Institucional

Uma lanchonete para evangelizar

DSC_0136 copy
Foto da Lanchonete do Shalom Brasília

1º de fevereiro. “A casa está cheia. Há gente na calçada e na rua. Muitos são jovens. O som de músicas alegres de louvor toma conta do ambiente.”* É este cenário, do reencontro dos participantes do último Acamp’s Brasília, que atrai a atenção de um homem, um passante, que se impressiona ao ver o sorriso dos jovens: rostos tomados de uma alegria diferente, inexplicável. Ele, então, se sente impelido a entrar.

Chamaram-me para recebê-lo já que não falava português.  Ao acolhê-lo, descobri muitas coisas: seu nome ocidental era Jackie, já que seu nome mesmo era muito difícil para nós, no Brasil, pronunciarmos. Jackie é um chinês que veio para o Brasil há um ano para trabalhar. Pouco sabia sobre fé, sobre a Igreja ou sobre o Papa. O que mais me impressionou, porém, era o fato de ele não saber quem era Jesus Cristo. Conversamos por um tempo e pude explicar o que fazia sendo missionária, como tinha deixado minha família no Canadá para anunciar esta pessoa que ele até então desconhecia. Ele então participou da missa e fui explicando, parte por parte do rito e porque fazíamos aquilo, em que acreditávamos. Por mais de uma vez ele me pediu para explicar o que era a Eucaristia e o que o fazia o padre. Ao final, ele agradeceu com um sorriso, dizendo que tinha aprendido uma grande lição naquele dia. Eu, porém, sentia que tinha aprendido uma lição ainda maior com a visita dele ao nosso Centro de Evangelização. Percebi, o quanto é urgente a nossa evangelização. O quanto ainda estamos fechados em muros e estruturas, enquanto há gente, (muita gente!) lá fora, que nunca ouviu falar da única pessoa que pode salvar.

Percebi que não é preciso ir muito longe para conhecer, de fato, pessoas com total desconhecimento de Cristo e da fé cristã. E mais: que há um grito. Um grito ensurdecedor daqueles que sofrem este desconhecimento, que não somos capazes de ouvir, porque este grito é abafado pelas correrias dos homens que vivem ignorando a presença Daquele que nunca deixou de existir. Abafado por mim que tantas vezes silencio no anuncio de Cristo por respeito humano, retendo a oferta da minha vida. Abafado, mas não extinguido, pois o Espírito Santo de Deus, no mistério da sua infinita sabedoria, não deixa de inflamar os corações que desejam se abrir para ver a ação da sua graça e não deixa de atrair os corações para aqueles que podem anunciá-Lo.

Amanda Passos, missionária da Comunidade de Vida em Brasília

*Trecho retirado do livro Escritos, da Comunidade Católica Shalom.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Amanda,
    Deus vem revelar o sentido da sua oferta, como dizia Madre Tereza:
    “Sei que o meu trabalho é uma gota no oceano, mas sem ele, o oceano seria menor.”

    Bendito seja Deus pelo dom da sua vida, pela sua amizade, pela sua alegria, pela sua oferta, que hoje me alcança e é fecundo na minha história.
    Obrigado pelo seu SIM!!