Mundo

LOBO OU CORDEIRO? LEÃO OU BOI?

18hEm nossa última coluna – Cuidado! Não destrua o inimigo! – fiquei devendo a você uma história (de assalto) e uma explicação: porque cordeiro? Porque boi? Para falar sobre a Paz, havíamos escolhido dois textos fantásticos e praticamente inesgotáveis em seu significado. Um deles fala do cordeiro e do boi:

Os homens não se fatigarão inutilmente, nem gerarão filhos para a desgraça, porque constituirão a raça dos benditos do Senhor, juntamente com seus descendentes. Acontecerá então que antes de me invocarem, eu já lhes terei respondido; enquanto ainda estiverem falando, eu já os terei atendido. O lobo e o cordeiro pastarão juntos e o leão comerá feno com o boi… Não se fará mal nem violência em todo o meu monte santo, diz o Senhor” (Is 65, 23ss).

Leão e lobo, predadores desde sempre, deixam de ser ameaça para o boi e o cordeiro e passam – pasme! – a ser herbívoros, pastando tranquilamente como suas milenares presas. Não são mais ameaça para suas ex-vítimas. São agora companheiros de jornada com quem partilham o alimento. Tudo isso porque, pela Cruz de Cristo ou, em outras palavras, em Cristo, cai o muro da inimizade e, uma vez destruído esse muro de separação dá-se o improbabilíssimo Encontro.

Jesus, ao entrar no mundo – ao encarnar-se no seio da Virgem Maria – diz ao Pai: “Não quiseste sacrifício nem oblação, mas me formaste um corpo (…) Eis que venho, ó Deus, para fazer a tua vontade!” (Hb 10,5.7). Ora, os sacrifícios e oblações do Antigo Testamento constituíam-se em bois, touros, cordeiros e algumas aves. Jesus, acolhe a vontade do Pai de fazer do Filho o Sacrifício Perfeito para a remissão – perdão – de todo pecado, resgate – pagamento – de todo homem fugido de Deus. Ele entende que “é impossível que o sangue de touros e de carneiros tire pecados”, como explica o versículo 4.

Só um sacrifício de amor até o extremo da morte seria capaz de resgatar o homem amado que escolhera ser inimigo de Deus e caíra em sua própria armadilha de rebelião, dilacerando o coração amoroso do Pai. Animais, por mais pacíficos e dóceis que sejam, não possuem vontade e, portanto, não amam aos moldes da Trindade que escolhe como “forma de ser” – como essência, diriam os filósofos – amar até perder-se no amado.

Jesus, o Filho, faz-se carne, assim, identificado com o Cordeiro Pascal, o cordeirinho de um ano que marcou a passagem do povo hebreu da escravidão ao Egito para a liberdade de povo de Deus. Ele é, assim o único e verdadeiramente eficaz Cordeiro Pascal que não somente passou pela morte, como o dos hebreus, mas venceu a morte pela ressurreição.

Lindo! Assunto para se rezar! Para pedir a Deus que nos faça mais cordeiros que lobos, mais bois que leões!

Porque, na verdade, Jesus, que é Deus e pode tudo, escolhe, por amor, ser Cordeiro – como diz meu querido bispo D. José Antônio, “isso não é uma humilhação, mas o jeito mesmo de Deus ser” – e, de fato É Cordeiro, manso e humilde de coração em todas as ocasiões. Ao passo que nós, que nada podemos, escolhemos o orgulho de ser lobos para nos sobrepor ao Cordeiro! Para nós, é preciso muita violência de coração, radical conversão ao Evangelho para preferir morrer que matar, como fez Jesus. É preciso conversão profunda à radicalidade evangélica para entender e optar livremente por entregar a própria vida ao invés de roubar – de todas as formas – a vida do outro. Só a ação do Espírito em nós pode nos levar a escolher perder por amor a ganhar por orgulho e egoísmo, vaidade e vanglória – todos disfarçados, claro.

Apesar de desejar ser cordeiros, na hora da sangria escolhemos ser lobos e reagimos contra nossos “inimigos”. Apesar de desejar ser bois para alimentar os homens, na “hora H” optamos por ser leões e arrasamos nossos “adversários”. Criamos, entre nós e eles, muros de divisão e inimizade a partir do desejo de poder, de possuir, de prevalecer que existe em nós. Haja conversão! Haja contemplação de Jesus Cordeiro, de Jesus manso e humilde de coração em todas as ocasiões de sua vida, do nascimento à paixão e morte. Haja ação do Espírito Santo!

Mas… e a ira de Jesus ao expulsar os vendilhões no Templo de Jerusalém? E a fúria de Jesus contra os hipócritas? Bem… essa história lhe fico devendo, junto com aquela do assalto, lembra?

O que o assalto tem a ver com isso? Só tudo!!! Me aguarde!

 

Maria Emmir Oquendo Nogueira

Cofundadora da Comunidade Católica Shalom

TT @emmiroquendo

FB facebook.com\mariaemmirnogueira


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *