Formação

A influência russa nos ícones Shalom

“Tu divino Senhor de tudo o que existe, ilumina e dirige a alma, o coração e o espírito do teu servo. Guia suas mãos para que ele possa representar dignamente e perfeitamente a tua imagem, aquela da tua Santa Mãe e aquela de todos os santos, para a glória, a alegria e a beleza da tua Santa Igreja”. 

Com esta oração de tradição russa, o iconógrafo inicia o seu trabalho. Sua missão é pintar, melhor dizendo, escrever ícones. No Oriente cristão cresceu e se desenvolveu esta arte cheia de espiritualidade e beleza, hoje muito conhecida e praticada no Ocidente, encontrando, também, lugar privilegiado na liturgia, nos lares e na devoção particular.

A palavra ícone vem do termo grego eikon (imagem) e, na historia da arte, denomina uma pintura de gênero sagrado, que segue uma tradição de séculos, executada sobre madeira e geralmente portátil. Esta técnica antiguíssima utiliza materiais singulares, a saber: tempera à ovo, cola de coelho e peixe, pigmentos, gesso, entre outros.

Quando surgiram os ícones

Para alguns estudiosos, os precursores diretos dos ícones seriam os retratos de Fayum. Com pintura encáustica, em cera e pigmentos, se faziam os retratos dos imperadores bizantinos e romanos. Estes retratos eram pinturas naturalistas, mas com rostos de expressões vigorosas, idealizadas espiritualmente.

Uma outra tradição liga o ícone à imagem Aqueropita (não feita por mãos humanas) enviado pelo próprio Cristo a Abgar, rei de Edessa. A lenda conta que estando o rei leproso e, querendo curar-se, enviou uma delegação a Jesus que pregava na Palestina, suplicando-lhe uma intervenção miraculosa e um retrato. Cristo o ouviu e teria enxugado o seu rosto em uma toalha, deixando seus traços impressos nela. Esta seria a origem do Mandylion ou Verônica, relíquia muito venerada alguns séculos mais tarde em Constantinopla.

Muito difundida também é a tradição que atribui os primeiros ícones a São Lucas, que teria pintado a Mãe de Deus. Os ícones mais antigos que chegaram até nós vem do convento de Santa Catarina no Monte Sinai e outras localidades do Egito. Estes datam dos séculos V e VI.

O mistério torna-se visível

Nos séculos VIII e IX os iconoclastas – quebradores de ícones – empreenderam verdadeira perseguição ao feitio e culto dessas imagens. Foi um período sangrento e conflituoso, porém foi neste período difícil que se desenvolveu a teologia necessária para melhor compreende-los. O culto foi restaurado e reafirmado sua validade e importância.

O fundamento do ícone é a encarnação e o grande mistério que o ícone professa. “Porque o invisível tornou-se visível, tomando carne podes executar a imagem Daquele que foi visto. Porque reduziu-se à quantidade e a qualidade e revestiu-se das feições humanas, então pintamos (…) e expomos à contemplação Aquele que quis tornar-se visível” , afirma São João Damasceno, na sua defesa dos santos ícones. Sendo assim, o iconógrafo pode então pintar o rosto de Cristo, da sua Santa Mãe e de seus santos transformados em imagens, ícones d’Ele. O iconógrafo deve, portanto, através da oração, da leitura da Sagrada Escritura, prática dos sacramentos, ser dócil a ação do Espírito Santo, verdadeiro iconógrafo e realizar sua missão de tornar visível através de linhas e cores, o espiritual, o divino.

Na iconografia, tudo é repleto de denso simbolismo, através do qual se pretende inculcar verdades teológicas, conceitos da fé. As figuras são representadas de modo a exprimir um homem transfigurado: os rostos bronzeados, iluminados e expressivos; orelhas e bocas muito pequenas; olhos dilatados e penetrantes; a perspectiva é invertida, assim, aquele que contempla sente-se envolvido pela cena. As cores são radiantes, nunca são sombrias e tem um significado próprio. O ícone é todo luz, este é seu principal atributo, que simboliza a glória divina.

“Utilizem-se os ícones como parte da riqueza espiritual da Comunidade e, em tudo, se favoreça o seu conhecimento, veneração e difusão.” (ECCSh art. 46)

A Comunidade Shalom traz em sua espiritualidade uma veneração particular pelos ícones. O trecho acima, dos nossos estatutos, revelam o lugar privilegiado dos ícones na nossa Vocação, pois, por meio deles somos motivados à oração, à contemplação, a um mergulho nos mistérios de Cristo e na verdade do Evangelho. Aquele que contempla um ícone permite brotar de seu interior o desejo de ver a face de Deus e de ser transfigurado por Ele.

Auxílio espiritual

Ao celebrar a liturgia em nossas casas e nos eventos de evangelização, utilizamos os ícones das festas, dos santos, da Mãe de Deus, que são ornados com flores naturais, incensados, e são objetos de contemplação e veneração das pessoas. É maravilhoso contemplar a Palavra proclamada no ícone. Este completa o anúncio do mistério celebrado. Vale lembrar que o ícone depois de bento, é um sacramental, um sinal de graça, podendo, pela veneração, ser auxilio na vida espiritual do cristão que o utiliza e contempla com respeito e com fé.

Os ícones também chegam nos nossos lares. O Cristo crucificado e ressuscitado e a Mãe de Deus nos oratórios familiares lembram o “ângulo belo” das casas cristãs russas. Aqui a família se reúne para rezar ante os ícones. Tivemos a alegria de, por ocasião do Reconhecimento Pontifício, presentearmos o Santo Padre Bento XVI, com um ícone feito por nos da Comunidade Shalom, retratando Cristo, Maria e São Pedro (Mistério petrino e mariano da Igreja). Este acontecimento foi uma benção e uma graça para a Comunidade e para a nossa missão.

Acolhendo o dom que Deus em sua infinita bondade nos confiou, procuramos servir com alegria e temor à Comunidade e à Igreja, através da arte dos ícones. Ele nos tem agraciado com irmãos e irmãs que se dedicam a este serviço de beleza incomparável. Somos evangelizadores, anunciadores da Palavra. Servimos, comunicamos e cantamos a glória de Deus através de nossos ícones. Shalom!

Presenteie também com ícones Shalom

Guadalupe Monteiro Cabral


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    1. Olá, Paola. Você pode adquirir em qualquer livraria Shalom, ou ainda, fazer encomendas aos Discípulos de Pacajus (discipuladopacajus@comshalom.org). Deus abençoe, Shalom!