigos, considerando-os amigos: eis o sentido da frase de Jesus. Os homens podem ser, ou fazer papel de inimigos de Deus, Deus não poderá jamais ser inimigo do homem. É a terrível vantagem dos filhos sobre os pais (e sobre as mães).

Devemos refletir em que modo, concretamente, o amor de Cristo sobre a cruz pode ajudar o homem de hoje a encontrar, como diz a encíclica, «o caminho de seu viver e de seu amor». Isso é um amor de misericórdia, que desculpa e perdoa, que não quer destruir o inimigo, mas, no caso, a inimizade (cf. Ef 2, 16). Jeremias, o mais próximo entre os homens do Cristo da Paixão, pede a Deus dizendo: «Eu verei a tua vingança contra eles» (Jr 11, 20); Jesus morre dizendo: «Pai, perdoa-os, porque não sabem o que fazem» (Lc 23, 34).

É justamente desta misericórdia e capacidade de perdão que temos necessidade hoje, para não deslizar sempre mais no abismo de uma violência globalizada. O Apóstolo escrevia aos Colossenses: «Portanto, como eleitos de Deus, santos e amados, revesti-vos de sentimentos (ao pé da letra: de vísceras!) de compaixão, de bondade, humildade, mansidão, longanimidade, suportando-vos uns aos outros, e perdoando-vos mutuamente, se alguém tem motivo de queixa contra o outro; como o Senhor vos perdoou, assim também fazei vós» (Col 3, 12-13).

Ter misericórdia significa apiedar-se (misereor) no coração (cordis) em relação ao próprio inimigo, entender de que matéria somos todos feitos e, portanto, perdoar. O que pode acontecer se, por um milagre da história, no Oriente Próximo, os dois povos há décadas em luta, de uma só vez, começassem a pensar uns no sofrimento dos outros, a apiedar-se uns dos outros. Não seria mais necessário nenhum muro de divisão entre eles. A mesma coisa deve-se dizer de tantos outros conflitos em ação no mundo, compreendidos aqueles entre as diversas confissões religiosas e igrejas cristãs.

Quanta verdade no verso do nosso Pascoli: «Homens, paz! Na extensa terra grande é o mistério» [11]. Um comum destino de morte incumbe sobre todos. A humanidade é envolvida por tanta obscuridade e inclinada («prona») sob tanto sofrimento que deveríamos ter também um pouco de compaixão e de solidariedade uns pelos outros!

5. O dever de amar

Há um outro ensinamento que nos vem do amor de Deus manifestado na cruz de Cristo. O amor de Deus pelo homem é fiel eternamente: «Eu te amei com amor eterno», diz Deus ao homem nos profetas (Jr 31, 3), e ainda: «Em minha lealdade não falharei» (Sl 89,34). Deus uniu-se para amar para sempre, privou-se da liberdade de voltar atrás. É este o sentido profundo da aliança que em Cristo tornou-se «nova e eterna».

Na encíclica papal, lemos: «Faz parte da evolução do amor para níveis mais altos, para suas íntimas purificações, que ele procure agora o caráter definitivo, e isso em um duplo sentido: no sentido da exclusividade – “apenas esta única pessoa” – e no sentido de ser “para sempre”. A amor compreende a totalidade da existência em toda a sua dimensão, inclusive a temporal. Nem poderia ser de outro modo, porque sua promessa visa o definitivo: o amor visa a eternidade». [12]

Em nossa sociedade, questiona-se cada vez com maior freqüência que relação pode haver entre o amor de dois jovens e a lei do matrimônio; que necessidade de «vincular-se» tem o amor, que é todo impulso e espontaneidade. Assim são sempre mais numerosos aqueles que rejeitam a instituição do matrimônio e escolhem o assim chamado amor livre ou a simples convivência de fato. Só se se descobre a profunda e vital relação que há entre lei e amor, entre decisão e instituição, pode-se responder concretamente àquela pergunta e dar aos jovens um motivo convincente para «unir-se» e amar para sempre e não ter medo de fazer do amor um «dever».

«Portanto, quando há o dever de amar, –escreveu o filósofo que, depois de Platão, escreveu as coisas mais belas sobre o amor, Kierkegaard–, agora somente o amor é garantido para sempre contra toda alteração; eternamente livre em santa independência; assegurado em eterna santidade contra todo desespero» [13]. O sentido destas palavras é que a pessoa que ama, quanto mais ama intensamente, mais percebe com angústia o perigo que corre seu amor. Perigo que não vem dos outros, mas dela mesma. Essa sabe bem, de fato, ser volúvel e que amanhã, querendo ou não, pode já estancar-se e não amar mais ou mudar o objeto de seu amor. É já que, agora que está nela a luz do amor, vê com clareza qual perda irreparável isto comporta, eis que se previne «unindo-se» para amar com o vinculo do dever e ancorando, deste modo, à eternidade seu ato de amor posto no tempo.

Ulisses queria chegar a rever sua pátria e sua esposa, mas devia passar através do local das sereias que os navegantes encontravam com seu canto e os levavam a bater contra os recifes. É um mito, mas ajuda a entender o porquê, ainda que humano e existencial, do matrimônio «indissolúvel» e, sobre um plano diverso, dos votos religiosos.

O dever de amar protege o amor do «desespero» e o torna «santo e independente», no sentido que protege do desespero de não poder amar para sempre. Dai-me um verdadeiro apaixonado –dizia o mesmo pensador– e ele vos dirá se, em amor, há oposição entre prazer e dever; se o pensamento de «dever» amar por toda a vida traz ao amante medo e angústia, ou não muito mais alegria e felicidade total.

Aparecendo um dia da Semana Santa à Beata Ângela da Foligno, Cristo lhe disse uma palavra que ficou célebre: «Não te amei por brincadeira!» [15]. Cristo não nos amou verdadeiramente por brincadeira. Há uma dimensão lúdica e jocosa no amor, mas ele mesmo não é um jogo; é a coisa mais séria e mais cheia de conseqüências que existe no mundo; a vida humana depende dele. Ésquilo compara o amor a um leãozinho que se cria em casa, «antes dócil e terno mais que uma criança», com o qual se pode até brincar, mas que, crescendo, é capaz de fazer estrago e encher a casa de sangue. [16]

Estas consideração não bastarão para mudar a cultura existente que exalta a liberdade de mudar e a espontaneidade do momento, a prática do «usar e jogar fora» aplicada também ao amor. (Encarregar-se-á, lamentavelmente, a vida de fazê-lo, quando ao fim se encontrar com as cinzas nas mãos e a tristeza de não ter construído nada de duradouro com o próprio amor). Mas que, pelo menos sirvam, estas considerações, para confirmar a bondade e a beleza da própria escolha àqueles que decidiram viver o amor entre o homem e a mulher segundo o projeto de Deus, e sirvam para animar muitos jovens a fazer a mesma escolha.

Não nos resta outra coisa senão entoar com Paulo o hino ao amor vitorioso de Deus. Ele nos convida a fazer com ele uma maravilhosa experiência de cura interior. Pensa em todas as coisas negativas e nos momentos críticos de sua vida: a tribulação, a angústia, a perseguição, a fome, a nudez, o perigo, a espada. Contempla isso tudo à luz da certeza do amor de Deus e grita: «Mas em tudo isso somos mais que vencedores, graças àquele que nos amou!».

Levanta então o olhar; desde sua vida pessoal passa a considerar o mundo que o circunda e o destino humano universal, e de novo a mesma jubilosa certeza: «Pois estou convencido de que nem a morte nem a vida…, nem o presente nem o futuro, nem as potestades, nem altura, nem a profundeza, nem qualquer outra criatura poderá nos separar do amor de Deus manifestado em Cristo Jesus, nosso Senhor» (Rm 8, 37-39).

Recolhamos seu convite nesta Sexta-Feira da Paixão, e repitamos entre nós suas palavras enquanto dentro em pouco adoremos a cruz de Cristo.

[1] H. Bloom, no ensaio interpretativo que acompanha a edição de M. Meyer, The Gospel of Thomas, HarperSan Francisco, s.d., p. 125.
[2] R. Brown, The Death of the Messiah, II, New York 1998, pp. 1092-1096.
[3] Ver o número 114 no mesmo Evangelho de Tomé (ed. Mayer, p. 63); nos Evangelho dos Egípcios Jesus diz: «Vim para destruir as obras da mulher» (Cf. Clemente Al., Stromati, III, 63). Isto explica por que o Evangelho de Tomé se converte no evangelho dos maniqueístas, enquanto que foi combatido severamente pelos autores eclesiásticos (por exemplo, por Hipólito de Roma) que defendiam a bondade do matrimônio e da criação em geral.
[4] Paradiso, V, 73-80.
[5] Benedicto XVI, Enc. «Deus caritas est», n.12.
[6] Cf. N. Cabasilas, Vita in Cristo, VI, 2 (PG 150, 645)
[7] Cf. Orígenes, Homilias sobre Ezequiel, 6,6 (GCS, 1925, p. 384 s).
[8] Enc. «Deus caritas est», n.5.
[9] Cf. B. Pascal, Pensieri, 793, ed. Brunschvicg.
[10] Henryk Sienkiewicz, Quo vadis, cap. 33.
[11] Giovanni Pascoli, «I due fanciulli».
[12] Enc. «Deus caritas est», n.6.
[13] S. Kierkegaard, Gli atti dell’amore, I, 2, 40, ed. a cura di C. Fabro, Milano 1983, p. 177 ss.
[14] Cf. Odisea, canto XII.
[15] Il libro della Beata Angela da Foligno, Instructio 23 (ed. Quaracchi, Grottaferrata 1985, p. 612).
[16] Eschilo, Agamennone, vv. 717 ss.

(Tradução do original realizada por Zenit)

Fonte: cantalamessa.org


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *