Shalom

Namoro Shalom: rio de quatro braços

‘Dar certo’ não significa ficar junto, dar certo é descobrir a vontade de Deus

Muitos jovens tem expressado grande preocupação com seus relacionamentos, bem como muitos coordenadores de grupos de oração a preocupação com o relacionamento de suas ovelhas. Certo dia, uma coordenadora partilhou que não sabia o que fazer, pois nove ovelhas de seu grupo haviam terminado o namoro e as razões pareciam insuficientes. “Eles parecem desorientados, no entanto, eu não sei o que fazer”, afirmava a jovem. Não são poucos os casos em que não sabemos o que fazer quando os jovens passam por crises em seus relacionamentos e outros sequer conseguem chegar a um. Isso preocupa bastante, leva-nos a refletir de que maneira, como casais, servimos de luz e de exemplo. E até mesmo sobre como está nossa abertura à formação dos jovens neste campo fundamental, que é a afetividade e o namoro. Precisamos entender que para os jovens este é um assunto fundamental.

Normalmente, quando acontece o término de um relacionamento por motivos insuficientes, deparamo-nos com grandes feridas que podem comprometer até mesmo a caminhada na vida com Deus.

Quando me deparei com o grande número de rompimentos, parei para rezar e uma imagem me veio à cabeça: um rio de quatro braços, que alcança toda a vida do casal, fazendo frutificar o amor e o levando a bom termo, que é a alegria de fazer a vontade de Deus.

O Senhor é o centro

Não podemos jamais esquecer que tivemos uma experiência com o amor de Deus e esta experiência se mostra autêntica quando nos deixamos conduzir pelo Senhor que nos amou, que conhecemos pessoalmente. Por isso, o primeiro e fundamental braço deste grande rio é o Senhor. Ter o Senhor como o centro do nosso relacionamento. Isso significa que é preciso ter uma vida de intimidade com Deus, pois “não poderei viver o novo a dois se sou incapaz de vivê-lo de maneira pessoal e comunitariamente” (Escrito Estado de Vida, 03).

Significa, ainda, ter uma vida de oração a dois, deixar que o Senhor nos conquiste e nos faça encontrar sua verdade para nossas vidas. Por meio da vida de oração, provaremos da bondade do Senhor e descobriremos que o namoro é um caminho de cura. Deixemos que, por meio da oração e intimidade com Deus, pessoal e comunitariamente, o centro do nosso namoro seja dado a quem de fato pertence: o Senhor.

A Comunidade é mãe

Muitos relacionamentos surgem dentro dos grupos de oração, nos Seminários de Vida no Espírito Santo, nos eventos… Isso é muito bom! Seria bastante estranho se no meio de centenas de jovens que frequentam o mesmo ambiente, nossos centros de evangelização, não houvesse ‘apaixonamentos’ e novos relacionamentos. Existem, ainda, aqueles que entram já com um relacionamento construído, o que também é muito bom, e nada impede que dê certo. ‘Dar certo’ não significa ficar junto, dar certo é descobrir a vontade de Deus.

Deus não é um carrasco que pede para acabarmos nossos relacionamentos. A não ser em casos extremos, por um bem maior e, mesmo assim, continuamos livres para fazê-lo ou não. Para construir um caminho de felicidade no relacionamento a dois é necessário olhar para a Comunidade como uma mãe que, em sua pedagogia, gera e acolhe casais em seus grupos. Daí a importância de ouvirmos bem o ensinamento de nossa mãe, que se dá, sobretudo, na vivência do Caminho da Paz, nos acompanhamentos pessoais, e em outras atividades. Na formação que esta mãe nos oferece está o bom alimento, o verdadeiro sustento para o nosso namoro. Namorados, olhem para a Comunidade como uma boa mãe que, a exemplo de Maria, sabe formar Cristo em nós!

Amizade como fundamento

O terceiro braço deste rio é a amizade. Não se pode compreender um relacionamento, um namoro, sem que este tenha nascido de uma verdadeira amizade, ou, pelo menos, visto que muitos começam de qualquer jeito, que se transforme em amizade verdadeira. É preciso cultivar a amizade com cumplicidade, verdade, sinceridade e transparência, deixando-se conhecer nas fraquezas e nas virtudes, expondo-se sabiamente ao outro, com castidade, virtude esta que tem o poder de tornar belo e agradável a Deus tudo o que toca. A amizade conduz o casal à castidade e esta é a verdadeira unidade de alma e coração. A unidade sempre será “a ponte que nos levará ao coração da obra” (Escrito no Coração da Obra em Unidade com o Carisma, 21).

Missão como objetivo

Somos um povo em movimento, uma obra missionária. Tudo em nós foi constituído para a missão. Assim, os três primeiros braços deste caudaloso rio nos preparam para vivermos bem este ‘novo’, que é a missão. Nosso namoro deve trazer o elemento missionário, devemos ser testemunhas de que a Ressurreição do Senhor nos coloca em movimento de santidade, evangelização, missão. Quando nos voltarmos para nosso namoro com olhar missionário, como pessoas enviadas pelo Ressuscitado para este mundo, nos tornaremos para este mesmo mundo um sinal de que é possível ser santo, de que não precisamos terminar nossos relacionamentos por razões pouco consistentes. Quando olharmos para nosso relacionamento com a ótica da missão, nossas crises acabarão, ultrapassaremos todas, pois não estaremos fechados em nós mesmos. É muito belo ver jovens que namoram, são apaixonados e não temem passar um ou dois anos longe um do outro porque um deles partiu em missão. Que testemunho para este mundo! Sem dúvida, estes serão os mais felizes!

Por que a imagem do rio? Porque a característica principal de um rio é ter águas correntes. Estas são sempre saudáveis, que fecundam e fazem brotar a vida por onde passa (Sl 1,3). Que o namoro seja santo e fecundo, seja um caudaloso rio de quatro braços. Shalom!

Rafael Brito

belo é o amor humano

No livro “Belo é o amor humano”, a cofundadora da Comunidade Católica Shalom, Emmir Nogueira, aborda a vivência dos estados de vida (matrimônio e celibato), tendo por base o magistério da Igreja. Adquira seu exemplar aqui.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *