Institucional

Ficar!

tumblr_m13x9zbZ7x1r9wdlao1_500“Senti até nojo, mas, se não ficasse, estaria sendo uma garota diferente das garotas da turma, e não seria mais aceita por ela”. Com esta, e algumas outras palavras, sugerindo sentimentos de perda, inadequação e até mesmo de humilhação, algumas adolescentes se referem à experiência de “ficar“.

Muitas vezes, por medo de não ser correspondido, de ser rejeitado, ou se decepcionar; por receio de não conseguir realizar uma experiência de namoro, o jovem, mesmo se censurado intimamente, mergulha num comportamento inadequado, agora chamado “ficar”.

De acordo com dados colhidos da internet, o rapaz que fica com várias garotas num mesmo evento é considerado “garanhão”. Mas quando é a garota que fica com vários garotos, então é chamada de “cachorra”, de “galinha”.

Diferenças que caracterizam considerações reveladoras de puro preconceito machista, numa época em que feministas gritam sua liberdade e até invertem os papéis transformando-se de vítimas em vilãs.

As mais variadas opiniões dão uma idéia do quanto este comportamento chamado “ficar” contrasta polarizadamente com a forma de relacionamento até pouco tempo atrás aceita no âmbito social.

Griffa (2001) refere-se ao ser humano como ser que contém, em seu interior, sua força real para relacionar-se com o mundo exterior. Porém, pode viver como uma coisa em meio a outras coisas, surgindo assim o que Pascal chama de “diversão”, Heidegger, de “existência inautêntica” e Marx de “alienação”.

O fato é que vemos a relação entre duas pessoas deixando de ser um encontro de trocas, de crescimento mútuo e se transformando apenas em uma busca egoísta da máxima satisfação dos desejos e necessidades sexuais. É uma espécie de servidão voluntária à sensualidade, onde se perde a autonomia, o auto-valor. Onde, para não ser excluída do grupo, a pessoa se reduz, se inferioriza.

Segundo a antologia de Viktor Frankl, o fundador da Logoterapia, “se tomamos um mesmo fenômeno e o projetamos em dimensões inferiores à que lhe é própria, resultam figuras individuais que se contradizem (fig. 1). Um cilindro (tridimensional) projetado tem sua sombra em forma de retângulo no plano vertical e em forma de círculo no plano horizontal. As sombras são do cilindro, mas o cilindro não é retângulo nem círculo (que são dimensões inferiores à sua totalidade).

Também o ser humano, quando evidenciado só na sua mente, ou só no seu corpo (como quando vive o “ficar”) está se inferiorizando, pois está sendo considerado fora do seu contexto, parcial e contraditoriamente limitado.

O corte com o passado e a falta de limites
Atualmente, o homem não se sente mais tão dependente da realidade social ou nacional, rejeita os padrões autoritários de educação, mas, paradoxalmente, ainda depende de modismos efêmeros que, principalmente a mídia, apresenta não como informação, mas como incitação ao erotismo geralmente vinculado à violência.

Há um processo de desconsideração das tradições positivas dos modelos. A destruição do passado é um dos fenômenos mais característicos e lúgubres do final do século XX. Quase todos os jovens de hoje crescem numa espécie de presente contínuo, sem qualquer relação orgânica com o passado público da época em que vivem, como que negando suas raízes e seus valores.

O desenraizamento é a mais perigosa doença das sociedades humanas. Somente criando raízes, assim como árvores, pode-se crescer, florescer, dar frutos e preservar a humanidade com as sementes. Sem raízes, como a árvore, a humanidade morre.

Faltam limites, faltam modelos. E isto leva o indivíduo a fazer o que bem entende, a “experimentar” às custas dos outros, como se tudo fosse uma brincadeira sem maiores conseqüências. Barbaridades, atos violentos são cada vez mais freqüentes e destruidores, sem nem mesmo deixar, no indivíduo que os pratica, arrependimento ou sentimento de culpa. Falta-lhe a incorporação de valores éticos e morais que lhe formem a consciência pessoal, capacitando-o a fazer julgamentos coerentes (veja-se como exemplo as famosas “pegadinhas” que atualmente ocupam grande espaço na mídia).

Confunde-se falta de limites com a verdadeira liberdade que é parte inerente do homem humanizado e realmente livre para escolher. Liberdade imprescindível para que se obtenham as dimensões dos limites, a descoberta de valores presentes em pessoas que poderão ser grandes guias positivos com seus modelos de vida.

A verdadeira liberdade não é escolher o que gostaria de fazer num determinado momento, mas escolher o bem verdadeiro para si mesmo e para os outros.

Propõe-se intervenção, principalmente na área da educação e cultura, que leve o ser humano a um desenvolvimento pleno na sua postura ética e cultural e à mudança de atitudes, favorecendo o exercício de sua “liberdade para”, visando um maior esvaziamento e reumanização da pessoa. Projetos comunitários trarão possibilidades de melhor autoconhecimento e nova visão de homem e de mundo com uma liberdade responsável que priorize a vida. O segredo continuará sendo sempre o mesmo: conjugar liberdade com responsabilidade, uma moeda com duas faces indissociáveis.

 

Formação: Julho/2002

16.022“Namoro Cristão: rumo à maturidade no amor traz o fruto de oração, reflexão e vivência de 32 anos da Comunidade Católica Shalom sobre a amizade como caminho para o namoro santo, o namoro como caminho para o noivado santo, o noivado como caminho para o matrimônio santo e este como caminho de e para a santidade no amor e serviço de Deus, à Igreja e aos homens. Através deste livro, a autora presta inestimável serviço de reflexão, orientação e propostas para orações e ações a dois durante a amizade, o namoro e o noivado, sempre com vista à santidade e santificação recíproca na caminhada para o cumprimento humilde, feliz e grato da vontade de Deus e a santificação na caminhada rumo ao Céu.” (Emmir Nogueira)

Adquira o seu [AQUI]


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *