Formação

Frei Patrício: Jesus ressuscita onde?

Chegamos com alegria à Páscoa do Senhor Jesus. Ele viveu no meio de nós durante o Tempo da Quaresma nos fazendo um convite único: “convertei-vos. O Reino de Deus está próximo.” Alguns profetas antigos nos convidaram a trilhar três caminhos para chegarmos à terra prometida, que é formada por céus novos e terras novas, que começam no aqui e no agora.

O caminho da oração: Sem a oração, sem o diálogo permanente com Deus, não se pode agir bem nem pensar bem; a oração é a força que nos converte o coração. Pela oração, os nossos olhos se fazem capazes de ver o rosto de Deus em Deus, em tudo e em todos.

O caminho do jejum: Não só do jejum das coisas supérfluas da vida, mas especialmente e sobretudo o jejum do pecado: não adianta colocar cinza na cabeça, rasgar as vestes e ter o coração cheio de injustiça e de mal; sem o jejum, caminhamos lentamente e não chegamos à meta da ação da vida para nós e para os outros.

O caminho da esmola: Abrir as portas antes da mente, do coração e da casa aos que pedem ajuda e não têm onde reclinar a cabeça, não têm pão, não têm assistência médica, não têm uma vida digna. Esmola não é dar o que sobra por compaixão, mas é dar o que o outro tem direito de receber. Um caminho quaresmal que culmina na noite santa da Páscoa, onde nos reunimos acendemos novas luzes, e escutamos o Senhor de todos os tempos, que fala para que façamos memória dos tempos antigos, nos quais fomos libertados, e através do deserto nos acompanhou até a terra da liberdade e do amor.

Durante a Quaresma, temos escutado os profetas antigos e os novos, e por que não chamar de profetas de hoje, como o Papa Francisco, que faz soar a sua voz corajosa pelo mundo afora, sendo voz e vez dos pobres e dos marginalizados, dos descartados numa sociedade do bem-estar social econômico? Por que não chamar de profetas todos os que,independentemente da religião, levantam a própria voz em defesa da vida? Por que não chamar de profetas os mártires que morrem em defesa da fé, da justiça e da paz?

Vivemos, sem dúvida, num mundo circundado de santos e não os vemos. Prestamos atenção ao pecado, ao mal, ao diabo, semeador de injustiça, mas na noite santa renovamos as promessas batismais, nas quais temos reafirmado a nossa fé e rejeitado o demônio e todo o seu império. Páscoa, ponto de partida e de chegada. Os nossos passos se detêm na boca do sepulcro; olhamos para dentro e está vazio. Jesus ressuscitou, mas onde? Em mim e em você, na Igreja, no mundo.

Aleluia, Aleluia, Aleluia!

Aleluia, o hino que vamos, no Tempo Pascal, repetir milhares de vezes em todas as liturgias. Não podemos rezar sem dizer aleluia, nem proclamar a Palavra de Deus sem cantar aleluia…, mas, afinal, que quer dizer esta palavra intraduzível e presente em todas as línguas de onde tem alguém que crê?

Louvai o Senhor, bendizei o Senhor. É um canto de vitória, pois o antigo e novo inimigo está derrotado para sempre não pela força humana, mas pela força divina; não pela coragem do ser humano sempre fugitivo, mas pela força de Deus, que nos chama e nos faz tocar com a mão o seu poder.

A Palavra de Deus é cheia deste canto, do Gênesis até o Apocalipse, e nós devemos fazê-la ação pelo mundo afora, sem medo. O aleluia é o canto de quem tem vencido o pecado em si mesmo e nos outros. É o canto da comunidade reunida que, superando todos os medos, desertos e noites, caminha guiada pela nova luz do amor e da paz. A leitura proclamada nos fala de libertação, de ceia, de caminho, mas especialmente, de vitória. Peçamos ao Senhor viver o nosso aleluia e nunca ter medo dos assaltos do mal. Tenhamos dentro de nós a certeza de que o mal pode ser vencido não com as nossas forças, sozinhos, mas com a força de Deus, que ressuscita Jesus para que Ele continue a caminhar conosco.

Cristo Ressuscitado não morre mais

Temos cantado o glória festivo, os sinos têm retomado a sua voz, a natureza resplandece ao novo sol da vida; é Páscoa. O inverno passou, como canta o Cântico dos Cânticos, a primavera da vida chegou. O apóstolo Paulo na Carta aos Romanos nos convida a fazer o nosso ato de fé – o Cristo ressuscitou e não morre mais. Esta não é uma frase para dar coragem, é uma certeza que nos confirma na nossa fé. Quando somos batizados, somos mergulhados na paixão, morte e ressurreição de Jesus. Caminhamos na nova vida, anunciando a todos esta certeza: Cristo Ressuscitou, Aleluia! Ele não morre mais, Aleluia!

Pedro nunca perdeu a fé em Jesus

Convido você a ler com atenção este relato da ressurreição de Jesus transmitido pelo evangelista Lucas. Todos dizem
que Jesus ressuscitou, viram as mulheres e anunciaram a ressurreição aos apóstolos, mas todos achavam que estas coisas não eram verdadeiras, eram fantasias provocadas pela dor da morte de Jesus e nada mais. Mas eles acharam que tudo isso era desvario e não acreditaram. Pedro, no entanto, levantou-se e correu ao túmulo. Pedro nunca perdeu a fé e a esperança de que Jesus Ressuscitou. É belo este versículo que nos faz entrar no coração de Pedro, é
o que nós devemos fazer no dia de Páscoa. Levantar-nos e correr ao sepulcro e o encontraremos vazio e acreditaremos no mistério da ressurreição. Jesus deixa o sepulcro vazio do pecado e entra com a sua luz.

Isto é Páscoa

Jesus deixa vazio o sepulcro do egoísmo e ressuscita a caridade, Jesus deixa vazio o sepulcro da tristeza e ressuscita a alegria, Jesus deixa vazio o sepulcro do ódio e ressuscita o amor, Jesus deixa vazio o sepulcro da guerra e ressuscita a paz, Isto é Páscoa, é aleluia e vida nova. Corra comigo, com todos, a dizer para todos que creem. Cristo ressuscitou e não morre mais. Isto é Páscoa, aleluia. Deixo você com uma frase do Papa Francisco para ser vivenciada: “Se verdadeiramente reconhecemos que Deus existe, não podemos deixar de O adorar, por vezes num silêncio cheio de enlevo, ou de Lhe cantar em festivo louvor.”

Leia mais

Páscoa, significado e origens

Frei Patrício ensina como viver a Semana Santa

O caminho trilhado pelo Ressuscitado


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *