Formação

Dia do Papa: “Dar-te-ei as chaves do reino dos céus”

“Onde está o Papa, está a Igreja e,onde está a Igreja, está Jesus Cristo”!

Não se pode dissociar a fé em Cristo da veneração ao Papa. É que a essência do catolicismo consiste na submissão da inteligência ao ensinamento de Cristo transmitido pela Igreja, e na subordinação da vontade à autoridade do Redentor exercida por aquele que Ele colocou à frente desta sua Igreja.

Não é em função da medida de seus conhecimentos que o cristão se salvará, mas segundo o vigor de sua fé, ou seja, de seu abandono à vontade do Mestre Divino. Ora, este, como está claro nos Evangelhos, quis constituir Pedro, seu sucessor. Portanto, acatar e venerar o Chefe da Cristandade, representante autêntico do Filho de Deus, é render honra ao próprio Salvador.

Nesta atitude está incluída a reverência total à figura do Soberano Pontífice. Jesus fez a Pedro uma promessa gloriosa: “Tu és Pedro e sobre esta pedra eu edificarei a minha Igreja e as portas do inferno não prevalecerão contra ela. Dar-te-ei as chaves do reino dos céus; e oque ligares na terra ficará ligado nos céus e o que desligares na terra ficará desligado nos céus” (Mt 16,18-20).

Depois de sua ressurreição, Ele cumpriu este compromisso, conferindo o primado a Pedro. Cobrou dele uma tríplice manifestação de amor. Com as palavras cordeiro e ovelhas, que ele deveria apascentar, quis significar a universalidade do rebanho que lhe estava sendo confiado, sem exceção alguma (Jo 21,15-28).

Constituiu Pedro como aquele que governaria a Instituição através da qual Ele continuaria sua obra salvífica. O pontificado dos sucessores de Pedro tem sido a garantia da unidade cristã. Uma Igreja estruturada e enriquecida com uma experiência e com uma sabedoria que lhe permitem guiar os povos, guardar e proteger a Boa Nova, ficando sempre intacta adoutrina pregada pelo Mestre divino.

Ideologias mortíferas se levantam, ataques incessantes à Igreja, mas esta, firme na rocha que é Pedro, atravessa os mares mais borrascosos.Eis por que, também por gratidão aos imensos trabalhos apostólicos dos Papas, a devoção ao Chefe da Igreja forma uma parte essencial da piedade cristã, da vida espiritual do batizado. Cumpre, deste modo, amar o Papa, obedecer a ele fielmente. Ele é, de fato, Jesus Cristo visivelmente presente entre os homens.

Com precisão ensinou Pio XII, na encíclica Mystici Corporis, que a Igreja tem somente uma cabeça principal que é Cristo que sem cessar a governa misteriosamente através daquele que ocupa seu lugar sobre aterra. O Corpo Místico de Cristo não tem duas cabeças, mas uma só:“Cristo e seu Vigário não formam senão uma só cabeça”.

Como Jesus é “o caminho, a verdade e a vida” (Jo 14,6), a missão do Papa é idêntica. Ele nos mostra o caminho da salvação, nos prega a verdade e nos comunica a vida divina pessoalmente e por meio dos bispos por ele designados. Estes ministram o Sacramento da Ordem passando aos sacerdotes parte de seus poderes sacramentais e pastorais. Eis porque Santa Catarina de Sena chamava o Papa de “doce Cristo da terra”. Todo o orbe católico é governado pelo Papa que, assim, é o Chefe de milhões de cristãos.

Por isto mesmo, ele é o fundamento e o centro da unidade. A salvação e a prosperidade da Igreja estão ligadas, em grande parte, à prudência, ao vigor, à sabedoria, à eficácia do comando papal. O Papa é, por outra, doutor universal por meio das definições solenes “ex cathedra” e das encíclicas dirigidas a toda a Igreja e por meio de uma série de outras diretrizes. Estas são transmitidas, outrossim, através das decisões das Congregações romanas, das cartas ao episcopado, das normas gerais aos teólogos e aos exegetas, das alocuções consistoriais.

Para tudo isto o Papa se vale de sábios teólogos e os Cardeais das Congregações romanas. Deste modo, ele é o grande Pastor sempre a velar pelas ovelhas de Cristo com uma solicitude sem par. Para cumprir, porém, com tão graves deveres ele conta sempre com as preces dos cristãos, certos todos de que: “Onde está o Papa, está a Igreja e, onde está a Igreja, está Jesus Cristo”!


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *