Formação

Direito de matar?

O que entristece é que sempre de novo surgem iniciativas para legalizar a matança das crianças antes de elas nascerem. Está na Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara de Deputados o Substitutivo ao Projeto de Lei Nº 1.135/91, de autoria da Deputada carioca Jandira Feghali (PCdoB). Diz o artigo primeiro: “Toda mulher tem o direito à interrupção voluntária de sua gravidez, realizada por médico”. É bom notar: matar a criança é direito de toda mulher.

Existe por parte de parlamentares a preocupação com a saúde da mulher. Isto é justo e louvável. A moral clássica já afirmava que, se a mãe está em perigo de vida e se o tratamento tem como conseqüência a morte da criança, é questão de duplo efeito. Isto é, o objetivo visado é a vida da mãe e não a morte da criança. Não é disto que se trata aqui.

O projeto de Jandira dá “a toda mulher o direito” de matar o nascituro, mulher ou homem. Parece incrível, mas é verdade. E mais: é chocante.

Trata-se do direito de eliminar o ser humano mais indefeso e inocente. É a negação do direito humano mais fundamental: ver preservada a vida do começo de sua existência até a morte natural.

Nós temos legisladores de boa formação, católicos e não-católicos. Esperamos deles a proteção aos direitos humanos fundamentais em nosso país.

O povo brasileiro crê em Deus, é bondoso e criativo. Será que nós não conseguimos nos organizar socialmente sem eliminar os mais fracos?

Na liturgia das horas (quarta-feira, Laudes) temos a linda antífona: “Fazei-me sentir vosso amor desde cedo”. Se queremos um povo feliz, harmonioso e solidário, acolhamos nossas crianças assim: “Desde o seio materno sintam o nosso amor”.

Foi maravilhoso quando nasceu o primeiro filho de um casal amigo. Com a mãe trabalhava uma senhora, de modo que as duas se comunicavam bastante. A surpresa foi que o pequeno ia no colo da senhora com a mesma espontaneidade com que ficava no colo da mãe. Diante da minha admiração, a mãe explicou: “Ele está acostumado às nossas vozes bem antes de nascer”.

Dom Sinésio Bohn
Bispo de Santa Cruz do Sul (RS)


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *