Formação

DO CARNAVAL ÀS CINZAS: ORIGENS DAS CELEBRAÇÕES DOS PRÓXIMOS DIAS

– Sobre a origem da palavra Carnaval não há unanimidade entre os estudiosos, mas as hipóteses “carne vale” (adeus carne) ou de “carne levamen” (supressão da carne) levam-nos, indubitavelmente, para o início do período da Quaresma. A própria designação de Entrudo, ainda muito utilizada entre nós, vem do latim “introitus” e apresenta o significado de dar entrada, começo, em relação a esse tempo litúrgico.

O carnaval é uma festividade popular coletiva, cíclica e agrícola. Seus verdadeiros iniciadores foram os povos que habitavam as margens do rio Nilo, no ano 4000 a.C.; há uma segunda origem nas festas pagãs greco-romanas que celebravam as colheitas, entre os séculos VII a.C. e VI d.C.

A Igreja, mais tarde, alterou e adaptou as práticas pré-cristãs, relacionando o período carnavalesco com a Quaresma. Uma prática penitencial preparatória à Páscoa, com jejum, começou a definir-se a partir de meados do século II; por volta do século IV, o período quaresmal caracterizava-se como tempo de penitência e renovação interior para toda a Igreja, inclusive por meio do jejum e da abstinência.

Observando o calendário, se percebe que é a Páscoa quem rege o Carnaval: a Páscoa é celebrada no primeiro domingo da lua cheia após o equinócio da primavera, no hemisfério norte. O Carnaval é sempre entre 3 de fevereiro e 9 de março, 47 dias antes da Páscoa, ou seja, após o sétimo domingo que antecede o domingo de Páscoa.

Tertuliano, São Cipriano, São Clemente de Alexandria e o Papa Inocêncio II foram grandes inimigos do Carnaval, mas no ano 590, a Igreja Católica permitiu que se realizassem os festejos do Carnaval, que consistiam em desfiles e espetáculos de caráter cômico.

No século XV, o Papa Paulo II contribuiu para a evolução do Carnaval, imprimindo uma mudança estética ao introduzir o baile de máscaras, quando permitiu que, em frente a seu palácio, se realizasse o Carnaval romano, com corridas de cavalos, carros alegóricos, corridas de corcundas, lançamento de ovos, água e farinha e outras manifestações populares.

No dia seguinte, as cinzas recordam o que fica da queima ou da corrupção das coisas e das pessoas. Este rito é um dos mais representativos dos sinais e gestos simbólicos do caminho quaresmal.

Nos primeiros séculos, cumprem esse rito da imposição das cinzas apenas os grupos de penitentes ou pecadores que querem receber a reconciliação no final da Quaresma, na quinta-feira santa, às vésperas da Páscoa. Vestem hábito penitencial, impõem cinzas na sua própria cabeça e, dessa forma, se apresentam diante da comunidade, expressando seu desejo de conversão.

A partir do século XI, quando desaparece o grupo de penitentes como instituição, o Papa Urbano II estende esse rito a todos os cristãos, no início da Quaresma. As cinzas, símbolo da morte e do nada da criatura em relação a seu Criador, obtêm-se por meio da queima dos ramos de palmeiras e de oliveiras abençoados no ano anterior, na celebração do Domingo de Ramos.

Uma prática penitencial preparatória à Páscoa com jejum começou a afirmar-se a partir de meados do século II; outras referências a um tempo pré-pascal aparecem no Oriente, no início do século IV, e no Ocidente no final do mesmo século.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *