Formação

Os nomes de Jesus e de Maria

Uma das passagens das Regras que mais levávamos a sério nos primeiros tempos era esta de ter os nomes de Jesus e Maria sempre em nossos lábios e corações. Interessante é que não fazíamos um esforço desmesurado para isso. Quase que naturalmente, cumpríamos este que é um dos poucos exercícios espirituais explícitos indicados pelas Regras e Estatutos.A razão é simples: éramos apaixonados por Jesus; éramos apaixonados pela vocação e, portanto, Jesus e a vocação eram nossos assuntos favoritos.

Para nós não constituía esforço estar sempre com uma jaculatória nos lábios, estar sempre pensando e falando de Jesus e de Maria.Aos poucos, para alguns – felizmente não para todos – foi-se desvanecendo a prática deste exercício e, com ele, foram desaparecendo as conversas espirituais, as partilhas de oração, os encantamentos com os milagres que aconteciam a cada dia. Foi enfraquecido o louvor, foi abalado o uso dos carismas e ameaçada a fraternidade e unidade porque outros nomes ocupavam nossos lábios e corações.Pouco a pouco, fomos deixando de falar de oração e de partilhar nosso estudo bíblico e oração pessoal, correndo o risco constante de nos centralizarmos em nós mesmos e não em Deus.

Muitos, até, se esqueceram de como é que se faz para trazer os nomes de Jesus e de Maria sempre nos lábios e no coração.O que significa, afinal, esta prática? Como é que se vive isso, concretamente?

Ter os nomes de Jesus e de Maria nos lábios e no coração significa, entre outras coisas:

 – Ter um coração centrado em Deus e em Suas maravilhas. Por isso a presença de Maria. É por ela e nela que vemos e vivenciamos as maravilhas que o Senhor fez em nós.

 – Ter um coração aberto ao louvor e à ação de graças.

 – Fugir, com todas as forças, da murmuração, refugiando-se no louvor. – fugir, com todas as forças, do julgamento, crítica, maledicência, fofoca, calúnia, refugiando-se na benção. – procurar, de todo o coração, viver a primazia da graça. – proclamar, sem medo e com simplicidade, o senhorio de Jesus e a amizade e sadio culto a Maria.

 – Interceder constantemente por aquilo que é da vontade de Deus e intenção de Maria, ainda que nem sempre se tome consciência disso.

 – Associar-se a toda Eucaristia celebrada naquele momento, às intenções do Santo Padre e do fundador.

 – Associar-se às necessidades dos moribundos e aflitos que precisam de paz

 – Fortalecer os que passam por provas na vocação.

 – Unir-se, de coração, mente e palavra, à Porta do Céu, Esposa do Espírito e Rainha da Paz.

 – Unir-se à Porta do Céu através do louvor constante à Trindade, dizendo com nossos lábios os atos de amor que brotam de nosso coração: “Trindade Santa, eu vos amo!”, por exemplo. A Porta que leva ao céu nossa oração e que traz do céu a graça, agirá em nosso favor e fará crescer em nós a fé, a esperança e a caridade.

 – Unir-se à Esposa do Espírito pela invocação constante do Espírito de Deus, invocando-o constantemente com nossos lábios e coração: “Vem, Espírito Santo! Dá-me sabedoria, prudência, viver a vocação, etc.” A Esposa do Espírito intercederá em nosso favor e fará crescer em nós o Amor Esponsal. – unir-se à Rainha da Paz em favor da implantação do Shalom nos corações: “Rainha da Paz, dá-nos a Paz, dá-nos o Príncipe da Paz”. A Rainha ministrará a Paz a nós e a todos os que dela necessitam.

– Unir-se ao amor e admiração de Jesus por sua mãe: “Maria, cheia de graça, tu és bendita!”, “Maria, minha mãe, protege-me”, “Maria, une ao teu sim o meu sim”, “Maria, obrigado pelo teu sim”, etc.

– Fazer atos de fé, de esperança e de amor a Deus: “Jesus, eu te amo!”, “Trindade Santa, eu me entrego a ti”, “Pai, eu confio em ti”, “Jesus, eu espero em ti”, “Espírito, acende em mim o fogo do amor”, “Jesus Cristo, Filho do Deus Vivo, tem misericórdia de mim, pecador”, etc. Estaremos, assim, sempre unidos a Ele. Há, ainda, uma outra pergunta: se a boca fala do que o coração está cheio, porque o Fundador falou primeiramente dos lábios e só depois do coração? A meu ver – e esta é uma visão pessoal- para enfatizar o fato de que se trata de um exercício espiritual, de uma prática explícita de piedade, de um ascético ato de vontade e de uma oração vocal que, aos poucos, se torna mental.

 Este exercício é, como todo exercício espiritual, ascético, isto é, de purificação, de preparação para a oração profunda, meio para estar sempre unido a Deus em oração, em pensamento e em palavras, explícito desejo de não cair em tentação, ato de humildade de quem se proclama pequeno e necessitado do auxílio de Deus a todo instante. O fato de ser uma oração vocal evoca a humildade, a pequenez, a minoridade, a verdade de sermos vasos de argila. Este pequeno e simples exercício espiritual, além do mais, mantém-nos em constante estado de oração e escuta de Deus e nos dá um coração atento ao interior, com a atenção focada no Amado, esquecido das criaturas, o que, evidentemente, nos ajudará a conhecer a vontade de Deus em cada instante e ter força para executá-la.

É, em nossa vocação, uma maneira simples de cumprir a recomendação de São João da Cruz para quem deseja ter sadia e robusta vida espiritual:Esquecimento do criado,Memória do Criador,Atenção ao interior,Estar amando o Amado. Ultimamente, graças a Deus, voltamos a ver um número crescente de pessoas na Comunidade e na Obra com seus terços na mão, a rezar o rosário ou jaculatórias. Aumentam, também, os testemunhos dos benefícios espirituais que tais práticas nos têm trazido. Há quem pense que isso vai fazer as pessoas mais caladas, menos comunicativas e alienadas dos assuntos sociais. Engano. O fruto é que faz as pessoas mais silenciosas (o que é diferente de “caladas”), ajuda-as a crescer na escuta a Deus e a se comunicarem não a partir de si mesmas e de suas próprias idéias, mas a partir da sabedoria de Deus para aquele momento.

 Longe de se alienarem dos assuntos sociais (o bem estar do outro, os acontecimentos, etc.) falarão sobre eles a partir de sua experiência de Deus, a partir do olhar de Deus em seus olhos, que são a porta da alma, a porta do coração e que estarão iluminados pelo fogo que queima seus corações.Oro para que o Espírito reacenda em nossos corações o amor e zelo por esta orientação de nossas Regras e Estatutos, tão simples e acessível, verdadeiro escudo de proteção contra o pecado, o mal e a dispersão de nossos esforços na prática da caridade para com Deus e os irmãos.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *