Formação

Não sabemos o que pedimos

Ser missionário é ir ao encontro da cruz em todos os tempos. Sem a cruz não se pode anunciar a Palavra de Deus, que chega a nós como anúncio da verdade e do amor num mundo cada vez mais doente de orgulho e de pecado. Os cânticos do servo sofredor são programa de vida para todos, mas especialmente para os missionários que são chamados a não carregar somente a própria cruz, mas a cruz de toda a humanidade. O que leva o missionário a partir, a anunciar o Deus vivo? É o amor para que a Boa-nova seja proclamada em todos os recantos do mundo. O sofrimento, para o missionário, não é um castigo, mas sim uma honra, identificar-se com Jesus nunca pode ser considerado um castigo, não há servo maior que o seu senhor. O missionário servo oferece a sua vida para a salvação de muitos, que na linguagem mística quer dizer todos; nenhum pode ser excluído do amor de Deus, mas todos são incluídos, quer queiram quer não queiram. A cruz santifica o trabalho missionário, o missionário não leva riqueza, cultura humana, mas Jesus, síntese de todas as riquezas divinas e humanas. Quem encontra Jesus encontra a chave para se libertar da escravidão dos outros e das coisas e começa um caminho de libertação. A morte do justo é vida e a noite do justo é a luz que nos faz ver o futuro com a esperança que vem do alto.

Jesus sumo sacerdote cura as feridas


Como é belo seguir os passos do autor da Carta aos Hebreus, que nos ajudam a passar do antigo sumo sacerdote, que ficava responsável somente por um tempo, ao tempo de Jesus sumo sacerdote que entra no templo para sempre e oferece a si mesmo por nós. Do pequeno texto de hoje podemos evidenciar três mensagens importantes para a nossa vida:

       1.

          Jesus cura as nossas feridas do pecado e nos dá uma vida nova de salvação e de amor. Ele que não se envergonha de ser nosso                      irmão que veio do Céu para ficar no meio de nós e fixar a sua tenda entre nós.

        2.

          Tendo passado a tenda humana e entrado na tenda do Céu e para sempre isso manifesta a sua divindade e agora está sentado à                    direita de Deus como nosso intercessor de misericórdia e de amor.

       3.

           Tendo experimentado tudo, exceto o pecado, Ele que é sem pecado, carregou as nossas feridas e sofrimentos por amor a nós e nos               ensina como acolher a dor, o sofrimento não como castigo, mas como participação da redenção. Jesus sumo sacerdote nos dá                       alegria e esperança que podemos nos apresentar diante de Deus sem medo, porque ele é nosso advogado, intercessor e mediador                 de tudo. Em Jesus, com Jesus e por Jesus foi derrotado para sempre o medo de Deus.

Não sabemos o que pedimos


É necessário, para sermos missionários no estilo de Jesus, nos matricularmos na sua escola, escutarmos a Sua palavra e imitá-lo, ver como ele faz e fazê-lo também nós, não como papagaios, mas com profunda convicção pessoal. Ele ama, lava os pés, cura, perdoa, e nos também devemos fazer o mesmo no seu jeito e aí experimentamos uma alegria imensa de ocupar o último lugar, porque o escolhemos. Teresinha do Menino Jesus, padroeira das missões, escreveu e viveu esse desejo: “escolherei o último lugar, que nunca me será tirado”. Para sermos felizes devemos escolher o último lugar, com coração alegre e feliz, sem nos queixar. Nunca devemos nos queixar do que nós escolhemos, porque cremos que é o que nós merecemos. Leiamos com atenção esta página do mestre Jesus para aprendermos quatro lições:

  1. Quem busca o poder não sabe o que pede, se dá mal, porque não o fará bem e os outros não o aceitariam. O poder é sempre motivo de briga, o serviço é sempre motivo de alegria, pois mais humildes e felizes somos quando estamos servindo.
  2. Não devemos nos comportar como os ditadores, que dominam, oprimem e não tocam nem com um dedo, precisam de servos para tudo, querem reverência e não dão respeito. Era assim nos tempos de Jesus, e é assim hoje e o será amanhã se não tivermos fé e amor.
  3. Queremos ser grandes segundo o Evangelho? É fácil, é só servir, servir e servir gratuitamente…. Eu vim para servir e não para ser servido.
  4. Precisamos tomar também nós o caminho de Jerusalém, lugar de sofrimento, de luta e de glória para quem ama a Deus. Mas não se pode ficar só em Jerusalém, é necessário ir até o calvário onde tudo será consumado no amor e por amor. Jesus é nosso modelo de mestre, é só com Ele que podemos caminhar, não na busca de honras, mas de serviço e de amor”.

Oração


Podemos beber o cálice? Sozinhos nunca. Com Cristo sempre. O cálice do desprezo, da marginalização, do nada, da cruz… Com Cristo todos estes cálices são doces e fortalecem a nossa vida.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *