Institucional

Encontrar em Jesus a própria dignidade: a missão Shalom em Madagascar

extra-caso-as-outras-nao-funcionem

Compaixão, culinária, esporte e evangelização

No extremo norte da ilha de Madagascar, a cerca de 24 horas de distância da capital (de carro), localiza-se a cidade portuária de Antsiranana, com cerca de 300.000 habitantes. É ali que desde agosto de 2007 cresce silenciosamente uma missão da Comunidade Shalom. Há oito anos, os missionários buscam dar uma resposta à Igreja necessitada de operários para a sua messe, quer no ‘primeiro anúncio’ do Evangelho, quer na nova evangelização neste contexto semi-urbano. Encravada em um belíssima baía e cercada por um riquíssimo parque natural, paradoxalmente os desafios da localidade de Antsiranana não são poucos, entre os quais: prostituição, instabilidade política, má distribuição das riquezas e exploração desordenada dos bens naturais, epidemias como o HIV/AIDS, malária, abandono de crianças com algum tipo de deficiência, tráfico infantil e exploração feminina.

Vanda Santos, 43 anos, originária de Salvador da Bahia, é a atual responsável da pequena comunidade de oito missionários do Shalom que vivem no bairro Scama, na periferia da cidade. Ela explica que a Comunidade instalou-se nesta localidade a convite de Dom Michel Malo, outrora arcebispo, com a tarefa de, através do seu carisma evangelizador, animar e administrar um centro voltado para crianças e jovens, especialmente portadores de deficiência física.

Em modo profético, o Senhor Arcebispo intuía que a deficiência física era somente uma das tantas deficiências que precisavam ser cuidadas ali naquele lugar onde hoje trabalhamos. Há ainda tantas ‘chagas’ e mazelas na realidade local como a dependência de drogas, o abandono infantil, o desânimo causado pela situação de miséria… situações que também precisavam da atenção e do trabalho da nossa Comunidade” – esclarece Vanda.

Os oito missionários que lá vivem e trabalham atualmente são todos brasileiros. Só um dos oito já conhecia a língua francesa antes de desembarcar em Madagascar. “Naturalmente, a língua pode representar uma grande barreira, mas não nos deixamos vencer” – afirma a responsável local da Comunidade. Ela prossegue explicando que todos fazem um grande esforço para preparar-se linguisticamente, apesar do fato que isto inclui não somente empenhar-se para aprender o francês, língua do antigo país colonizador, mas sobretudo para poder comunicar-se com os mais pobres e menos escolarizados, precisa-se também da língua malgaxe. “Estou convencida de que a preparação linguística não pode ser o único elemento que define a qualidade do missionário. É preciso, antes de mais nada, ter amor ao povo e querer ir ao povo” – afirma Vanda Santos.

A pequena casa comunitária, que forma um só conjunto com o Centro de Evangelização (que possui algumas salas para formação), abriga, em espaços separados, rapazes e moças. Os pontos de encontro da ‘Casa Shalom’ são o refeitório e a capela. Esta última, aberta ao público, esconde o segredo do vigor missionário. Vanda relata que as manhãs da Comunidade são “regadas pela oração, porque é Jesus que nos dá a força e que nos impele a vencermos as nossas barreiras humanas e ir em direção ao povo, para falar do amor dEle”. Ela acrescenta que as tardes, noites e os fins de semana, porém, são cheios de atividades pastorais: “o principal apostolado de nossa missão até hoje tem sido o que chamamos de ‘Projeto José do Egito’, pelo qual atendemos cerca de 45 crianças todas as tardes, em nosso Centro de Evangelização, oferecendo a estas alfabetização e formação catequética, humana e espiritual. Ao redor deste projeto, nasceram as nossas visitas missionárias diárias ‘porta-a-porta’ pelos bairros da vizinhança, atendendo especialmente a pedidos de oração pelos doentes e pelos familiares das crianças que participam de nossas atividades. Regularmente, visitamos também os enfermos nos 2 hospitais da cidade e ainda coordenamos e animamos um grupo de oração no presídio”.

arraia-02Tudo isso seria suficiente, mas o grupo de missionários não se dá por satisfeito. “Há alguns meses, vínhamos pensando em como chegar a mais pessoas para falar do amor de Jesus, aquelas que nem sempre vão à Igreja ou que muitas vezes se sentem até indignas de Deus” – explica Thamires Pacheco  – uma das missionárias que vieram reforçar o time nos últimos meses. Ela conclui: “Foi aí que surgiu no meio de nós uma nova inspiração de Deus para o ano de 2015: promover um curso de culinária e uma escolinha de vôlei e futebol”.

Eugênia Costa, uma das integrantes da Comunidade que lá vive desde 2014, esclarece o objetivo do curso de culinária: “Aqui, devido sobretudo à pobreza, mas também à falta de instrução, a alimentação, em muitas famílias, é restrita somente ao arroz. Vimos, porém, que há outras fontes de nutrientes à disposição que são subutilizadas no preparo das refeições do dia-a-dia. Assim pensamos em reunir as ‘mamães’ da região para dar um ‘upgrade’ no pão-nosso-de-cada-dia”.

Vanda Santos informa que cerca de quarenta mulheres têm participado do curso nos últimos tempos, inclusive “mamães” muçulmanas, atraídas pela novidade. “Olho para elas – constata – e sinto que têm sede de algo a mais, de uma ‘vida em abundância’. Por isso, nossa tarefa é ter a coragem de propor o Evangelho a elas e o fazemos pensando sempre em rezar com elas para agradecer a Deus por Seus dons e Seu cuidcuisine01ado para conosco. Praticamente, toda semana buscamos testemunhar um pouco do amor de Deus de maneira nova e atrativa” – revela entusiasta.

Os missionários contam que uma participante testemunhou durante o curso: “Se o Shalom não estivesse aqui, o que seria de nós? O que estaríamos nós fazendo agora? Muito obrigada, meu Deus, por nos amar de forma única, dando-nos essa oportunidade de aprender a preparar nossos alimentos com mais dignidade e entendimento da necessidade do alimento para o corpo, pois nossas almas precisam de um corpo para viver. Obrigada ao Shalom por tão bem manifestar para nós a presença de Deus, por Seu amor que mandou para nosso país missionários tão dedicados e desejosos de nos fazer conhecer e experimentar a misericórdia de Deus”.

Mas não só de cozinha vive a missão de Madagascar. Gabriel Angelo, missionário, fala da inspiração do vôlei
e do futebol: “é, na verdade, algo muito simples, pois é uma maneira de chegar àqueles jovens que não vão à Igreja ou que não poderiam imaginar fazer esporte com um missionário. Aproveitamos os encontros fraternos também para propor um retiro espiritual adequado à idade e ao contexto de onde vêm. Para muitos tem sido um reacender da fé”.

Com uma longa bagagem missionária e de trabalhos de promoção humana no Brasil, a responsável Vanda conclui: “Nessa terra eu reencontrei a alegria de ser missionária. É tudo muito desafiante, mas é aí que vejo a mão misericordiosa de Deus guiando a minha vida e conduzindo o seu povo”.

 Por Rafael d’Aqui


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *