Igreja

Papa Francisco: Deus nos chamou para viver como irmãos

O Papa Francisco recorda os 25 anos do atentado antissemita em Buenos Aires com uma mensagem à Associação Mutual Israelita Argentina.

O Papa Francisco enviou uma mensagem por ocasião dos 25 anos do atentado contra o centro judaico “AMIA” de Buenos Aires. Em 18 de julho de 1994, a Associação Mutual Israelita Argentina foi atacada e 85 pessoas morreram e centenas ficaram feridas.

Ao presidente da Associação, Jorge Knoblovits, o Pontífice expressa seu apoio às famílias das vítimas e repudiou os ataques terroristas que são cometidos em nome da religião.

“Passaram-se 25 anos da tragédia da AMIA. Como no primeiro dia, a cada 18 de julho meu coração acompanha os familiares das vítimas, sejam judias ou cristãs. E desde o primeiro dia, peço a Deus pelo descanso eterno de quem perdeu a vida neste ato de loucura”, assim tem início a carta de Francisco.

O Papa recorda também quem sobreviveu ao atentado. “Peço também por quem sobreviveu à explosão, levando desde então a feridas em seus corpos e em suas almas”.

Guerra Mundial em pedaços

Nos parágrafos sucessivos, Francisco condena o terrorismo “em nome da religião”, reiterando que estamos atravessando uma “terceira guerra mundial em pedaços”, devido à proliferação de ataques terroristas em várias partes do mundo nos últimos 25 anos.

“Demasiadas vezes nesses 25 anos vimos vidas e esperanças truncadas em nome da religião”, lê-se ainda na carta. “Bem sabemos que não é a religião que incita e leva à guerra, mas a obscuridade nos corações de quem comete atos irracionais. Deus nos chamou para viver como irmãos”, escreve ainda o Papa.

Fraternidade não tem limites ideológicos

Por fim, Francisco enfatiza que a fraternidade “une a humanidade” e atravessa “limites geográficos e ideológicos”. “Nesta recordação dos 25 anos, estou com vocês e rezo com vocês. Que o Deus de nossos pais os abençoe e os proteja”, conclui o Pontífice.

O atentado

Ocorrido no bairro portenho de Once, o bombardeio do prédio AMIA foi o ataque mais mortal da Argentina. Até hoje, ninguém foi condenado. Em 2005, o então arcebispo, cardeal Jorge Mario Bergoglio, hoje Papa Francisco, foi a primeira personalidade pública a assinar uma petição pedindo Justiça.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *