Formação

Frei Patrício: ser santo ou não ser santo, eis a questão!

Em todos os dicionários, quando se busca a palavra “santo”, entende-se algo que está profundamente ligado à divindade. Algo que ultrapassa a nossa pobre maneira de pensar e de ser. Somos chamados a ser não só semelhantes a Deus, mas a participar da Sua mesma natureza divina.

Sempre a Palavra de Deus tem falado de santidade, de ser santo, mas pode ser que nunca tenhamos compreendido perfeitamente o que estas palavras significam. Cada um as interpreta segundo os próprios gostos, mas, na verdade, deveríamos tentar definir bem claramente em que consiste a nossa vocação à santidade. Isso o faz o Concílio Vaticano II; o faz melhor ainda o próprio Deus, que declara solenemente “sejais santos, porque eu, vosso Deus, sou santo”. Uma definição ontológica do mesmo ser de Deus, Ele é santo.

Em todos os dicionários, quando se busca a palavra “santo”, entende-se algo que está profundamente ligado à divindade. Algo que ultrapassa a nossa pobre maneira de pensar e de ser. Somos chamados a ser não só semelhantes a Deus, mas a participar da Sua mesma natureza divina.

Deus não é ciumento nem egoísta. Ele quer partilhar conosco da Sua riqueza e de todos os Seus atributos divinos, como poder, glória, amor, luz e paz; e à medida que vivemos empenhados nisso nos aproximamos do mesmo Deus. A nossa vocação não é rastejar por aí, mas voar até os mais altos montes da perfeição, de onde podemos, desde já, contemplar o mesmo Deus envolvido de luz e de amor.

Sobre ser santo

Ser santo, para quem crê, não é opcional, mas sim uma exigência do mesmo ser “religioso”. Quem não deseja ser como Deus perde o seu tempo e manipula a religião para seu uso e consumo. Na Igreja Católica, a santidade não é reservada a um pequenino grupo de felizardos, a um clube de perfeitos, mas é sim vocação comum a todos os batizados, a todos os que se deixam amar pelo Senhor. Aliás, hoje, deveríamos falar de uma santidade ampliada que ultrapassa os confins restritos da religião e ver como projeto de santidade todos os que lutam contra a injustiça, o mal, que tentam buscar o bem dos pequenos e pobres.

Há, mesmo fora da Igreja Católica, muitas pessoas que têm lutado, com verdade e amor, para vencer o mal “institucionalizado” por tantas leis injustas e desumanizadoras.

Ser santo é, pois, ter noção de dois ideais fundamentais: amar a Deus e amar o próximo. Não se pode pertencer a nenhuma religião que seja digna deste nome sem estes dois amores unidos e inseparáveis. Quem sabe, num futuro não tão distante, a Igreja Católica tome a decisão de fazer uma liturgia para todos os santos e justos de todas as religiões.

Ser santo é nos convencermos de que as palavras de bem devem ser carne e vida, e que todos – não somente cristãos, mas todo ser humano – são criados por Deus para construir a cultura da vida, do bem e não para cooperar com o mal.

Não há espaço para o mal no mundo e podemos derrotá-lo somente com o bem e não com discursos políticos nem com uma vida doce, mas com a coragem que só vem de Deus.

Eis uma grande multidão 

A minha ideia da grande festa de todos os santos de todas as religiões nasce da leitura do Apocalipse, em que são destruídos os limites e os confins da nossa cabeça e coração pequenos. João não diz que viu duas ou três pessoas, mas sim uma multidão que o olho humano e a inteligência humana não podem contar.

Que bela é a humanidade inteira que caminha para o Cristo Jesus, o Ômega, e toda a vida humana. No meu coração, não há nenhuma dúvida de que os que vão ao Paraíso são a maioria das pessoas. Os outros que não estão preparados – e um destes sou eu – vão esperar o fim do mundo para entrar na glória do Senhor.

O sangue de Jesus derramado na Cruz é o que torna as vestes brancas de todos os que sofrem nesta Terra. Não podemos esquecer que o sangue do mártir Jesus é Salvação para todos e para sempre. A festa de todos os santos nos recorda o mistério do amor de Deus para a humanidade; um amor infinito pelo qual se realiza a Encarnação, que é o início da Salvação, que, por sua vez, culmina no Calvário.

Somos verdadeiramente filhos de Deus

O evangelista João vive de amor e sente arder no seu coração a chama do amor de Cristo, que veio para salvar toda a humanidade. Somos filhos de Deus, irmãos de Jesus, iluminados e purificados pelo sangue do Senhor, que nos dá a força do Espírito Santo vivificador. A leitura deste pequeno trecho da Primeira Carta de São João nos enche o coração de uma felicidade imensa, particularmente as últimas palavras: “Todo o que espera nele, purifica-se a si mesmo, como também ele é puro.” (1Jo 3,3)

Nós vivemos pela esperança de que pela fé se faz certeza a Salvação. Quem acolhe Jesus na sua vida não pode ter medo de Deus. Nós somos, como diz o Salmo Responsorial: “a geração dos que procuram o Senhor” (Sl 23/24). Logo, contemplar a face de Deus em todo o Seu esplendor é a nossa vocação; não podemos fazê-lo enquanto vivemos, porque não suportaríamos, mas podemos, desde já, ver o rosto de Deus no rosto dos nossos irmãos.

O caminho das bem-aventuranças 

Quantas vezes nos perguntamos qual é o caminho da santidade? Quebramos a cabeça para encontrá-lo e depois de tanto pensar desistimos da resposta. O caminho mais belo para chegar à santidade é seguir as Bem-aventuranças passo a passo, sem pressa e, sobretudo, sem afobação, por sabermos que quem conduz a nossa história não somos nós, mas Deus.

As Bem-aventuranças não são algo difícil, mas muito fácil, se colocamos em prática a primeira. É preciso ser pobre para começar o caminho, quer dizer, é necessário nos desposarmos de toda soberba e orgulho, de toda autossuficiência, buscando em Deus a nossa riqueza e plenitude de vida. Apenas os pobres em espírito são os autênticos candidatos para a santidade.

A pobreza de que fala o Evangelho é a chave que abre todas as portas, porque os pobres, isto é, os que sabem que necessitam de Deus já estão no Paraíso, são cidadãos do Reino de Deus e são felizes. As outras Bem-aventuranças são consequências da pobreza interior, que exige a pobreza material.  Somos chamados a ser santos, a partilhar as maravilhas que Deus opera em nós e a partilhar as coisas da Terra.

Ser santo ou não ser santo, eis o dilema. Dou a minha resposta: Senhor, quero ser santo!

“Não sou um guerreiro que combateu com armas terrestres, mas com a espada do Espírito que é a palavra de Deus”. (Santa Teresinha)


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *