Igreja

Novo ataque contra igreja em Burkina Fasso e a dor do Papa

Em um tweet Papa Francisco escreve a sua dor pelo ataque dos jihadistas que escolheram novamente o domingo para semear terror e massacrar os fiéis durante a Missa. Em Burkina Fasso os terroristas massacraram um sacerdote e cinco fiéis durante a celebração da missa matinal e depois incendiaram o edifício

“Papa Francisco recebeu com dor a notícia do ataque à igreja de Dablo, em Burkina Fasso. Ele reza pelas vítimas, seus familiares e por toda a comunidade cristã do país”, assim referiu o diretor interino da Sala de Imprensa da Santa Sé, Alessandro Gisotti, a respeito do atentado ocorrido em Dablo, na manhã do domingo, 12 de maio.

A dor das testemunhas

A Missa tinha começado há pouco na paróquia do Beato Isidoro Bakania em Dablo, no norte do país, quando um comando de 20 jihadistas, chegaram a bordo de motos, e circundaram a igreja. É o terrível testemunho, segundo a agência de notícias Ansa, do ataque à igreja, obtido de fontes locais.

O objetivo, explicam as fontes, era o sacerdote burkinabé, Abbé Siméon Yampa, 34 anos, encarregado do diálogo inter-religioso na sua diocese: quando alguns tentaram escapar, os terroristas foram atrás e atiraram. Depois, dentro da igreja, fizeram todos deitarem no chão e escolheram cinco deles e os mataram. A sangue frio, sem piedade.

Os terroristas incendiaram a igreja   

Os terroristas, declarou o prefeito de Dablo, Ousmane Zongo, “incendiaram a igreja para depois assaltar um ambulatório e incendiar também este”. A cidade entrou em pânico, as pessoas ficaram dentro de suas casas e todas as atividades comerciais ficaram fechadas. Em seguida, foram enviados militares de Barsalogho, cidade vizinha a 45 quilômetros, que rastrearam a localidade durante todo o dia.

Em 29 de abril tinha sido atacada uma igreja protestante

Em 29 de abril passado, o terrorismo islâmico tinha atacado outra igreja, também no domingo e durante uma celebração. Na ocasião, mataram um pastor protestante e cinco fiéis na localidade de Silgadji, a 60 quilômetros de Djibo, capital da província de Soum.

Os atentados dos jihadistas na região de Sahel causaram 350 mortes

Desde 2014, a França convocou 4.500 militares na zona do Sahel, dentro do programa de operações anti-jihadistas Narkhane – em colaboração com os países do G5 Sahel (Burkina Fasso, Chade, Mali, Mauritânia e Níger) – mas sem chegar aos líderes de organizações como Ansaroul Islã, o Estado islâmico do grande Sahara, o grupo de apoio ao islã e aos muçulmanos, que desde 2015, apenas em Burkina Fasso, causaram pelo menos 350 mortes.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *