Formação

Mil cores para amar

257088a3dbb55929b49e20a4c4fd00c48cee163bÉ senso comum a dificuldade de relacionamento entre os seres humanos. Ouve-se – ou diz-se – com frequência: “Onde há relação humana, há conflito”. Muito dessa dificuldade vem, certamente, do fato de não acolher as diferenças como riqueza, mas como ameaça; de não se colocar no lugar do outro e de não fazer a ele o que gostaria que ele fizesse a nós.

Temos, muitas vezes, a tendência a rejeitar aquilo que é diferente de nós. Assim, queremos que os outros pensem como nós, façam as escolhas que fizemos… Como cada um é único e irrepetível, surgem a indiferença, a intolerância, o preconceito, o racismo… a guerra.

E isso se dá em todos os aspectos. Vemos, por exemplo, a “guerra dos sexos” (quantos relacionamentos se desfazem porque os homens não conseguem entender as mulheres e vice-versa); o “conflito entre as gerações” (crise entre pais e filhos, entre irmãos que estão na adolescência e os que estão na infância…); a intolerância religiosa; a guerra entre grupos, etnias e países…

Travamos combate por causa das coisas mais simples e “insignificantes”. Quantas vezes, por exemplo, nos deparamos com alguém que não vota no nosso candidato e logo a tachamos de “antipolitizada” ou “alienada” e a rejeitamos, ou mesmo encontramos uma pessoa tão diferente de nós fisicamente e logo, gratuitamente, a antipatizamos: “Não vou com a cara de fulano”.

Diz-se hoje que a tolerância é uma forma de poder e que o Brasil está relativamente bem nisso, pois aqui judeus e árabes sentam-se juntos, a mulata e a loira dividem o mesmo espaço nas escolas de samba etc. Mas que bom será quando, realmente, aprendermos a respeitar e valorizar as diferenças, a amar a pátria do outro como se nossa fosse, amar o time de futebol do outro como amamos o nosso, a sofrer com as dores do outro e nos alegrar com seus êxitos…

Convém aprender a olhar as diferenças sob outro prisma. Já pensaram que monótono se num jardim houvesse um só tipo de flor: toda a área coberta pela mesma cor, pelo mesmo perfume?! O mesmo seria com o mundo, se todos fôssemos iguais na cor da pele, na cor e textura dos cabelos, na forma de pensar e viver. Sinto muito, mas tenho de discordar do compositor que diz: “Se todos fossem no mundo iguais a você, que maravilha viver!”.

Um lugar privilegiado para esse aprendizado é a escola. Como professora do ensino fundamental, tenho me exercitado em viver essa realidade com meus alunos, e como é bom ver que aquela criança que no início era marginalizada – por pensar lento, por sujar tudo ou por “bagunçar” – de repente é aceita e incluída na turma. Isso me faz esperar um futuro mais propenso à paz.

O respeito ao diferente não exige de nós uma miscigenação, mistura ou perda da própria identidade. Ao contrário, devo me conhecer profundamente, sondar meu coração e saber quem sou. Então, firme naquilo que sou, estarei aberta a aceitar o outro com as suas diferenças, respeitando-o mesmo quando discorda de mim.
Assim deve ser entre nós. Acreditar que aquele que tem outra cor, outra forma de vestir-se, outra crença, outro idioma, que vive numa outra cultura não é um candidato à guerra, mas à unidade, a enriquecer a minha cultura, a embelezar o mundo. Isso me faz lembrar uma bela canção: “Nossa terra é um planeta colorido no imenso universo a girar. Cada povo é riqueza sem limites, gente nossa, mil cores para amar”.

Ter uma sociedade, ou melhor, construir uma sociedade assim requer esforço, pois é necessário saber escutar, dialogar, desarmar-se, recomeçar, perdoar e pedir perdão, saber perder…

É preciso, pois, buscar e construir a unidade na diversidade. Quando houver, de fato, o respeito ao princípio da universalidade da natureza humana, a valorização e o amor a cada cultura, povo, raça, então viveremos, realmente, como membros de uma mesma família humana. Se parece uma utopia, se não podemos fazer da humanidade inteira essa realidade, certamente podemos construí-la no ambiente em que vivemos, com aqueles que nos cercam e que fazem parte do nosso cotidiano. Eis um bom começo!

Maria Auristela B. Alves

Formação: Junho/2007

20.04 A maravilhosa catequese de João Paulo II, que aborda o amor humano em toda a sua grandeza, trazendo temas como: o valor da pessoa humana, a redenção do corpo e o seu significado esponsal, corpo, lugar de santidade, totalidade e constância do dom de si e a sua visão do lugar do homem em Deus na espiritualidade vivida por Santa Terezinha, Santa Catarina e Santa Teresa de Ávila.

Adquira o seu [AQUI]


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *