Igreja

Diácono chinês fala sobre a perseguição aos católicos na China

“Muitos deram a vida por dar testemunho da importância da fé, da importância de Cristo”, assinala o diácono chinês

A Fundação Pontifícia Ajuda à Igreja que Sofre (AIS) promoveu uma série de encontros, em Portugal, com um diácono chinês da chamada comunidade católica ‘clandestina’. Ele falou sobre a situação de “perseguição” aos católicos na China.

O diácono, cujo nome não é revelado por motivos de segurança, disse à Agência Ecclesia que atual sistema de controle sobre as comunidades religiosas, pelo regime de Pequim, não permite aos católicos “viver a fé com liberdade”.

“Muitos deram a vida por dar testemunho da importância da fé, da importância de Cristo”, assinala. “É preciso que as pessoas saibam o que se está a passar e possam conhecer a realidade”, disse.

O regime de Pequim criou em 1957 uma Igreja “oficial”, a APC – Associação Patriótica Católica, para evitar interferências estrangeiras, em especial da Santa Sé, e para assegurar que os católicos vivam em conformidade com as políticas do Estado, o que inclui o controlo sobre a nomeação de bispos, pretensão não reconhecida pelo Vaticano.

“A fé é o que sustenta os católicos que vivem uma situação difícil”, declara o diácono chinês, já que os católicos que seguem as indicações de Roma, não reconhecendo a APC, vivem numa Igreja ‘clandestina’.

A existência de duas comunidades católicas na China tem sido objeto de negociações entre Pequim e a Santa Sé, mas para o entrevistado é pouco admissível que “tudo mude de um dia para o outro”.

“Noutros países existe mais facilidade para viver a fé e nós queremos essa liberdade, o direito a viver dessa forma”, conclui.

Segundo a Fundação AIS, “bispos, sacerdotes e leigos são ainda hoje perseguidos, presos e oprimidos”, na China.

O Papa Francisco já confessou a sua “admiração” pela China e admitiu o desejo de visitar o país.

O pontífice argentino foi o primeiro Papa a sobrevoar o espaço chinês, em agosto de 2014, tendo nessa ocasião enviado duas mensagens ao presidente Xi Jinping, pedindo que Deus abençoasse o país asiático.

Fonte: Canção Nova


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *