Mundo

O que fazer diante do terrorismo e da violência que assolam o mundo?

atentadosDiante do que aconteceu na última sexta-feira em Paris, um atentado não apenas à nação francesa, mas ao mundo inteiro, fica uma pergunta para nós, cristãos: qual deve ser a nossa postura diante dessas atrocidades que tem acontecido com tanta frequência ultimamente? O que devemos fazer de concreto para barrar essa onda de violência, de ódio, morte e destruição do homem? O que fazer concretamente, como cristãos, para barrar tudo isso?

Antes de tudo, devemos lembrar o que nos diz Jesus Cristo no Evangelho de São João, capítulo 10, versículo 10: “O ladrão veio para roubar, matar e destruir”. Essa tem sido a tática, a ação do inimigo desde os tempos de Adão e Eva. É isso que tão fortemente presenciamos ao nosso redor, no mundo em todas as esferas da nossa sociedade, no meio dos jovens, nas famílias. Diante da terrível e constante onda de atentados terroristas, ficamos perplexos, sem palavras, são despertadas dentro de nós dor, comoção e uma certa raiva, revolta por aqueles que a promoveram. É notório que a violência aumentou expressivamente em nossa sociedade, no mundo de modo geral nos últimos tempos. Percebe-se que o mal tenta se fortalecer a cada dia. Percebemos, por trás disso tudo, um espírito de ódio, raiva, destruição, que tem tomado conta de muitos corações, povos e nações. Espírito que deseja acabar, destruir aqueles a quem o Senhor Deus criou à sua imagem e semelhança.

Esse inimigo terrível tem um nome: demônio ou satanás. Ele tem um terrível ódio pelo homem. Ele não aceita o fato de que o nosso Deus tenha nos tenha criado à imagem e semelhança. Ele não aceita o fato de que Jesus se fez carne e habita entre nós. Ele não aceita o fato de sermos amados infinitamente por Deus. Ele não aceita o fato do criador ter escolhido uma criatura, uma mulher para ser mãe do verbo que se encarnou. Ele não aceita em hipótese alguma o amor, a misericórdia e a compaixão do nosso Deus por nós, pobres mortais. Diante dessas verdades, ele tem agido desde o começo da história humana com ações concretas para destruir o homem. Isso explica as guerras, os atentados, o aborto, a pena de morte, os conflitos entre povos e nações, o tráfico de pessoas, o narcotráfico, a prostituição infantil, a legalização das drogas, as chacinas e toda e qualquer ação para destruir a vida do homem nesta terra.

Diante dessa realidade tão forte e visível aos nossos olhos, antes de tudo devemos olhar o nosso interior e perceber como anda nossa comunhão com o Senhor. Como anda minha comunhão com meus irmãos, minha família, amigos, pessoas com quem estudo, trabalho, convivo? Como anda minha conversão diária? Temos, com o auxílio do Espírito Santo, permitido que nosso coração se converta a Jesus, o príncipe da Paz? Essa é a melhor maneira de combater o mal que nasce dentro de nós, e que facilmente e velozmente se propaga ao nosso redor.

Temos que olhar para o mundo, para esses acontecimentos com um olhar de compaixão e misericórdia por aqueles que estão sofrendo. Precisamos ter o mesmo olhar de Jesus, que olha o homem com amor, misericórdia. Temos que ter muito cuidado para que o nosso coração não se encha de ira, raiva e ódio por aqueles que cometem atos bárbaros. Nossa postura precisa ser de cristãos e não de pagãos. Nossa resposta diante de tudo isso, por mais terrível que seja a situação, por mais que se despertem dentro de nós raiva e revolta, deve ser a oração, a compaixão e a misericórdia. Os que promovem atrocidades e incitam o ódio contra seus semelhantes, não conheceram a Deus, não experimentaram do seu amor de Pai. Não foram evangelizadas. O Evangelho ainda não chegou até seus corações.

Qual deve ser nossa postura concreta diante de atos bárbaros como o que aconteceu em Paris na última sexta, dia 13, e que chocou o mundo? O que fazer como cristão para barrar o mal dentro e fora de nós? É possível fazer algo concreto? Sim, é possível. Seguem algumas ações concretas que devemos realizar diante de tudo isso:

1. Suplicar ao Senhor a graça constante do arrependimento de coração;
2. Buscar os Sacramentos. Em especial, a confissão frequente e a Eucaristia diária, se possível.
3. Adorar com mais frequência a Jesus Eucarístico.
4. Recorrer à intercessão materna de Nossa Senhora, a Rainha da Paz. Rezar o rosário, se possível diariamente, bem como o ofício de Nossa Senhora. Invocar a intercessão daquela que esmaga a cabeça da serpente. O inimigo tem medo e foge da presença de Nossa Senhora.
5. Fazer oração de intercessão. Usando da nossa autoridade de batizados, Igreja militante que somos, devemos orar com autoridade. Isso implica repreender todo e qualquer mal que age no mundo atualmente. Temos que usar da autoridade de Cristo Jesus e repreender, expulsar todo e qualquer espírito de morte e destruição. A oração de intercessão é muito importante e eficaz.
6. Jejuar com frequência. Fazer jejum em favor da paz, em favor das vítimas da violência, do terrorismo.
7. Vigiar o coração. Estar atento a tudo o que entra e sai do nosso coração. Mantê-lo sempre em comunhão com o Senhor e com o próximo.

Essas são ações concretas que devemos realizar como cristãos para promover a Paz. Ações regadas de muita misericórdia e compaixão. Ações de Paz e não de guerra. Nunca, jamais devemos pagar o mal com o mal. Nunca, jamais devemos deixar que o ódio tome conta do nosso coração diante de tais acontecimentos. Que Nossa Senhora, a Rainha da Paz, pacifique o nosso interior e cubra com seu manto todas as nações.

Vanilton Lima
Missionário da Comunidade Católica Shalom


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *