Unsplash
Formação

Pecado: a luta do Cristão

A vida cristã é luta. É luta contra a carne; contra o mundo, inimigo de Deus; é luta contra o Diabo, que busca perder-nos.

Nossa vida tem, por assim dizer, o que vamos chamar aqui de diversos estratos. Há em nós uma vida vegetativa, que nos é comum com os vegetais, e se manifesta no crescimento das unhas, cabelos, na assimilação dos alimentos, etc.; também temos uma vida animal que nos é comum com os animais, e se manifesta na nossa capacidade de ver, ouvir, tocar, de cheirar, de mover-nos, de comer, de dormir, etc.

Ainda mais, gozamos de uma vida racional que temos em comum com os anjos e que se manifesta em nossa capacidade de conhecer, de querer, de amar, e por último, num grau muito superior a todos os níveis anteriores, recebemos uma Vida Divina que nos é comum com Deus: a graça santificante pela qual participamos da mesma vida intratrinitária de Deus.

1. O Pecado Mortal

Quando cometemos um pecado grave expulsamos a Deus de nós e perdemos a graça santificante. Por isso o pecado é a desgraça maior que existe no mundo. Pecar gravemente é o pior e mais imbecil, o mais terrível e criminal, o mais absurdo e abjeto: é atuar contra a vontade de Deus, é atentar contra sua glória, é ofender ao que é infinitamente bom, é privar-se da graça de Deus, é submeter-se à escravidão do Diabo, é converter-se em candidato ao Inferno.

“Se, cheios de fé, víssemos o fundo de uma alma manchada com um pecado mortal, morreríamos sacudidos de terror” (São João Maria Vianney). Justamente, pois, exclamava São Domingos Sávio: “Morrer antes de pecar!”, e Frei Mamerto Esquiú: “Deus me conceda odiar este mal com todo meu coração e me envie a morte antes de cometê-lo”. José de São Martim assim expressava: “Que Deus o livre de viver e morrer em pecado mortal, são os votos de seu velho amigo”.

Pecado mortal é pensar, desejar, dizer, fazer, ou omitir algo contra a lei de Deus em matéria grave, sabendo-o e querendo-o (ou seja é preciso matéria grave, conhecimento, e liberalidade).

Assim como pela graça temos uma antecipação do Céu na alma, pelo pecado mortal temos uma antecipação do Inferno, e se chegamos a morrer, assim seja com um só pecado mortal, vamos ao Inferno, “Que mundo poderia acolher a um deserto de Deus?” (São Clemente Romano). Quem vive em pecado mortal, está condenando a si mesmo.

“Quem comete o pecado, é escravo” (Jo 8,34). “Cada um é escravo daquele que o domina” (2Pd 2,19): como é o Diabo quem vence o homem induzindo-o a pecar, quem comete pecado mortal fica submetido à servidão do Diabo, “aquele que comete pecado é do diabo” (1Jo 3,8), e por isso os pecadores estão enredados pelo “laço do demônio, que os tinha cativos de sua vontade” (2Tm 2,26).

Ao pecado grave se dá o nome de pecado mortal, porque ao privar a alma da graça, priva-a da vida sobrenatural, sendo assim uma antecipação da morte eterna. Por isso Deus nos ensina: “A pessoa que peca é a que morrerá” (Ez 18,20). “O pecado que leva à morte” (Rm 6,16).

Assim como se deve fugir de uma cobra venenosa porque se nos morde nos mata, assim deve-se fugir do pecado: “Foge do pecado como da serpente” (Eclo 21,2).

Quando um cristão peca mortalmente, só pode ser perdoado caso se confesse ante o sacerdote. “Verdade é que existe o ato perfeito de contrição que justifica, mas ainda assim este deve conter o desejo de confissão” (São Pedro Julião Eymard). Deve confessar-se dizendo o número de pecados cometidos, contra quais mandamentos e as circunstâncias que agravam ainda mais o pecado mortal, até o ponto de fazê-lo mudar de espécie. A modo de exemplo, são pecados mortais os seguintes atos cometidos com plena advertência e deliberada vontade;

Alguns exemplos de matéria grave

* Não crer algo ensinado por Deus e a Igreja, ou cultuar outros deuses (contra o 1º mandamento)
* Blasfemar o Santo nome de Deus, da Virgem e dos Santos; (contra o 2º mandamento)
* Faltar à Missa dos Domingos e Festa de guarda, sem grave motivo; (contra o 3º mandamento)
* Matar , suicidar-se, abortar: “crime abominável” (Concílio Vaticano II);
* Consentir em maus pensamentos, desejos, olhares, conversas, ações contra a pureza, contra a fidelidade, contra a transmissão da vida;
* Roubar uma quantia importante;
* Caluniar ou difamar a uma pessoa em algo grave, etc.

2. O Pecado Venial

Existe outro tipo de pecado. É o pecado venial ou leve. Este pecado não priva a alma da graça de Deus nem a condena ao Inferno, mas impede a perfeição e a caminhada da alma para Deus, levando-a ao vício, à escravidão do pecado, ao relaxamento da consciência, ao arrefecimento do amor por Deus  e a conseqüente piora dos tipos de pecados.

Pecado venial é pensar, desejar, dizer, fazer ou omitir algo contra a lei de Deus em matéria leve.
É um tipo de pecado essencialmente distinto do pecado mortal. Este tem como castigo o Inferno eterno; aquele não impede de entrar no Céu, mas sim tem como pena o Purgatório por algum tempo, caso não tenha dado tempo deste pecado conduzir ao seu conseqüente pecado mortal, ao qual ele é porta.

O pecado mortal só se perdoa com a confissão (ou com um ato de contrição perfeita que implica o propósito de confessar-se o quanto antes); o venial, em contra partida, através do arrependimento sincero acrescido de muitas maneiras piedosas: mediante uma boa obra, uma oração, uma esmola, água benta, o sinal da cruz, e também mediante a confissão.

Mas ainda que o pecado venial não parecça algo tão grave, não se pode deixar de lutar também contra ele, pois consenti-lo é levar vida medíocre de cristão, e conseqüentemente deixar de caminhar para a santidade. Devemos sim é seguir o conselho de Nosso Senhor Jesus Cristo: “Deveis ser perfeitos como o vosso Pai celeste é perfeito” (Mt 5,48).

Não nos deve, porém,  desanimar o fato de cairmos muitas vezes em pecado leve, já que “o justo cai sete vezes”, mas “se levanta” (Pr 24,16). E deve-se lutar contra ele não só porque cada vez devemos amar mais a Deus, senão também porque os pecados veniais podem nos ir levando insensivelmente a cometer pecados mais graves, pois “o que menospreza o pouco aos poucos cairá na miséria” (Eclo 19,1), e “moscas mortas fazem com que o perfumista rejeite o óleo, um pouco de insensatez conta mais que a sabedoria e glória” (Ecl 10,1).

A tentação, ainda que nos incita ao pecado, não é no entanto pecado; Jesus foi tentado e no entanto “nele não há pecado” (1Jo 3,5). Quando uma tentação se converte em pecado? Quando não se rejeita a tentação, por exemplo um mau pensamento, e ainda, sabendo que é mau se entretêm nele; então comete pecado mortal ou venial, segundo a gravidade do mesmo. Quando se rejeita a tentação, não somente não cai em pecado, senão que faz um ato de virtude, já que “podia pecar e não pecou, fazer o mal e não o fez” (Eclo 31,10).

 
O que são Pecados capitais

 

Alguns pecados se chamam capitais porque são a origem de outros pecados e de vícios. São a soberba, a avareza, a inveja, a ira, a luxúria, a gula, a preguiça (Cat.I.C., 1866). Eles poderão ser veniais ou mortais de acordo com a matéria em que incidem.

Pecados contra o Espírito Santo

“Aquele, porém, que blasfemar contra o Espírito Santo, jamais será perdoado: é culpado de pecado eterno” (Mc 3,29; cf. Mt 12,32; Lc 12,10). Deus sempre está disposto a perdoar-nos, mas se nós não queremos, respeita nossa liberdade e não nos obriga a aceitarmos seu perdão. Diz-se que nunca se perdoam pela falta de disposição em nós de receber o perdão. Costuma-se enumerar seis tipos de pecados contra o Espírito Santo: desesperar-se de alcançar perdão dos pecados, presumir que sem cumprir os mandamentos de Deus, Ele nos vai salvar, impugnar a verdade conhecida, ter inveja da graça alheia, obstinar-se no mal e impenitência final.

Pecados que clamam ao céu

O homicídio voluntário (cf. Gn 4,10); o pecados dos sodomitas (cf. Gn 18, 20; 19,13), a opressão do pobre (cf. Ex 3, 7-10); o lamento do estrangeiro, da viúva e do órfão (cf. Ex 22, 20-22) e a injustiça para com o assalariado (cf. Dt 24, 24-25).

3. A luta do Cristão

A vida cristã é luta. É luta contra a carne; contra o mundo, inimigo de Deus; é luta contra o Diabo, que busca perder-nos.

Para perseverar no bem, deve-se lutar contra o mal, obrando “com temor e com tremor” nossa salvação. (Fl 2,12).

O Concílio de Trento nos ensina que devemos “temer por razão da luta que ainda (nos) aguarda com a carne, com o mundo e com o Diabo, da qual não podemos sair vitoriosos se não colaborarmos com a graça de Deus” (Decreto sobre a Justificação) para vencer esses inimigos.

“Não está o homem condenado a trabalhos forçados aqui na terra?” (Jó 7,1). “Acaso Jesus não disse que veio trazer a espada?” (cf. Mt 10,34). São Paulo dizia de si mesmo: “combati o bom combate, … guardei a fé” (2Tm 4,7) e São Pedro: “vosso adversário, o Diabo, rodeia como um leão a rugir. Resisti-lhe firmes na fé” (1Pd 5,8). “Ao Paraíso devemos chegar cansados. Por haver trabalhado aqui exaustivamente, lá se viverá de rendas. É por ele que devemos acumular um forte capital de virtudes” (Beato Vicente Grossi).

Para combater, disse São Paulo, deve revestir-se com “a armadura de Deus” (Ef 6,10-17). Detalhemos este formoso texto:

– “Cingidos com o cinturão da verdade”. O amor à verdade é uma virtude fundamental para o cristão. Por isso deve-se “abraçar a verdade” (Ef 4,15), deve-se “amar a verdade” (cf. 2Ts 2,10), deve-se lutar por ela; “luta pela verdade até a morte, e o Senhor Deus combaterá por ti” (Eclo 4,33). Por fim, essa verdade é o mesmo Cristo: “Eu sou a Verdade” (Jo 10,6).

– “Vestindo a justiça como couraça”. A justiça nos faz dar a Deus todo o que se deve dar e ao próximo o que lhe corresponde. Essa justiça se identifica com a santidade, e permite que nossa “caridade seja sincera, odiando o mal e aderindo ao bem” (cf. Rm 12,9). Porque não só deve-se fazer o bem, senão também se deve lutar contra o mal: “Iahweh ama os que odeiam o pecado” (Sl 97,10). Só o malvado “não rejeita o mal” (Sl 36,5), e o que não rejeita o mal se faz cúmplice do mesmo. Devemos abster-nos “até da aparência do mal” (1Ts 5,22).

– “Calçados os pés com o zelo para prolongar o Evangelho da paz”. Muitas vezes a melhor defesa é um bom ataque. Devemos ter alma de apóstolos, zelo pela casa de Deus, compaixão de tantas almas que estão às escuras.

– “Sempre na mão o escuda da fé”. A fé “vence o mundo” (1Jo 5,4), vence ao Diabo: “resisti-lhe firmes na fé” (1Pd 5,9); vence a carne: “a fé limpa o coração” (Santo Agostinho).

– “Tomai o casco da salvação”. Cristo é o único que “tem palavra de vida eterna” (Jo 6,68), é o único que nos salva. Essa salvação chega a nós através dos Santos Sacramentos.

– “E a espada do Espírito…” Que é a palavra de Deus, dada pelo Espírito Santo. E é “espada cortante” (cf. Hb 4,12), da qual deve-se aprender a sem um bom esgrimista.

“Aos homens corresponde lutar e a Deus dar a vitória” (Santa Joana D’Arc).


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *