Formação

Não no tempo dos filhos!

Depois do Vaticano II, quando as portas da Igreja se escancararam para o protagonismo dos leigos e suas famílias na evangelização do mundo moderno inseridos em sua escola, trabalho e lazer, o dilema de que tempo consagrar a Deus e que tempo dedicar ao trabalho, à família e ao lazer começou a ser fonte de todo tipo de culpa.

Se o trabalho se torna mais exigente e me rouba algumas “horas extra”, culpo-me por não estar com meus filhos ou não estar no meu ministério. Já imagino as crianças traumatizadas, nas drogas, grudadas nos games ou na TV, futuros adultos medíocres e inseguros a arrastar-se indiferentes pelo mundo. E o culpado? A culpada? Eu, é claro!

Se é o apostolado que me arranca de casa em finais de semana de eventos em noites de serviço, já vejo meus pimpolhos a odiar a Deus, a ter ciúmes dele, revoltados contra este ladrão de pais e mães. Imagino-os mudando de religião, resistentes à fé, refratários à verdade. A culpa, naturalmente, é minha.

A culpa me engasga quando estou de saída e as crianças se grudam em minhas pernas com seu choro ora chantagista, ora desesperado. Tira meu sono quando, ao chegar, vejo todos dormindo. Tira meu sossego quando constato que ninguém responde ao meu animado “Oi pessoal!”, grudados que estão na TV que tanto condeno, dentro e fora de casa.

Quando meu pouco tempo deve-se ao excesso de trabalho ou estudo (sim, também o estudo pode ser excessivo!), a culpa é minorada pela estóica desculpa: “Estou-me esforçando para dar-lhes o melhor!” Mas quando meu pouco tempo deve-se ao apostolado, não encontro nenhuma desculpa-clichê que se adeqüe. Resultado: caio mais facilmente na culpa e, lançando mão de um mecanismo de defesa, acuso a Igreja, o movimento, a comunidade, o padre, o coordenador.

Madre Teresa de Calcutá, com a simplicidade dos santos, resolveu facilmente este problema com a seguinte fórmula, que costumava recomendar aos seus “colaboradores leigos”: “Se você quer servir os pobres, se quer trabalhar em minha obra, retire para os meus pobres e doentes do seu próprio tempo e não do tempo dos seus filhos”.

Não é espantosamente simples e prático? Não é sumamente libertador de todas as culpas? Por uma questão de justiça, há um tempo para tudo, como ensina Eclesiastes 3. Há um tempo para mim, há um tempo para meu cônjuge, há um tempo para meus filhos. Em qual categoria se encaixa o trabalho, o estudo, o cabeleireiro, a TV, a happy hour com os colegas de trabalho? Em qual categoria se encaixa o ouvir, o dar atenção, o partilhar, o planejar, o sonhar junto? Qual a categoria do rir, do brincar, do sarar o dodói, de corrigir e orientar?

Fácil responder. É daí, do tempo legitimamente separado para você que você deve tirar para seu ministério. Como no serviço à família não tem patrão nem relógio de ponto, nossa tendência é “roubar” o tempo dela. No entanto, o tempo dedicado ao apostolado, ao ministério, não pode ser tempo roubado. Deve, necessariamente, ser tempo doado. Tempo que eu tiro daquele a que tenho direito e livremente dou para o serviço aos outros.

Há também o tempo que livremente minha família decide doar para o serviço ao outro. Lembro-me de quando o meu caçula tinha cerca de cinco anos. Ao rezarmos o terço em família, a irmã ofereceu o mistério “para a viagem da mamãe amanhã, que ela faça uma boa pregação”. A reação do menor foi imediata. Recusou-se terminantemente a rezar aquele mistério porque não queria que a mamãe viajasse mais uma vez.

Foi então que eu – e Deus – recebemos um dos maiores presentes de nosso trabalho juntos. Com muita calma, meu marido foi claro: “Deus chamou a mamãe para esta missão e nós queremos que ela a cumpra. O parte dela é pregar. A nossa parte é rezar por ela e ficar alegres em casa sabendo que a estamos repartindo com Deus para fazer outras pessoas felizes.”

Estava resolvido o problema. Extinta a culpa, solucionado o dilema. Minha família, nos mistérios seguintes do terço, já não era mais a mesma. Não havia mais divisão de quem fica e quem vai. Todos iriam, cada um a seu modo. Haviam entendido que a família inteira é chamada a evangelizar, cada um ao seu modo, no seu ministério, como diz São Paulo em 1Cor 12. Naquela noite, havíamos nos tornado, verdadeiramente, uma igreja doméstica, sonho do Vaticano II, orientação de João Paulo II, esperança da Igreja.

Ao longo de minha caminhada de 30 anos, tenho entendido que há um só amor, uma só missão, um só tempo. O amor a Deus não compete com o amor ao cônjuge e aos filhos que, por sua vez, não compete com o amor àqueles que meu ministério atinge. É um só amor que se manifesta de várias formas, conforme a legítima necessidade de cada um, cuja satisfação me pede um serviço a que se chama ministério ou exercício de um carisma.

Casar-se, como bem diz São Paulo, é um carisma. O exercício deste carisma, selado pelo sacramento, é um ministério que se exerce no serviço amoroso aos filhos e ao cônjuge. Este carisma e ministério convive em harmonia e jamais compete com outros serviços e ministérios que Deus deu a mim como pessoa e à minha família como Igreja Doméstica. Pelo contrário, são complementares e alimentam-se mutuamente.

Assim como há um só amor, também há um só tempo: tempo de amar a Deus, como explica Santa Teresinha. O tempo dividido me esquarteja. Unificado, me unifica e unifica minha missão que é uma só: amar a Deus e ao meu irmão segundo a Sua vontade, lembrado que meu irmão se chama marido, filha, filho, genro, nora, pai, mãe, sogro, sogra, cunhados e vizinhos, colegas de trabalho e porteiro. Lembrada, igualmente, que ele se chama ouvinte de uma pregação, leitor de um artigo, espectador de um DVD, ouvinte da rádio, formando, pessoa necessitada de oração, enfermo, pobre, pessoa que me bate à porta, pessoa que nunca ouviu falar o nome de Jesus.

Há um só amor, um só tempo, uma só missão, uma só família, uma só Igreja. Quando entendermos isso, saberemos discernir qual é o tempo que nos pertence e do qual podemos dispor para doar com gratuidade e alegria. Saberemos também como motivar nossos filhos e cônjuges para dizerem “sim” à mesma missão e à mesma Igreja, ao mesmo Deus.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *