Formação

Frei Patrício: Não há vocação mais bela do que servir a Jesus

Ser sacerdote é um chamado, um serviço. Os sacerdotes, como todos os santos, sempre estiveram na linha de frente, no combate, prontos para dar a vida pelo rebanho que lhes foi confiado.

Não sei, mas me parece que, no início da Igreja, não havia seminários nem faculdades teológicas para ensinar  teologia; estas vieram muito depois. No início, a convivência com os pastores, a assiduidade nas celebrações e austeridade de vida, que eram testemunho autêntico do amor a Jesus, constituíam o critério que levava os pastores mais anciãos a escolher presbíteros mais novos para que aprendessem a tomar conta da comunidade e a celebrar o mistério da Eucaristia e do perdão dos pecados.

Hoje a formação para ser padre se tornou muito complicada, longa, difícil, e parece-me que nem sempre chegam aos bons resultados que esperamos na vida de cada dia. Diante da crise de vocações sacerdotais, a comunidade é obrigada a ficar anos sem sacerdotes, e também existem os que são vistos rarissimamente. O que fazer diante desse problema? Muitas são as opiniões. Não é que a minha vai resolver os problemas, aliás, não quero que seja nem uma opinião, mas uma memória dos primeiros tempos da Igreja, em que cada comunidade escolhia o seu presbítero, que era apresentado ao Bispo e era, depois de um exame, admitido a servir a comunidade.

Cada comunidade deveria fazer prover, nascer vocações no seu seio, desde uma educação familiar, na escola, no trabalho. Sei que é uma ideia revolucionária e boba, mas um dia a comunidade de Agostinho começou a gritar: “Agostinho padre, Agostinho padre…” – e ele se fez padre. Passado um tempo, o clamor do povo o aclamou Bispo e ele foi Bispo, e não decepcionou nem como padre nem como Bispo. O rebanho é do Senhor, Ele que vai suscitar os pastores para o Seu rebanho.

Uma cultura sacerdotal

Hoje, falta uma cultura sacerdotal nas famílias, que são pequenas igrejas, em que se deve, sem dúvida, cultivar as vocações sacerdotais e religiosas para o serviço do altar. Ser sacerdote é um chamado, um serviço. Não há vocação mais bela do que estar a serviço de Jesus. Os sacerdotes, como todos os santos, sempre estiveram na linha de frente, no combate, prontos para dar a vida pelo rebanho que lhes foi confiado. É interessante que todos reclamam pela falta de sacerdotes, mas não queremos, muitas vezes, que Deus chame alguém de nossas famílias ou algum dos nossos filhos. Rezemos pelas vocações.

Recordo que uma mãe de família dizia: “todos os dias nós rezamos pelas vocações, mas não gostaríamos que Deus chamasse alguns dos nossos filhos.” A graça maior que Deus pode dar a uma família é chamar alguém para ser sacerdote, religioso, missionário ou missionária. “A vocação”, dizia o Papa São João Paulo II, “é o encontro entre duas liberdades: Deus, que chama, e o homem que responde.” Tenho já 74 anos e sou cada dia mais feliz por ser carmelita e sacerdote de Deus. É uma das alegrias maiores saber que, na minha pobreza, tenho cooperado para que outros e outras sigam Jesus no ministério sacerdotal ou na vida doada à missão, ao anúncio do Evangelho nos cinco continentes da terra.

A Comunidade gera outra comunidade

É belo poder acompanhar o início da vida da comunidade cristã logo depois da ressurreição de Jesus. Os apóstolos e discípulos perceberam que não era possível ficarem encerrados dentro do Cenáculo ou anunciarem o Evangelho somente em Jerusalém ou nas redondezas; era necessário ir, sair longe e levar a mensagem de salvação de Jesus para todos os lugares do mundo. Assim, se colocaram a caminho, e onde passavam reuniam o povo, proclamavam a Palavra de Deus e davam vida a pequenos grupos de seguidores de Cristo. E uma vez que a comunidade se encontrava fortalecida, eles novamente se colocavam a caminho.

O Evangelho é peregrino; desceu do céu e andará pela terra até os últimos dias, quando Jesus voltará glorioso. É urgente na Igreja, nas comunidades, redescobrir a alegria de anunciar o Evangelho. A Palavra de Deus é um fogo que queima nos corações e que os impulsiona a comunicar este fogo de amor. Mas podemos notar, pela leitura dos Atos  dos Apóstolos, como também os missionários voltavam à comunidade mãe para contar todas as maravilhas que o Senhor tinha realizado através deles.

A vida do missionário não é uma vida solitária, ele não anuncia em seu próprio nome, mas sim em nome da comunidade. Isto é ser igreja, isto é criar comunidade – comunhão e unidade –, sem estas duas virtudes fundamentais, viramos seitas e destruímos o anúncio de Cristo, que é sempre comunhão e unidade com o Pai e com o Espírito Santo.

Com Jesus Ressuscitado, a morte é vencida

João Evangelista sonha com Deus, e quem sonha com Deus sempre sonha com a esperança, e a esperança se faz realidade. – O que vejo? – Céus novos, terras novas, onde, pela força da ressurreição de Jesus, toda lágrima será enxuta, toda tristeza será vencida e a morte será destruída. Estes novos céus e novas terras não se referem somente ao que acontecerá no fim do mundo, quando Jesus voltará glorioso para julgar a todos, mas se refere, desde já, a aqui e agora, onde nós vivemos e somos responsáveis tanto pela paz como pela guerra, pela unidade e pela divisão. A missão do cristão é uma missão de comunhão, de fraternidade, de paz, com todos e sempre.

Vivemos numa realidade complexa, em que perdemos muitas vezes o sabor da esperança e achamos que não é mais possível fazer nascer uma nova sociedade, uma nova família, uma nova comunidade. Este é um grande erro.  Façamos todo o possível da nossa parte e Deus fará o resto.

Nisto vos conhecerão

Onde está o segredo da mudança da história? Nas novas tecnologias, nos novos meios de comunicação, em ir à lua ou marte, em descobrir novos fármacos e maneiras de viver alguns anos a mais? Onde está a novidade da vida? Em ter mais e ser mais indiferente aos sofrimentos ou solidário com os que são os últimos? Sim, também em tudo isso. Mas não somente nisso e nem principalmente nisso.

A novidade da vida e da felicidade está em viver os mandamentos que Jesus nos tem dado e que o Evangelho grita com toda sua força, para que nos amemos como Ele nos amou. O amor é o único sinal com que e como o povo vai nos reconhecer como seguidores de Jesus. Não há outra maneira para se convencer disto, é só meditar o hino do amor do apóstolo Paulo (cf. 1Cor 13): se dou todos os bens, se falo todas as línguas, se tenho todos os carismas, mas não tenho o amor, não tenho nada de nada. Precisamos preencher o nosso coração de amor para Deus e para o próximo e ir espalhando por aí as sementes deste amor. Dessa maneira, o mundo será renovado.

Leia mais

Frei Patrício: Rezemos pelos nossos pastores

Shalom oferece retiro para sacerdotes e seminaristas diocesanos

O Testemunho de um sacerdote

 


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *