Formação

Em que Deus acreditamos?

moysesVocê já se perguntou em que deus tem acreditado? E já perguntou, no seu trabalho, família, comunidade, em que deus as pessoas acreditam? Parece estranho fazer essa pergunta? Mas não é. Faça a experiência e verá que a pergunta não é tão absurda quanto parece à primeira vista.

Sabemos que a fé, a crença em um deus, é o centro de toda religião. Como cristãos, o centro de nossa identidade deve ser a fé em Deus Pai, Filho e Espírito Santo.

Não pode haver reducionismo da fé cristã, mas sim, a vivência ainda mais profunda e radical dela: se a fé cristã é trinitária, os cristãos não podem abrir mão de professar as três pessoas da Santíssima Trindade, sob pena de renegar-se a si mesmo.

Mas, pensemos bem: será que todos os cristãos têm uma fé trinitária? Faça uma nova experiência, pergunte a você, e as pessoas com quem você convive: “quem é Deus Pai, quem é Jesus e quem é o Espírito Santo? Como eles se relacionam entre si? Como se relacionam conosco? Como agem no mundo e, qual o papel das pessoas da Santíssima Trindade na história da salvação?”. Com certeza você vai ficar espantado com as respostas e verá que muitos ainda não deixaram a fé imatura e superficial, porque simplesmente ainda não tiveram um entendimento sobre a Trindade e, portanto, também não tiveram uma experiência real com o Deus Uno e Trino.

Para mudar essa situação é preciso desenvolver um discurso que nos leve a uma experiência trinitária e nos livre da tentação do individualismo e do racionalismo; que nos abra ao mistério do outro e nos leve a transmitir com a nossa vida e nossa história a experiência do Deus Ágape, que caminha conosco e conosco escreve a nossa história e a história da humanidade. Isso vai além, muito além, das difíceis fórmulas filosóficas e teológicas do dogma da Trindade.

Questões fundamentais

A linguagem cristã sempre esteve permeada e penetrada pela revelação trinitária de Deus. Mas, como anunciar o Deus Uno e Trino no mundo plural em que vivemos hoje, onde o homem emancipado “privatizou” a fé e criou um supermercado espiritual, cheio de teísmos (crença num deus como entidade superior, sem nome e identidade), deísmos (crença num deus como arquiteto universal que põe o mundo em movimento, mas não se relaciona com ele nem se revela) e monoteísmos reducionistas (crença num único deus, um tanto despersonalizado, sem rosto, sem nome, senhor e dominador do cosmo e da história)?

Hoje a pergunta fundamental a ser respondida pela nova evangelização, não é tanto o fato de Deus existir ou não, mas, “De que Deus estamos falando? O que significa para nós a existência de Deus?”.

Anunciamos Jesus Cristo. Mas, neste contexto plural e confuso, não podemos falar de Jesus Cristo sem o contextualizar na dinâmica da Trindade, sob o risco de não estarmos fazendo uma verdadeira evangelização.

Professar a fórmula de fé de que Deus vive e se revela e pode ser experimentado e conhecido como Pai, Filho e Espírito Santo deve se verificar na realidade do homem Jesus de Nazaré, na sua encarnação, vida, morte e ressurreição, assumidas, afirmadas e confirmadas por Deus, seu Pai. “Jesus é o Filho de Deus”. Esta é a afirmação fundamental da fé cristã.

Anunciar a Trindade

É impressionante perceber como muitas pessoas que se dizem católicas chegam à comunidade com um distanciamento de Deus Pai, fruto de um relacionamento superficial, com um “Deus de barba branca que mora lá no céu”. Deus Pai, para eles, é aquele Ser Supremo, onipresente, mas distante…

A pessoa do Espírito Santo é, para alguns, totalmente desconhecida (às vezes só identificada como a pomba citada no batismo de Jesus e as línguas de fogo, em Pentecostes). Para os que têm uma experiência mais carismática, é definido como aquele que nos leva a Deus, mas é, infelizmente,algumas vezes mais identificado com as sensações espirituais que concede ao orante. A presença do Espírito é fatalmente identificada com um arrepio que se sentiu na oração, uma emoção, um calor…

Esta realidade nos remete a uma grande responsabilidade: quando não anunciamos um Deus Trindade não somos fiéis à revelação bíblica. Corremos o risco de supervalorizar uma das pessoas da Santíssima Trindade em detrimento das outras e criar uma grande distorção na vida de fé. O Deus da Revelação, que devemos anunciar em nossa evangelização, é a Santíssima Trindade: mistério de comunidade das pessoas divinas, de salvação, de comunhão e de amor.

Para a nossa salvação

Falar de um Deus em três pessoas só é possível pelo fato dEle ter se revelado a si mesmo como Trindade. E, Deus não se revela para nos dar informações intelectuais sobre si próprio. Ele só se revelou e se revela,falou e fala sobre si mesmo para nos salvar. Por isso, no anúncio da Boa Nova,é preciso estabelecer uma relação inseparável entre Cristologia, Trindade e Soteriologia (salvação). A Trindade é mistério, e mistério de salvação para nós.

“O mistério de Deus em si mesmo e o mistério da nossa vida em graça são um só e mesmo mistério. Deus não é outra coisa senão aquilo que Ele revela no seu agir em favor de nós, embora o que podemos perceber do seu agir por nós não esgote aquilo que Ele é em si mesmo” (afirmam os teólogos Maria Clara Bingemer e Vitor Galdino, no livro “O Deus Trindade: A vida no coração do Mundo”).

Como sabemos que isso é verdade? Lendo a Bíblia, escutando a Igreja e estando atentos à experiência de Deus em nós e nas outras pessoas.Porque o Espírito Santo nos diz e ensina a dizer Abbá, Pai (Rm 8, 15; Gl 4,6) e Jesus é o Senhor (1Cor 12,3). É o Espírito Santo quem nos leva à experiência e ao conhecimento de Deus-Pai e Deus-Filho. É no e pelo Espírito que podemos refletir sobre essa experiência de chamar Deus de Pai e Jesus de Senhor. É no e pelo Espírito que podemos transmiti-la aos outros de maneira coerente e inteligível.

A força do testemunho

Segundo teólogos, filósofos, e sociólogos, vivemos num tempo marcado pela “crise da modernidade” (ou pós-moderno, como alguns chamam). Mas oque significa isso? Bem, para entender esse termo, é preciso saber que a modernidade foi o período histórico em que a concepção do mundo passou de teocêntrica (Deus no centro de todas as coisas) para antropocêntrica (tendo o homem como sujeito de todas as coisas). Foram séculos de história da humanidade marcados pela supervalorização da razão em detrimento da emoção e do espiritual, fundamentado no cogito de René Descartes: penso, logo existo. É a partir dessa época histórica que a ciência se emancipa da teologia e passa a combatê-la.

Essa autonomia humana, como que num ressurgir da tentação de Adão, que queria ser como Deus, distanciou o homem de seu criador e criou grandes dificuldades para a evangelização.

Bem, a crise da modernidade chega com a crise do racionalismo e, como que numa reação, com a supervalorização das emoções, do subjetivismo, do espiritualismo. Se por um lado podemos nos alegrar com o total fracasso da afirmação nefasta de Nietzsche (aquele que afirmou que Deus morreu), por outro nos assustamos com o crescimento de seitas e correntes filosóficas da Nova Era, que igualmente ao racionalismo, afastam o homem do verdadeiro Deus, o Deus-Trindade, que se relaciona comigo pessoalmente e por mim se encarnou, morreu e ressuscitou.

No mundo pós-moderno a afetividade está supervalorizada e a subjetividade impera e reina, colocando graves questões para a fé trinitária,pois se vai substituindo o Deus Trinitário, bíblico, pelo Deus light. O Deus bíblico impulsiona o ser humano a ser sujeito transformador da história,enquanto o Deus light não o questiona, é inebriante e o faz experimentar sensações que “elevam” a alma.

Resta-nos responder à pergunta: O que é para o mundo hoje a existência de Deus? Se esta pergunta for feita a várias pessoas numa rua de um grande centro urbano, haverá muitas respostas diferentes. No ambiente em que vivemos, sem sombra de dúvidas, será o que nós, cristãos, conseguirmos transmitir com a nossa vida. Não conhecemos Deus através de fórmulas teológicas, nem podemos transmiti-lo desta forma, também.

Por isso, se queremos realmente evangelizar, precisamos converter a nossa práxis. O que significa isso? Significa que precisamos fazer as obras de Deus (Jo 3,21. 6,28. 7,17). Afirma a teóloga Maria Clara Bingemer: “Se é o Espírito do próprio Deus que está em nós, e se nos deixamos mover e guiar por ele, tudo que fizermos será obra Dele em nós e estaremos espalhando pelo mundo as marcas do próprio Deus que age por meio de nós”.

“Nosso encontro com Deus é um acontecimento radical. Só podemos nos relacionar, pensar e falar sobre ele, deixando-nos surpreender e questionar radicalmente por ele”, continua a teóloga.

Para que esse encontro aconteça, faz-se necessário acolher humildemente, na fé, na escuta, a Revelação Divina, na qual Deus se aproxima de nós e apresenta seu Mistério de Pai, Filho e Espírito Santo, de forma transformadora e comprometida com a nossa história e, a partir dela, com a história da humanidade.

Andréia Gripp
Missionária da Comunidade Católica Shalom

*Artigo originalmente publicado na Revista Shalom Maná


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. CErta,mente , O JESUS que a Biblia aponta , e que os cristãso creem , é diferente do JEsus pregado pelo catolicismo ..Infelizmen,te < JEsus para o catolico não fez o trabalho completo da Salvação, ainda que
    JEsus fale "esta consumado, pois os catolicos apelam para suas rezas e mandingas e terços para salvar a alma do purgatorio !!!1Enquanto isso, voces prezam pelo exclusivismo e pelo sectarismo catolico.Em Fortaleza, dias 23 24 tivemos no CAstelão , A MAIOR DEMONSTRAÇÃO DE EVANGELISMO e verdadeiro culto cristão com o Evangelista Franklim Graham ,filho de Billy Graham, o maior evangelista de todos os tempos , maior que os proprios "papas" romanos que se dizem pacificos e santos, mas que no entanto pregam a mentira do papado . MAIS DE 5 00 0 almas se renderam aos pes de Jesus ,no evento FESTIVAL DA ESPERANÇA , onde se reuniram a igreja, que são pessoas, para adorar o unico digno que é JESUS!! independente de bandeira de igreja , como defendem o romanismo com o desejo de limitar a salvação para seus clericos e os jornais catolicos, a imprensa e programas catolicos das TVS JAngadeiro , Verdes MAres e tantas outras midias cearenses que bebem do vinho do falso evangelho , sequer dão curtas notas em jornais. OS catolicos afinal consideram ou não os chamados por eles "protestantes como cristãos e "irmao separados ??? Quando a China se converte a cristo, a midia catolica divulga e aplaude as convers~~oes, mas ficam mudos ao contemplar um avivamento "protestante" em Fortaleza !!!! AMados, os EUA são o que são porque no passado, foram COLONIZADOS E EVANGELIZADOS POR HOMENS DE DEUS onde até os presidentes tinham como lideres , os pastores evangelicos com Billi Graham, que muitas vezes foi CONSELHEIRO DE PRESIDENTES da naçao mais poderosa do mundo e que infelizmente, tem se afastado dos caminhos de Deus promovendo CAsamento GAys, defesa do aborto e o secularismo dentro das igrejas. OS EUA são a Superpotencia mundial, por que ainda é o pais mais evangelico do MUNDO .Não é atoa! Deus abençoa a naçao cujo unico Deus é o Senhor e não uma senhora de barro e pedra , que consagram a nação brasileira a uma padroeira que tem boca e não fala, ouvidos e não ouvem , pes e não anda!! A nação norte -americana tem sua Contistuição embasada na Biblia SAgrada e enquanto este pais e estado IDOLATRA consagrar idolos, vai amargar anos de seca , como estamos passando e corrupção e violencia.Naõ se enganem , quando Deus quer pesar a mão numa nação idolatra, vem seca, vem pestes , vem violencia pois o ESpirito DEle se afasta, Não se enganem , pousar de santinhos e pregar o falso evangelho, pregar que apenas "veneram "santos, pode enganar a homens que não leem a Biblia, mas NÃO ENGANAM A DEUS…