Formação

Família e a Procriação Humana

O Pontifício Conselho para a Família apresentou hoje, o documento “Família e procriação humana”, no qual afirma que só a família, “elo de conjunção entre as gerações, pode salvaguardar a tradição de uma comunidade”.

“Nunca como hoje, a instituição natural do matrimônio e da família foi vítima de ataques tão violentos. De correntes radicais surgiram novos modelos de família”: é uma das passagens do documento no qual o Pontifício Conselho para a Família, presidido pelo Cardeal Alfonso López Trujillo, denuncia que, em alguns casos, a lei é chamada “a legalizar formas de união que desestabilizam o matrimônio e a família”.

Em outros casos _ diz ainda o documento _ é a moral que é mobilizada para procurar justificar práticas biomédicas que separam, na união conjugal, o fim unitivo do fim procriativo, e a sexualidade, do amor.

O documento começa reiterando um princípio fundamental: só a família, fundada no matrimônio, é o lugar adequado para a procriação, para uma “procriação responsável”. A Igreja é chamada, portanto, “a propor o pensamento cristão sobre a procriação responsável e familiar a todos os homens”.

No atual clima cultural _ diz ainda o texto _ são duas as ameaças mais graves: “o homem é concebido apenas como um indivíduo; as manipulações da ciência e da técnica são “os preâmbulos para se chegar a um homem feito pelo homem”.

“Se o homem se arroga o poder de fabricar o homem _ adverte o Pontifício Conselho para a Família _ se desencadeia uma tendência inexorável à autodestruição. As tendências individualistas e o aborto, onde se afigura claro, o eclipse de toda referência a Deus, são outras ameaças a conter. Os erros do homem e da mulher em relação à vida _ precisa o organismo vaticano _ são, antes de tudo, erros que atingem a sua relação com Deus.”

Por isso, o pensamento cristão sobre o homem deve voar com “as asas da razão e da revelação”, para a compreensão cada vez mais profunda do seu mistério. A via indicada é a da nova evangelização que passa através do homem e da família. E nesse caminho, a família, “primeira célula litúrgica”, tem um papel fundamental, ou seja, o de reforçar a ligação entre as gerações” e salvaguardar a tradição de uma comunidade”.

Eis o que disse a propósito do documento, o Presidente do Pontifício Conselho para a Família, Cardeal Alfonso López Trujillo…

“A intenção do documento é lembrar uma riqueza vastíssima de tipo doutrinal, com todos os horizontes que se abrem pastoralmente, e vê-lo em conjunto, porque a família fundada no matrimônio tem duas tarefas: é sede e lugar de um amor total, recíproco, com uma doação plena e esta totalidade é absolutamente central. Central porque é uma doação exclusiva, fiel, é uma doação estável no tempo, até a morte… É uma doação aberta à vida. Portanto, é o tema da procriação, uma procriação integral. A família é o lugar de uma procriação integral, não é somente o lugar da concepção, embora seja esta algo de maravilhoso; não é somente o lugar do nascimento, embora seja um sinal esplêndido. Mas é o conjunto da educação, a educação cristã, a educação humana. O homem não é produto, não é efeito da técnica, da ciência, de uma mediação que substitui a responsabilidade, a grandeza do ato humano do amor; na chamada fecundação in vitro (fivetomóloga) e heteróloga não existe aquele amor, aquela união, não há aquele dado de ser uma só carne. Mas é uma substituição por mediação com todos os passos conhecidos, e bastante difíceis, e eu diria que, às vezes, fazem a mulher sofrer tanto. Então, não se tem o amor humano, o encontro do corpo e do espírito numa só carne. O documento estuda, em primeiro lugar, certos aspectos bastante conhecidos da família, como a família é o lugar verdadeiro do amor e daquela doação, como repetiu o Papa na sua encíclica “Deus caritas est”. O Papa nos lembrou na mensagem ao nosso Pontifício Conselho, por ocasião do seu 25º aniversário, que estamos atravessando, em diversos continentes, um inverno demográfico, especialmente na Europa. Inverno demográfico: não há mais vida, tem-se medo da vida! Portanto, como os esposos podem não ter medo da vida, mas ter plena confiança no Deus providente, no Deus do amor, no Deus que enriquece o lar familiar com uma nova vida.”

“O inverno demográfico _ acrescentou o Cardeal Trujillo _ poderia tornar-se também o inverno da democracia, pois enfraquece o apoio que a família oferece a uma normal dialética democrática.”

O Pontifício Conselho para a Família denuncia que a redução dos nascimentos é enfrentada apenas em chave utilitarista: basta dizer que a salvaguarda das aposentadorias, das pensões no Ocidente é considerada muito mais importante do que a criação de novas oportunidades de trabalho. Atrás dos problemas dos índices de fecundidade muito baixos no Ocidente, está _ como denuncia o Pontifício Conselho _ uma catástrofe moral e cultural. Procurou-se e se procura usar a chamada explosão demográfica de modo unilateral e instrumental, exclusivamente para fazer com que os governos dos países desenvolvidos coloquem o controle da população entre as primeiras emergências, tanto internas como externas, por vezes sem nenhuma atenção para com a dignidade das pessoas. (PL)

Fonte: Rádio Vaticano


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *