Igreja

Papa é o segundo líder mundial com mais seguidores no Twitter

Segundo padre Arnaldo Rodrigues, do Vatican News, Francisco mudou a maneira como a Igreja se comunica com os fiéis.

Segundo líder mundial mais seguido no Twitter — são mais de 40 milhões de seguidores, ficando atrás apenas do presidente Donald Trump —, e com mais de 6 milhões de seguidores no Instagram, o Papa Francisco é quem escreve seus próprios tuítes. Quem conta é o padre Arnaldo Rodrigues, que há quase dois anos faz parte da equipe de comunicação do Vatican News e do grupo de brasileiros que colaboram com as redes sociais do Vaticano e do Papa.

Rodrigues, que participou no último dia 26 do 8º Redes WeGov, evento que reuniu os principais responsáveis de comunicação das instituições públicas no Brasil, falou à ÉPOCA sobre o trabalho que a equipe vem desenvolvendo na comunicação: a adaptação a uma linguagem mais jovem na internet, o pioneirismo brasileiro no uso do Whatsapp e o esforço de combater as fake news sobre a Igreja e o Papa.

O Papa Francisco mudou o jeito da Igreja se comunicar?

O seu pontificado já mostrou mudança na primeira vez que ele apareceu em público, dizendo “boa noite”. Depois, antes de dar a benção, se inclinou e pediu que todos os fiéis rezassem por ele. Foi a primeira vez que um Papa fez isso. Ele traz a comunicação e o modo de falar cada vez mais próximo das pessoas, de seu cotidiano. Ele mudou o estilo de vida do Vaticano: da sua guarda oficial, da guarda do Vaticano, de quem trabalha no comércio e nos serviços. O seu modo de ser trouxe isso.

Qual a importância das redes sociais hoje para a comunicação da Igreja?

Hoje, o Twitter do Papa é o segundo mais seguido entre os líderes mundiais. Ele só fica atrás do presidente americano Donald Trump. Publicamos os tuítes em nove línguas. Também estamos crescendo no Instagram, onde publicamso em quatro línguas.

E quem escreve os tuítes do Papa?

O Papa Bento XVI já escrevia os seus próprios tuítes. Hoje, o papa Francisco é quem escolhe os temas dos quais quer falar, e é quem escreve suas mensagens também. Ele só não publica os tuítes porque precisamos postá-lo em nove línguas diferentes.

Ele acompanha as interações nas redes sociais?

Sim. E há bastante interação, principalmente quando colocamos a hashtag #SantaMarta, que é o nome da casa dele. Parece que os fiéis se sentem ali com ele e têm uma interação mais próxima.

E ele responde a essas interações?

Ele nunca respondeu via redes sociais, mas não duvido que um dia venha a fazer isso. Mas o Papa tem o costume de ligar de surpresa para algumas pessoas que enviam cartas para ele. É curioso, porque antes as pessoas só enviavam o endereço de remetente e o telefone. Hoje, elas enviam dados como o perfil do Facebook, do Twitter… Querem ter certeza que o Papa vai achá-los se ele quiser.

Como é a relação com os brasileiros nas mídias sociais?

Nós já temos uma cultura muito ativa nas redes sociais. O engajamento dos brasileiros nas mídias do papa e do Vaticano é um reflexo disso. Nas redes do Vaticano, os brasileiros estão em primeiro lugar entre os que mais têm acesso. O time brasileiro também foi o pioneiro no uso do Facebook e no envio de vídeos via whatsapp para o mundo inteiro.

Há uma tentativa de aproximar os jovens da Igreja pelas redes sociais?

Sim. Há um grande número de jovens seguidores nas redes do Papa. O público majoritário das redes do Vaticano tem entre 20 a 30 anos. Hoje, a Igreja tem se aproximado muito mais dos jovens e eles também têm colaborado mais com a gente pelas redes sociais. Em muitos lugares, os jovens que cuidam das redes sociais da Igreja. Tentamos fazer com que a nossa linguagem os alcance. Nosso objetivo é falar o mesmo que sempre falamos, mas cada vez mais na linguagem deles, para que eles também multipliquem essa mensagem.

E os haters, as fake news… Tudo isso chega até o Papa?

Tudo chega até o Papa. Não à toa, ele tem falado muito sobre combater as fake news e tem feito muitos discursos sobre paz. Na comunicação, temos criado bastante conteúdo para que as pessoas tenham como checar as informações que recebem. Também contamos muito com as agência católicas que nos ajudam a divulgar os canais oficiais, e temos tentado educar as pessoas a checarem e questionarem as informações que recebem.

Mas o Papa já caiu em fake news?

Não (risos). Quando a notícia chega até ele, já passou por várias etapas de verificação. Seria muito delicado o Papa fazer um comentário baseado em fake news. Ele fica sabendo da notícia falsa, mas já com a versão verdadeira em mãos também.

Redes Sociais do Papa: Twitter | Instagram


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *