Shalom

Festa da misericórdia proclama o amor de Deus para a humanidade

“A humanidade não encontrará paz enquanto não se voltar com confiança à Minha misericórdia”. A frase dita por Jesus em revelação a Santa Faustina Kowalska traz um apelo a toda a humanidade neste Domingo da Misericórdia a um mergulho no amor de Deus e a sermos misericordiosos como o Pai. A Festa da Misericórdia, instituída pelo então Papa João Paulo II no Jubileu do ano 2000 foi celebrada pela Comunidade Shalom em Sobral pela primeira vez neste ano. O evento, realizado na quadra do colégio Farias Brito, teve início às 15h com o terço da Misericórdia, seguido por uma pregação com o tema: “Santa Faustina: Apóstola da Misericórdia” proferida pelo missionário da Comunidade Shalom Júnior Nogueira. Houve ainda show com a cantora Leozany Oliveira e Santa Missa presidida pelo sacerdote Pe. Paulo Henrique.

Realizada anualmente no segundo domingo da Páscoa, a instituição da Festa da Misericórdia foi um pedido de Jesus a Santa Faustina. Jesus fez a Faustina dois pedidos: que fosse instituída em todo o mundo a festa da misericórdia no segundo domingo da Páscoa e que fosse pintada a visão que ela tinha de Jesus misericordioso na qual o Senhor aparece com a mão direita levantada com sinal de abençoar e com a esquerda, deixava mostrar a túnica e de seu coração saíam raios vermelhos e azuis. Embaixo havia a inscrição: “Jesus, eu confio em vós”. A imagem foi pintada por intervenção do diretor espiritual de Faustina que conhecia um dos melhores pintores de Varsóvia.

A Festa da Misericórdia tem uma relação profunda com o carisma da Comunidade Shalom, segundo Júnior Nogueira. “Existem muitos pontos que tocam o carisma Shalom, começando pelo evangelho do dia, que é a passagem fundante do nosso carisma”, destaca. Em Jo 20, 19, Jesus aparece Ressuscitado aos apóstolos, anuncia-lhes a paz, mostra aos discípulos suas chagas e eles têm uma experiência do choque da ressurreição. Tomé não experimenta inicialmente a Ressurreição de Jesus, apenas oito dias depois. “Tomé tem uma experiência com a misericórdia e de uma incredulidade que se transforma em fé e ele diz: meu Senhor e meu Deus. Um dia fomos Tomé e tivemos uma experiência com Deus. Tomé tomou um choque de Ressurreição e de misericórdia”, ressalta.

O resumo da mensagem de Santa Faustina é: Deus é Misericórdia. “Não podemos nos relacionar com Deus fora da dimensão da misericórdia e Deus quer que recorremos a essa Misericórdia. Às vezes pensamos mais em Deus como juiz que como pai misericordioso. Mas ele é um Pai que acolhe e faz festa, que se faz próximo e se abaixa para amar a humanidade. Uma vez que Deus é Misericórdia e quer que recorramos a Ele, precisamos encarnar na nossa vida essa misericórdia, em especial para quem não tem experiência da misericórdia” destaca. Ele disse ainda que é preciso amar a Deus nos irmãos, começando pelos que estão nas nossas casas.

Júnior Nogueira explicou em sua pregação que graças a Santa Faustina conhecemos a imagem e a mensagem da misericórdia, mas na época em que a Santa viveu e recebeu as revelações, em 1920, as pessoas viviam um legalismo e não conheciam a misericórdia. “Conhecia-se apenas um Deus juiz. A misericórdia era uma mensagem nova, uma mensagem de confiança. Em uma das aparições, Jesus diz que o que mais fere o seu coração é desconfiar da sua misericórdia. Deus tem muitas características: a bondade, a justiça, a beleza, mas a maior é a sua misericórdia. E assim ele quer ser conhecido e buscado pela humanidade”, ressalta.

Santa Faustina viveu entre a primeira e a segunda guerra mundial e ela apresenta ao mundo a mensagem. “O mundo não terá paz enquanto não recorrer à misericórdia de Deus. O pecador é o primeiro a receber a misericórdia. E o pecado que mais o ofende é da desconfiança na sua misericórdia. E é mais doloroso quando vem das almas consagradas a ele”, explica Júnior. O pregador disse ainda que não foi fácil propagar a mensagem da misericórdia porque  Faustina era desacreditada dentro e fora do mosteiro. Viveu grandes tribulações por amor a Deus e a sua misericórdia. “Jesus dizia que muitas almas se perdem porque não recorrem à sua misericórdia. Então, ela se ofereceu a Deus por cada pessoa por amor. Faustina em seu Diário não fala de uma coisa distante dela, mas algo que ela viveu. Viveu a misericórdia com todos aqueles que a perseguiram. Ela viveu toda a dimensão de Cruz porque quis se unir a Jesus”, completa.

História de vida

Desde pequena, Santa Faustina trazia em si uma piedade e tinha grande sensibilidade para com o sofrimento humano. “O coração dela já se abria desde o princípio para a misericórdia”, ressalta Júnior Nogueira. No Diário de Santa Faustina, ela lembra que sentiu a graça e o chamado à vida religiosa aos 7 anos. “Ela ouviu o chamado de Deus em sua alma, embora ainda não tivesse ideia do mistério da misericórdia”, destaca o pregador. Já na mais tenra idade,  ela passa a ter uma vida mística e uma relação com Deus mais profunda, começando a ter visões de Jesus e Nossa Senhora. “Ela começa a desabrochar e escuta o chamado de Deus a se consagrar à vida religiosa”, completa.

Nascida em uma família pobre, seu nome de batismo era Helena Kowalska. Aos 16 anos, ela começa a trabalhar em uma casa de família para se sustentar e ajudar os pais. Helena não esquece o chamado de Deus, mas os pais não aceitavam a vida religiosa e ela começa a sufocar esse desejo. Vai morar com uma irmã e um dia vai a uma festa na qual todos estavam se divertindo. Cheia de conflitos entre desejar a vida religiosa, mas não querer ir contra os pais, ela resolve dançar naquela festa. Ao começar a dançar, ela vê Jesus flagelado, coroado de espinhos e escuta suas palavras. “Até quando ei de ter paciência contigo e até quando tu me decepcionarás?” Helena olha para Jesus e se decide pela vontade de Deus. Sai correndo para a frente de um sacrário e pergunta: o queres que eu faça? Jesus diz a ela que vá à cidade de Varsóvia e tente entrar em um mosteiro lá. Ela foi na mesma noite. Encarregou a irmã de avisar aos pais.

Após ter sido recusada em várias congregações por ter poucos anos de estudos e uma saúde frágil, aos 20 anos ela ingressa na Congregação das Irmãs da Divina Misericórdia e passa a se chamar irmã Maria Faustina. Ao ingressar, escreve no seu Diário: “Eu me sentia imensamente feliz. Parecia que havia entrado na vida do paraíso”. Júnior Nogueira ressalta que “por mais desafiante que a vontade de Deus seja, temos o fruto da alegria e da felicidade”.  Além dos momentos de oração, as religiosas também fazem trabalhos. Faustina sempre fez os trabalhos mais simples: trabalhou na cozinha, foi jardineira e depois irmã porteira. “Ela sempre exercia trabalhos e serviços humildes, escondidos. Era uma característica dela. Nem as irmãs que moravam com ela sabiam do que Jesus revelava para ela. Era uma mulher de muitos dons sobrenaturais, mas começa a receber de Jesus a missão de ser apóstola da misericórdia”, ressalta.

Antes mesmo da congregação, Faustina já tinha uma vida austera com penitências e jejuns. Morreu de tuberculose aos 33 anos, no dia 5 de outubro de 1938. Morreu em fama de santidade. No dia 30 se abril de 2000, foi canonizada por São João Paulo II e o papa instituiu o segundo domingo da Páscoa como o domingo da misericórdia. “Foi a vitória do pedido de Jesus a Santa Faustina”, completa Júnior.

Homilia

Em sua homilia, Pe. Paulo Henrique ressaltou que neste domingo celebramos como Igreja a Festa da Divina Misericórdia, instituída por São João Paulo II a partir da revelação de Jesus a Santa Faustina. “Jesus misericordioso mostra o sangue e a água que brotam do seu coração. Ele veio anunciar o amor do Pai sobretudo aos pecadores, aos que estavam longe em uma vida de pecado e que para o mundo eram pessoas indignas do amor de Deus.  A misericórdia de Deus é seu maior atributo porque ele faz injustiça a si mesmo para amar o homem”, destaca o sacerdote.

Pe. Paulo lembra ainda que “a misericórdia é o centro do evangelho, que foi escrito para dizer que Deus é misericórdia e nos ama.” No evangelho deste domingo, Jesus entra no cenáculo onde os discípulos estavam com medo e lhes diz: “Shalom, a Paz esteja convosco. O primeiro dom que Deus ministra sobre seus discípulos é o Shalom, a Paz”, explica.

A Paz não é uma vida cômoda, mas a reconciliação do coração do homem com Deus. “A paz nasce do coração de Deus sempre aberto a acolher o coração do homem. Ele se derrama em nossos corações por amor. Jesus dá o Espírito Santo ao homem e realiza essa obra de reconciliação. Quantos de nós ao ter uma experiência com a misericórdia não desejou ter um vida nova?”, questiona.

Tomé não estava com os outros discípulos e não acreditou na ressurreição, mas Jesus aparece novamente e ministra a paz. “Jesus agiu com Misericórdia com Tomé e faz com que ele tenha uma experiência com seu lado aberto e torna em fé a sua incredulidade.”

O sacerdote lembra que a mensagem do dia é que é preciso ser promotores da misericórdia porque Deus é misericordioso e derrama sobre nós seu perdão. “Essa festa vem nos mostrar que todas as pessoas são dignas da misericórdia de Deus porque ele ama e perdoa a todos. Como seria diferente se agíssemos com Misericórdia. Todos nós somos capazes de amar e de perdoar. A Paz é fruto dessa experiência de reconciliação com Deus e com os irmãos.”

 
Teresa Fernandes

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *