Mundo

Médicos Católicos: esperemos que nossa geração seja a última a combater o tráfico de pessoas

trafico humanoDepois de realizar o seminário sobre “O tráfico de pessoas: a escravidão moderna”, as Pontifícias Academias das Ciências e das Ciências Sociais, junto à Federação Internacional de Associações de Médicos Católicos (FIAMC) publicaram uma declaração exortando a que esta seja a última geração que tenha que enfrentar o flagelo do tráfico de pessoas.

Em sua declaração assinada em 14 de novembro, asseguraram que “temos o imperativo moral de conseguir que a nossa geração seja a última que deva combater o comércio de vidas humanas”.

Logo depois de recordar que o Papa Francisco assegurou na sua Mensagem Pascal de 2013 que “o tráfico de pessoas é a forma mais estendida de escravidão neste século XXI”, os participantes no seminário ressaltaram que “cada ser humano é uma pessoa livre, seja homem, mulher, menina ou menino, e está destinado a existir para alcançar o bem de todos em igualdade e fraternidade”.

“Toda relação que não respeite a convicção fundamental de que todas as pessoas —sem importar seu sexo nem idade— são iguais e que não reconheça que gozam da mesma liberdade e dignidade constitui um delito grave de lesa-humanidade”.

Os organizadores do seminário denunciaram que as vítimas do tráfico de pessoas são escondidas “em domicílios particulares, em estabelecimentos ilegais, em fábricas e em campos, atrás de portas fechadas, no seio das famílias, em moradias e em muitos outros lugares, e tudo isto ocorre tanto nas cidades como nas aldeias e nos bairros marginais das nações mais ricas e mais pobres do mundo. Longe de melhorar, a situação provavelmente esteja agravando-se”.

“O tráfico de pessoas em todas as suas formas, e em particular o tráfico para fins de exploração sexual e prostituição, deve ser declarado como um crime de lesa-humanidade”, denunciaram, exigindo também que “os traficantes devem ser levados a julgamento no marco das leis nacionais e internacionais claras, com o confisco daqueles lucros que sejam produto de sua atividade ilegal, e as vítimas devem ser indenizadas por todos os danos sofridos”.

“Todas as partes interessadas, qualquer que seja o seu âmbito, têm o dever moral e legal de erradicar esta gravíssima violação dos direitos humanos e de brigar por garantir que todas as pessoas convivam em um marco de liberdade, igualdade, harmonia e paz, em sintonia com os valores inerentes a nossa condição humana”.

Os participantes no seminário pediram que “com o respaldo dos acadêmicos e dos líderes morais e religiosos, e servindo-nos da influência de um movimento a nível mundial e das redes sociais, devemos deixar expostos estes delitos ocultos recorrendo ao uso da tecnologia atual e à colaboração de instituições nacionais e internacionais justas e nobres”.

Fonte: ACI


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *