Formação

O Celibato na Vocação Shalom

Confira o Especial Celibato Shalom

“Com efeito, há eunucos que nasceram assim, desde o ventre materno. E há eunucos que foram feitos eunucos pelos homens. E há eunucos que se fizeram eunucos por causa do Reino dos Céus. Quem tiver capacidade para compreender, compreenda!” (Mt 19,11-12).

Baseados nestas palavras de Jesus, muitos homens e mulheres se propuseram desde os primórdios da Igreja a abraçar voluntariamente uma virgindade ‘por causa do Reino’. Testemunhas disso são as chamadas “virgens consagradas”, presentes já na Igreja Primitiva, e o próprio apóstolo Paulo, que em 1Cor 7,25-40 testemunha e aconselha o celibato aos seus discípulos.

Com o caminhar da Igreja ao longo dos séculos, o “celibato consagrado” foi tomando corpo nas diversas formas de vida consagrada. Assim, surgiram os eremitas, os monges cenobitas, os Institutos de Vida Religiosa, os Institutos de Vida Secular, as Sociedades de Vida Apostólica, entre outras.

Também na vocação Shalom, “o Senhor chama muitos à doação total do seu coração, corpo e tempo a Ele, à Obra e aos irmãos, através do celibato consagrado. Estes irmãos são membros legítimos da Comunidade e têm os mesmos direitos e deveres dos outros membros. Assumem o voto de castidade através do celibato vivido na continência perfeita, abraçada voluntariamente em favor do Reino de Deus. Esta é uma oblação, um sacrifício de louvor agradável a Deus, que gera grande fecundidade espiritual e apostólica no interior da Comunidade” (ECCSh, 157).

O celibato consagrado encontra sentido no fato de ser abraçado ‘pelo Reino’. Assim, ele não é de forma alguma algo negativo. O celibatário não é alguém que simplesmente renuncia ao amor conjugal, mas é antes alguém que se propõe a amar mais a Deus e aos seus irmãos, abrindo mão de um amor exclusivo por uma pessoa. Dessa forma, o celibato não é a negação da afetividade e da sexualidade, antes, ele constitui um redirecionamento dos mesmos.

No interior da Comunidade, o celibato consagrado é o reflexo da Pessoa do Espírito Santo, e atua “como instrumento de fecundidade e poder espiritual para toda a Comunidade (amor-santificação)” (ECCSh, 144). A oferta silenciosa da vida de um celibatário é fonte de vida no Espírito para a Comunidade e para a humanidade inteira. Os frutos muitas vezes são imperceptíveis aos olhos humanos, mas sabemos na fé que não é vã a vida de alguém que se entrega plenamente a Deus e ao serviço da sua vinha, não buscando nada em troca, a não ser o próprio Deus.

“Os irmãos chamados a esta graça, privilegiem em suas vidas o amor e a dedicação ao Senhor, por quem, renunciando a tudo, se entregaram. Busquem provar este amor por uma fecunda dedicação aos outros, transbordando o amor universal devido a todos os homens. Por força do chamado que o Senhor lhes fez e em razão de sua generosa resposta, sejam sinais desta doação total a Deus e aos irmãos, na caridade fraterna e no apostolado, não buscando privilégios nem comodidades, mas almejando ser uma oferta agradável ao Senhor” (ECCSh, 158).

“De uma maneira particular sejam os celibatários um sinal e exemplo de uma adesão incondicional aos conselhos evangélicos da pobreza, da obediência e da castidade, abraçando-os pela profissão dos votos e vivendo-os no espírito da vocação. Sejam para todos os irmãos um sinal escatológico, manifestando desta forma a supremacia das realidades eternas sobre as transitórias deste mundo” (ECCSh, 159).

 Formação: Novembro/2013

12.07Pregação: Moysés Azevedo
Tempo de Duração: 80 min
Idioma do Áudio: Português
Livre para todos os públicos

Adquira o seu [AQUI]


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. O celibato, é um Dom de Deus, uma graça de Deus aos que foram eleitos e chamados a serem celibatários a este mundo onde os jovens só se realizam no sexo e no prazer.

  2. Quem recebe do Pai este chamado, na verdade o descobre na sua identidade mais profunda, está na sua essencia e so o Pai pode conduzir aquele que o chama e criou para ser a descobrir e entender que nasceu para este tao grande chamado, pois ate mesmo para quem o descobre, e um misterio de Amor, que so o Amor pode responder e convencer. Descubro que so este Amor me sacia, me completa, onde compreendo que o amor humano me complementa, que fui criada para o pleno Amor Divino sem precisar me unir com um homem.

  3. QUERIDOS HERMANOS
    EL CELIBATO ES UNA RESPUESTA DEL HOMBRE/MUJER AL LLAMADO DE DIOS
    POR TANTO ES UNA GRACIA, UN DON, UN REGALO
    ES SIGNO DEL SEGUIMIENTO DE JESUS DE MANERA RADICAL
    NO ES UNA IMPOSICION, SE HACE DE MANERA LIBRE Y GENEROSA A DIOS
    UN ABRAZO
    CAROLINA ESPINOZA D.
    POSTULANTE
    COMUNIDAD DE ALIANZA
    SHALOM SANTIAGO DE CHILE
    COMUNIDAD CATOLICA SHALOM

  4. Leiam a Bíblia e interpretem a verdadeira palavra de forma correta não interpretem de forma para atender seus interesses

    1º não foram palavras de Jesus foram palavras de Paulo, que ele diz em 1 Coríntios 7:23-26

    Fostes comprados por bom preço; não vos façais servos dos homens.

    Irmãos, cada um fique diante de Deus no estado em que foi chamado.

    ¶ Ora, quanto às virgens, não tenho mandamento do Senhor; dou, porém, o meu parecer, como quem tem alcançado misericórdia do Senhor para ser fiel.

    Tenho, pois, por bom, por causa da instante necessidade, que é bom para o homem o estar assim.

    O que Paulo que dizer no versículo 25, Refente as virgens eu não tenho nenhum mandamento do Senhor, mais eu Paulo devido as presentes circunstancias e bom que vocês continuem assim.

    Conclusão: o celibato não foi mandamento instituído por Deus, foi instituído por Paulo devido as circunstancia do momento.

  5. O Celibato é uma vocação, isto é, parte de um chamado Deus e de uma resposta livre daqueles que o sentem. As vezes não é fácil esse entendimento.

    Especialmente quando estamos mergulhados numa sociedade na qual o sentido da sexualidade é deturpado e muito se confunde sexualidade com genitalidade. Aos olhos humanos, o celibato se torna algo impossível. No entanto, a graça de Deus nos socorre e nos faz perceber que, de fato, o celibato é algo divino sem deixar de ser humano. Divino porque vem de Deus, e somente em Deus pode ser compreendido. Humano, pois é um chamado a homens e mulheres de verdade, de carne e osso, que apesar dos desafios comum a todos, descobrem neste chamado uma fonte inesgotável de FELICIDADE….

    Felicidade não autosatisfação!! Felicidade não é a busca do próprio prazer!!!

    O Vontade de Prazer é na verdade um estraga prazeres! (Viktor Frankl)

  6. PREgam o celibato mas nao conseguem tirar a mente do sexo nas noites,Meu r irmaos, PROBIIR o sexo a pessoas é antibilbico. O CAtolicismo tem sede e sanha por proibir o sexo dentro do casamento as pessoas como se o celibato fosse algo que levasse a salvação ..

    1. Quem puder entender entenda diz a palavra!
      O Catolicismo não impoe nada… tudo é de livre e espontanea vontade inclusive o SACRAMENTO DA ORDEM. Ninguem diz vire padre ou morre! fiquevirgem ou morre é bom conhecer pra poder falar com conhecimento.