Unsplash
Formação

A economia atual e a oikonomia

Não enganemos com os números e/ou variações estatísticas. A essência econômica está vinculada à ação de misericórdia de Deus para conosco. Devemos nos relacionar com os bens como forma de gratidão a Deus, jamais como posse.

Nos dias atuais, fala-se muito de CRISE, seja financeira; emocional; humana; espiritual; social; ambiental; política, popularmente acredita-se que a crise econômica é mais sentida no cotidiano pelos brasileiros. Afinal, o que é economia e por que estamos tão mal?

De modo simples, a economia é definida como a ciência que aborda os fenômenos associados com a obtenção e o emprego dos recursos essenciais ao bem-estar (Larousse do Brasil, 2004)[1]. Outros especialistas afirmam que a economia busca a escolha ótima no uso dos materiais em escassez para atender a satisfação dos indivíduos.

No decorrer do nosso estudo, é possível encontrar a Oikonomia que refere-se à dinâmica administrativa da casa e da família. Além disso,

 […] Um organismo complexo no qual se entrelaçam relações heterogêneas […] O que une essas relações econômicas […] é um paradigma que poderíamos definir de gerencial e não epistêmico; ou seja, trata-se de uma atividade que não está vinculada a um sistema de normas nem constitui uma ciência em sentido próprio […] mas denota de certo modo de ser e implica decisões e disposições que enfrentam problemas sempre específicos que dizem respeito à ordem funcional das diferentes partes do oikos[2].  

Lendo e rezando com as definições acima, é possível perceber que os acontecimentos no nosso cotidiano não ocorrem somente por uma ação errônea do próximo, tão pouco por “culpa” de Deus. Nota-se ainda que a definição da teoria econômica não elimina, mas reforça os princípios da oikonomia, pois, trata o ser humano com preferências insaciáveis. Aqui recorda-se das Sagradas Escrituras, “Se os mais altos céus não te podem conter, muito menos esta casa que eu construí!” (1Rs, 27b). A criatura humana só poderá ser preenchida em plenitude por Deus.

De fato, estamos vivendo em um cenário de crise nas mais diversas magnitudes, mas destaca-se que a crise motriz é nosso distanciamento de Deus, o nosso orgulho. Não caíamos em tentação! As crises financeiras não se restringem apenas à lavagem de dinheiro, as crises sociais não limitam-se somente à ausência de bens materiais; a crise política não está associada apenas à corrupção.

Os recursos naturais da terra são finitos; são esgotáveis e não são imunes à deterioração (NOGUEIRA; FORMOLO, 2016)[3]. Santa Teresa D’Ávila já falara “Tudo passa, Deus não muda. A paciência tudo alcança; quem a Deus tem, nada lhe falta; só Deus basta!”

Não enganemos com os números e/ou variações estatísticas. A essência econômica está vinculada à ação de misericórdia de Deus para conosco. Devemos nos relacionar com os bens como forma de gratidão a Deus, jamais como posse.

“Um pouco de ciência nos afasta de Deus. Muito, nos aproxima” (Louis Pasteur).

Referências

¹LELP, LAROUSSE. Larousse escolar da língua portuguesa. São Paulo: Larousse do Brasil, 2004.

² AGANBEM, Giorgio. O Reino e a Glória. São Paulo: Boitempo Editorial, 2011, p. 31-32.

³ NOGUEIRA, M. E.O; FORMOLO,F.Z. O segredo da Providência Divina: Economia do Reino. Edições Shalom, 2016.

Por Bruno Bezerra Silva

Você já fez a sua Comunhão de Bens?

Ajude-nos a evangelizar


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *