Formação

A morte diante dos olhos

Memento Mori

A felicidade e a liberdade interior com as quais desejamos viver podem estar muito mais relacionadas com a forma como lidamos com a morte do que imaginamos. Perder um ente querido, vivenciar uma enfermidade grave ou acompanhar alguém em seus momentos finais, colocam-nos em contato com uma realidade com a qual comumente vivemos alheios, quase sempre intencionalmente: a finitude humana.

A sabedoria monástica ensina que a grande sacada para viver bem a vida é manter a morte diante dos olhos. Anselm Grün (1998), em seu mais conhecido livro, “O céu começa em você”, diz que São Bento, em sua regra, aconselha os monges a manterem a morte diariamente diante dos olhos pois, para ele, o pensar na morte liberta-os de todo medo “porque paramos de depender do mundo, de nossa saúde, de nossa vida. O pensar na morte também nos possibilita viver e experimentar, conscientemente, cada momento como dádiva e saboreá-la dia a dia” (p. 109). Por ter sempre a morte diante dos olhos, o monge torna-se livre das preocupações mundanas, do julgamento e das expectativas dos homens. A grande expectativa para a qual deve voltar-se é para a vinda do Senhor, ou sua parusia: “A serenidade jovial, a liberdade, a confiança e a sinceridade para o momento presente forjam o monge que anseia pelo Senhor” (p.110).

Grün prossege dizendo que em muitas sentenças monásticas recomenda-se que é necessário primeiro morrer para o mundo, a fim de estar à altura das tarefas que o mundo apresenta, pois quando nos identificamos muito com uma tarefa ou fazemos que nossa autoestima dependa de ser ou não capaz de realizá-la, não podermos realizá-la livremente, pois a fixação em uma tarefa, bloqueia nossa capacidade de execução. “Morrer significa abandonar a identificação com a tarefa. Somente então, eu me torno livre para realizá-la bem. Pois já não depende tudo do fato de como eu a executo”. (p.111)

A identificação e a lembrança da própria morte querem lembrar também que o ser humano torna-se tanto mais livre quanto mais deixar de depender da aprovação dos outros, uma vez que se constantemente depender do elogio dos outros continuará sempre insatisfeito, pois nesse aspecto, o ser humano é insaciável. “O que devemos experimentar é que em nós há uma dignidade divina, cuja existência independe de as pessoas nos elogiarem ou nos repreenderem. Somente a experiência dessa dignidade divina em nós nos torna livres diante do elogio e da repreensão” (p. 113).

Daí, concluímos que não é suficiente apenas se lembrar da própria morte, mas estabelecer uma relação filial e confiante com o Autor da Vida. Nessa vivência íntima e concreta, abrem-se as portas para tocar o infinito e acolher a verdadeira dignidade humana, que consiste em ser filho de Deus.

 A simples constatação da própria finitude facilmente pode lançar-nos numa experiência de desespero ou fuga, pois morrer, quer no sentido literal ou existencial, significa desprender-se, e só aceitamos desprender-nos de algo por um sentido maior. Em uma relação com o Ser Infinito, esse movimento de desprendimento vai se aprimorando cada vez mais, em um processo de amadurecimento humano e espiritual. Tal desprendimento vai pouco a pouco tornando-se uma vivência consciente e intencional: de pessoas, de coisas, das visões de mundo e até mesmo da própria vida, pois: “Se o grão de trigo, caído na terra, não morrer, fica só; se morrer, produz muito fruto. Quem ama a sua vida, perdê-la-á; mas quem odeia a sua vida neste mundo, conservá-la-á para a vida eterna” (Jo, 12, 24-25).

Na aparente dureza dessas palavras reside o segredo da felicidade e da verdadeira liberdade: perder para ganhar. Estar livre dos medos, das posses, das expectativas humanas. Esse, no fundo, é um desejo autenticamente humano. Ajuda-nos a superar a própria estreiteza e a lançar o olhar para o infinito, pois como afirmava São Paulo: “se é só para esta vida que temos colocado a nossa esperança em Cristo, somos, de todos os homens, os mais dignos de lástima” (1 Cor 15,19).

Dessa forma, iniciar o novo ano mantendo a morte diante dos olhos pode ser um bom caminho para quem deseja vivê-lo autenticamente.

* * Magna Celi Mendes Rocha

Consagrada da Comunidade de Aliança, na missão São Paulo.

Artigo publicado no jornal O São Paulo, da Arquidiocese de São Paulo. Edição Fevereiro de 2018. 


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *