Institucional

O embrião humano é pessoa?

woman-child-doctor-hospital

O embrião deve ser defendido como ser humano, pois o aborto é contrário à lei moral

Vivemos em um mundo materialista, onde somente o visível e mensurável é real, um mundo onde a vida é compreendida somente do ponto de vista biológico. O homem não é nada mais que um amontoado de células vivas. Para este, sim, o embrião humano não é uma pessoa, mas para aqueles que entendem que a pessoa humana é muito mais que tecidos, órgãos e funções, o embrião humano é uma pessoa feita à imagem e semelhança de Deus.

Quando começa a vida humana?

Dependendo da resposta que dermos a essa pergunta, justificará a manipulação de embriões, sobretudo, no que toca à utilização das células-tronco embrionárias. Essa pergunta norteia e define o momento em que podemos dizer que o embrião humano é pessoa.

A genética esclarece que, desde o momento da fertilização, ou seja, da penetração do espermatozóide no óvulo, os dois gametas, a partir desse momento, formam uma nova entidade biológica, o zigoto. Constitui assim, uma nova vida individual, ou seja, independente da dos pais. Assim que esse evento acontece, dá-se início a uma cadeia de atividades que mostram com evidência que não se trata mais de dois sistemas agindo simultaneamente, mas de um somente, o zigoto. Esses dois gametas, diferentes entre si, diferentes das células somáticas dos pais, mas complementares entre si, uma vez unidos, ativam um novo projeto programa, pelo qual o recém-concebido fica determinado e individualizado. (SGRECCIA, Elio, p. 434-435).

Pelo fato de o embrião humano possuir características próprias e autônomas, tranquilamente podemos tirar conclusões acerca de seu valor ontológico. Não se trata mais do ser da mãe; agora, é um novo ser, possui personalidade humana, mesmo estando em desenvolvimento. O mais importante é perceber que se trata de um novo indivíduo humano.

A visão da Igreja e a lei moral

O Catecismo da Igreja Católica descreve que, desde a concepção, o embrião deve ser defendido como outro ser humano, e retrata que o aborto é contrário à lei moral. “Não matarás o embrião por aborto e não farás perecer o recém-nascido […]. Visto que deve ser tratado como uma pessoa desde a concepção, o embrião deverá ser defendido em sua integridade, cuidado e curado, na medida do possível, como qualquer outro ser humano”. (CIC 2271-2273).

O salmista descreve: “Ainda embrião, teus olhos me viram e tudo estava escrito no teu livro; meus dias estavam marcados antes que chegasse o primeiro”. (Sl 139,16). O salmista se expressa “ainda embrião, teus olhos me viram”. O salmista não diz depois de adulto teus olhos me viram e sim ainda embrião. Eu e você que agora lê este artigo, antes de sermos adultos, fomos um embrião, ou seja, houve antes o encontro do espermatozóide do nosso pai com o óvulo de nossa mãe. A partir desse momento, começamos a existir. Todas as pessoas, mesmo aquelas que nasceram mediante a fecundação artificial, existem a partir da fecundação. Como podemos dizer que não é pessoa a partir da fecundação?

Uma coisa impressionante, na verdade, absurda. Após 24h, a fecundação in vitro, isto é, a fecundação que acontece fora do útero da mulher, a ciência consegue dizer para os pais se aquele embrião é homem ou mulher, inclusive escolher a cor dos olhos. Vale uma pergunta: Como é que eles pedem para os pais escolherem o sexo do bebê, isso com 24h de fecundação, e afirmarem que ainda não é uma pessoa? Se não é uma pessoa, como pode ser escolhido o sexo?

Fonte: Canção Nova


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *