Igreja

O Santo Padre levará à África uma mensagem de paz e reconciliação

12208638_852961551478560_6641247704054884396_nO Vaticano confirmou: Quênia, Uganda e República Centro-Africana. Começa na próxima terça-feira e termina no dia 30. Os atentados de Paris não alteram a viagem

O Papa Francisco realizará do 25 ao 30 de novembro a 11ª viagem internacional do seu pontificado. Nessa passará por três países africanos: Quênia, Uganda e República Centro Africana.

Apesar das dúvidas sobre a última etapa da viagem, devido à forte onda de violência recente no país, o padre Federico Lombardi, diretor da Sala de Imprensa do Vaticano, confirmou que tudo permanece. Assim, explicou que o comandante da Gendarmaria do Vaticano, Domenico Giani, precederá o Santo Padre na viagem para verificar as condições de segurança.

Durante uma coletiva de imprensa esta manhã na sala de imprensa do vaticano, o porta-voz do Vaticano disse aos repórteres que os ataques em Paris na semana passada, não modificaram ou condicionaram o programa da viagem pontifícia ao continente africano.

Também indicou que o Santo Padre “quer levar uma mensagem de paz e reconciliação” a um lugar marcado por muitas “violências”.

A primeira viagem de um Pontífice à África foi em 1969, precisamente Paulo VI a Uganda. O Papa São João Paulo II, durante todo o seu pontificado, visitou 42 países africanos. Por sua parte, Bento XVI visitou Camarões em 2009 e Benin em 2011.

Quénia

Repassando as etapas e os encontros que Francisco terá nesses cinco dias de duração da viagem, recordou que no Quénia, haverá uma visita ao presidente Uhuru Kenyatta e às autoridades e corpo diplomático do país. Além disso, haverá um encontro inter-religioso e ecumênico, uma missa no campus da Universidade de Nairobi, em uma área onde há capacidade para um milhão de pessoas. Também se reunirá com o clero, religiosos e seminaristas. Visitará a sede das Nações Unidas, onde estão duas agêncdias da ONU e lá pronunciará um discurso em espanhol. Finalmente, irá a Kangemi, uma favela em Nairobi. Em seguida, irá para o Estádio Kasarani para se encontrar com os jovens, onde está previsto um testemunho de sobreviventes do massacre no campus da Garissa. O último encontro no Quênia será, em privado, com os bispos da nação.

Uganda

A segunda etapa da turnê Africana é Uganda. Primeiro, ele se reunirá com o presidente Yoweri Museveni, que governa há 30 anos. Sobre a visita a este país, o Pe. Federico Lombardi sublinhou que terá muita importância o tema dos mártires ugandeses. O Santo Padre visitará Munyonyo, onde foram condenados a morte estes mártires católicos e anglicanos. Seguindo com a temática dos mártires, o Papa irá também ao santuário dedicado a eles, depois de celebrar a missa no sábado, 28 de novembro.

Nessa tarde se encontrará com uns 100 mil jovens no Kololo Air Strip Kampala. Neste encontro, observou o Padre Lombardi, serão significativos os testemunhos, entre os quais estará o de um jovem que foi sequestrado por guerrilheiros quando era pequeno e o de uma jovem portadora do vírus HIV. Para finalizar as visitas em Uganda, o Santo Padre irá à Casa de Caridade de Nalukolongo, depois uma reunião privada com os bispos e concluirá com um encontro com sacerdotes, religiosos e seminaristas.

República Centro-Africana

A última etapa da viagem é a República Centro-Africana. Na chegada, Francisco visitará à presidente de transição, Catherine Samba-Panza, e, em seguida, terá um encontro com o corpo diplomático e a classe dirigente, onde pronunciará um discurso em francês, idioma que utilizará pela primeira vez em um ato público desde que é Papa. Em seguida, Francisco visitará um campo de refugiados. Também se reunirá no mesmo dia com os bispos, com as comunidades evangélicas, e celebrará a Missa com os sacerdotes, religiosos, religiosas e seminaristas. Nesse momento, o Santo Padre vai abrir a Porta Santa da Catedral de Bangui, em antecipação do Jubileu da Misericórdia. Para terminar o dia, o Papa Francisco confessará alguns jovens e abrirá uma vigília de oração. Na segunda-feira 30 de novembro, último dia, o Papa se encontrará com a comunidade muçulmana na mesquita central do Koudoukou em Bangui. Para concluir a viagem, vai celebrar a Missa no estádio de esportes Barthélémy Boganda.

Entre a comitiva que acompanha o Santo Padre na viagem, participa o Cardeal Pietro Parolin, secretário de estado, exceto na última etapa, porque ele tem de viajar para Paris para a reunião da COP 21. Também acompanha os cardeais Fernando Filoni, prefeito da Congregação para a Evangelização dos Povos, e Peter Turkson, presidente do Pontifício Conselho Justiça e Paz. Além disso, como é habitual em viagens papais, participará um trabalhador do vaticano, nesta ocasião se trata de uma mulher, Burkina Faso, que trabalha em uma das lojas do Governatorato.

Fonte: Zenit


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *