Formação

João Paulo II e o Sacerdote

Nestes últimos tempos é difícil ter uma estatística certa de quantos sacerdotes, por vários motivos, abandonaram o sacerdócio, por iniciativa própria ou foram convidados pela mesma Igreja a deixar o exercício do ministério sacerdotal. Na verdade o sacramento da Ordem, como a mesma teologia ensina, “imprime caráter”, isto é, uma vez que alguém é ordenado sacerdote será sempre e “in eternum” sacerdote. Quem de nós não conhece a frase “tu és sacerdote in eternum”? Portanto ninguém pode “despadrar” e ninguém pode “desbatizar” ou “descrismar” ou “desbispar”. Não tem como. A grandeza de Deus e a pobreza do mesmo Deus estão nisto: ele é Senhor de tudo, pode tudo, mas não pode ser infiel à sua fidelidade e à palavra dada.

Se por hipótese alguém que deixou de exercer o ministério sacerdotal, ou a mesma Igreja lhe proibiu de exercer este ministério, decide por exemplo, consagrar o pão e o vinho e celebrar a missa, Cristo se faz presente no altar. Os sacramentos não se realizam pela força da santidade de quem os ministra, mas sim pela força que lhe é conferida pelo mesmo Cristo Jesus. Estas pequenas explicações nos ajudam bastante para podermos compreender a grandeza do sacerdote e como ele deve viver com esforço, e não pouco. É tesouro recebido pela pura graça de Deus mas que carregam “em vasos de barro”, frágeis.

Ouvi com os meus ouvidos e portanto não relato o que outros me disseram porque lhe foi dito que alguém ouviu dizer. Não faz muito tempo estava em Fortaleza, na Comunidade Shalom, e estava lá o famoso e grande pregador do evangelho “Daniel Ange”, que publicou livros belíssimos sobre Santa Teresinha, editados pela Editora Loyola. Ele, falando do Papa João Paulo II de quem era grande amigo e que visitava de vez em quando, relatou este fato.

Um dia os membros de sua comunidade estavam andando pelas estradas de Roma e um dia depois seriam recebidos em audiência pelo Papa João Paulo II. Um pobre se apresentou diante deles e pediu uma esmola. Sentiram tocados profundamente e deram para este pobre anônimo uma pequena esmola. Ele agradeceu e depois, olhou-os fixamente. Eles trazem hábito, portanto é mais fácil identifica-los como religiosos. Disse-lhes: “por favor, rezem muito para mim, precisos muito de suas orações”. Prometeram orações e alguém, cheio de alegria, contou que amanhã seriam recebidos em audiência pelo Papa João Paulo II. Os olhos do pobre se iluminaram e chorando disse: “Peçam ao Papa que reze muito para mim. Mas que ele reze mesmo para mim”.

A curiosidade é uma virtude que faz parte do ser humano e não falta nas fileiras clericais. Curiosos por esta insistência de oração e do Papa perguntaram: por que? E o mendigo disse: “vejam, eu sou sacerdote, deixei o sacerdócio, casei-me e depois me separei e casei de novo e me separei de novo e estou abandonado por todo, obrigado a pedir esmola nas estradas de Roma porque não tenho nem sensibilidade de voltar para a minha terra. Sinto-me destruído, abandonado, dizei ao Papa que peço perdão e que reze para mim”. E o pobre se distanciou do grupo.

No dia seguinte, quando se encontraram na frente do Papa João Paulo II não resistiram e falaram do caso para o Papa. O Papa João Paulo II lhes disse: “Ide correndo e chamai aqui este padre. Quero falar com ele. Mas vão logo. ”O grupo de religiosos visitantes disseram para o Papa: “Santo Padre, como é possível encontrar este pobre mendigo nas estradas de Roma? É quase que uma empreitada impossível de ser realizada”. O Papa, conhecedor dos costumes dos pobres disse: “não é difícil encontra-lo porque pobre não anda muito longe, está sempre mais ou menos no mesmo lugar”.

Foram e depois de algum trabalho encontraram de novo o pobre que era sacerdote. E disseram-lhe: “o Papa te chama. Quer falar com você e nos mandou para que o possamos levar até ele”. O pobre se recusou a ir, não se sentia digno e nem em condição de ver o Papa. E não queria ir. Mas os jovens insistiram tanto que aceitou ir até o Papa. Quando entrou na presença do Papa, o Papa João Paulo II se levantou de sua cadeira e foi ao encontro do sacerdote vestido de mendigo e lhe abraçou com um forte abraço e disse lhe: “meu irmão, eu te devolvo o poder de confessar, o teu sacerdócio. Agora você em confessa”… Este pedido espantou a todos. Deixaram o Papa sozinho com o sacerdote…

Este fato eu ouvi com meus ouvidos e confesso que um grande nó de choro me tomou na garganta e os meus olhos se encheram de lágrimas.

Às vezes a Igreja se tem demonstrado dura e desumana com os irmãos que têm deixado o exercício sacerdotal. Mas este fato me tem feito e obrigado a reconhecer que as leis podem até ser duras e quem sabe é necessário que sejam duras, mas o encontro com as pessoas que erram deve ser cheio de ternura e de misericórdia. Este fato é tão bonito, tão enobrecedor, que na verdade é digno de ser contado para todos os sacerdotes e colocado em todos os boletins de todas as dioceses para que todos os sacerdotes se sintam a animados e encorajados a viver com mais entusiasmo o seu sacerdócio.

Para mim o Papa João Paulo II, com este fato, se ergue como um gigante diante de mim e é sem duvida um grande santo que tem o coração de Cristo. É o momento de abrir os nossos braços e acolher a todos, amar e só amar. Não nos resta mais nada que fazer diante de determinadas situações a não ser amar. Não podia guardar este fato para mim. Eu o ouvi com meus ouvidos da boca de Padre Daniel Ange. E esta alegria é os parabéns que quero dar à madre Igreja e nela a todos o sacerdotes, bispos e especialmente ao Papa pelo dia do sacerdote. O dia do Padre, o amor cura as feridas e redoa a coragem de continuar o caminho. E nunca um sacerdote, seja qual for sua situação, deve perder a esperança no amor infinito de Deus e nunca poderá se esquecer que é “sacerdote in eternum”.

Por Frei Patrício Sciadini, ocd


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *