Igreja

Economia de Francisco: Uma economia que inclui e não exclui

Para ajudar à reflexão que o evento “A Economia de Francisco” propõe para março de 2020, recordamos aqui as palavras do Papa sobre a ideologia do lucro proferidas numa audiência geral em 2015.

Nos dias 26, 27 e 28 de março de 2020, a Igreja vai viver um importante momento de diálogo com o mundo no encontro “A Economia de Francisco”.

Trata-se de um evento que se inspira no Santo de Assis e que, segundo o Papa, deverá procurar novas propostas de organização econômica. Em tempos de mudança acentuada, que a vida contemporânea nos apresenta, o Santo Padre quer abrir portas de esperança e soluções concretas.

Em Assis, estarão estudantes, empresários, universitários e especialistas internacionais. Já no próximo dia 24 de setembro decorrerá em Florença uma primeira reunião preparatória.

Para ajudar à reflexão sobre esta importante temática, recordamos aqui as palavras do Papa Francisco pronunciadas em 2015 durante a audiência geral do dia 12 de agosto. O Santo Padre falava no âmbito de três catequeses sobre a família nas quais desenvolveu as dimensões da festa, do trabalho e da oração. A propósito da família enquanto festa, Francisco afirmou que a ideologia do lucro e do consumo está contra a festa da família que é o domingo.

Festa é olhar amoroso aos que nos circundam

Francisco assinalou que o tempo de repouso, em particular aquele dominical, existe para que possamos “gozar daquilo que não se produz e não se consome, não se compra nem se vende”. É o “tempo da festa que suspende o trabalho profissional” – afirmou o Papa. 

O Santo Padre afirmou a festa como algo que marca o ritmo da vida familiar dizendo, desde logo, que é uma invenção de Deus, como nos sugere o Livro do Gênesis no relato da Criação ao declarar que Deus repousou no sétimo dia. Assim, aprendemos que é preciso dedicar um tempo para contemplar e regozijar-se com o trabalho bem feito.

A festa, portanto, não é sinônimo de preguiça, mas tempo de dirigir um olhar amoroso e agradecido a tantas realidades que nos circundam: os filhos, os netos, a nossa casa, os amigos, a nossa comunidade – sublinhou o Papa.

Ninguém pode ser escravo do trabalho

O tempo de festa suspende o trabalho profissional porque é um tempo sagrado – declarou o Santo Padre frisando que ninguém pode ser escravo do trabalho ao ser excluído do tempo de repouso e de festa:

“Mas o verdadeiro tempo da festa suspende o trabalho profissional e é sagrado, porque recorda ao homem e à mulher que foram feitos à imagem de Deus, o qual não é escravo do trabalho, mas Senhor, e, portanto, também nós não devemos nunca ser escravos do trabalho, mas “senhores”. Há um mandamento para isto, um mandamento que é para todos, ninguém excluído! Ao invés, sabemos que existem milhões de homens e mulheres escravos do trabalho! Isto é contra Deus e contra a dignidade da pessoa humana! A obsessão pelo lucro econômico e o eficientismo da técnica colocam em risco os ritmos humanos da vida.”

“O tempo do repouso, sobretudo aquele dominical, é destinado a nós para que possamos gozar daquilo que não se produz e não se consome, não se compra nem se vende. Mas, pelo contrário, vemos que a ideologia do lucro e do consumo quer comer também a festa: mesmo essa é, às vezes, reduzida a um “negócio”, a um modo para fazer dinheiro e gastá-lo”, afirma ainda o Papa.

Tempo da festa é sagrado

“Mas é para isto que trabalhamos?”

“…o tempo da festa é sagrado porque Deus o habita num modo especial. A Eucaristia dominical leva à festa toda a graça de Jesus Cristo: a sua presença, o seu amor, o seu sacrifício, o seu fazer comunidade, o seu estar connosco… E assim cada realidade recebe o seu sentido pleno: o trabalho, a família, as alegrias e as canseiras de cada dia, também o sofrimento e a morte; tudo é transfigurado pela graça de Cristo”.

No final da sua catequese, o Papa Francisco pediu que não estraguemos os dias de festa porque são um belo presente de Deus, pois “a família é dotada de uma competência extraordinária para compreender, endereçar e sustentar o autêntico valor do tempo de festa e em particular do domingo. Não é com certeza um acaso que as festas onde participa toda a família são as que correm melhor! – afirmou o Santo Padre.

Uma economia que inclui e não exclui

Estas palavras do Papa em agosto de 2015 ajudam-nos a enquadrar o rumo definido para o encontro de Assis que em março de 2020 terá como tema “A Economia de Francisco” e juntará empresários, universitários, estudantes e especialistas. Será um evento especialmente dirigido para refletir sobre o futuro próximo da economia mundial numa perspetiva humana e inclusiva.

Em maio deste ano de 2019, o Papa dirigiu uma carta aos jovens convocando-os para esta iniciativa, afirmando que deverá ser um momento para procurar uma “economia diferente” que “faz viver e não mata, inclui e não exclui, humaniza e não desumaniza, cuida a Criação e não a despreza” – escreve Francisco.

No próximo dia 24 de setembro, terá lugar em Florença uma primeira reunião preparatória do encontro de março 2020 em Assis.

Segundo a página de apresentação do encontro “A Economia de Francisco” estarão já garantidas durante o evento as presenças de Amartya Sen, economista e filósofo indiano e Prêmio Nobel da Economia em 1998 e de Muhammad Yunus, economista e banqueiro do Bangladesh e que foi Prêmio Nobel da Paz em 2006.

Laudetur Iesus Christus


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *