Igreja

Papa Francisco: “Deus se sente com a fé, não com os ouvidos”

O Papa Francisco recebeu no Vaticano os membros da Federação Italiana das Associações de Surdos e falou de sua contribuição para a vitalidade da Igreja.

O Papa Francisco concluiu sua série de audiências esta quinta-feira (25/04) recebendo os membros da Federação Italiana das Associações de Surdos.

“As pessoas surdas vivem inevitavelmente uma condição de fragilidade; e isto faz parte da vida e se pode aceitar positivamente. O que ao invés não se pode aceitar é que essas pessoas e suas famílias vivam situações de preconceito, às vezes inclusive dentro da própria comunidade cristã”, disse o Papa.

Francisco recordou então que as cidades e as paróquias são chamadas a superar sempre mais as barreiras que não permitem colher plenamente a potencialidade das diversidades.

“Vocês nos ensinam, ao invés, que somente habitando o limite e a fragilidade é possível ser construtores da cultura do encontro, em oposição à indiferença que cresce.”

Para sentir Deus, é preciso ter fé

O Pontífice reiterou que os surdos são um dom na Igreja e sua presença, inclusive entre os agentes pastorais, pode representar um recurso e uma ocasião de evangelização.

“ A presença de Deus não se percebe com os ouvidos, mas com a fé; portanto, eu os encorajo a reavivar a sua fé para sentir sempre mais a proximidade de Deus, cuja voz ressoa no coração de cada um e todos podemos ouvi-la. Assim, vocês poderão ajudar as pessoas que não “ouvem” a voz de Deus a estarem mais atentas a ela. Esta é uma significativa contribuição que as pessoas surdas podem dar à vitalidade da Igreja. ”

Revolução da ternura

O Papa alargou o seu discurso mencionando todas as pessoas surdas não só da Itália, mas do mundo, especialmente aquelas que vivem em condições de marginalização e de miséria.

“Rezo por elas e rezo por vocês para que possam levar sua peculiar contribuição à sociedade, sendo capazes de um olhar profético, capazes de acompanhar processos de partilha e inclusão, capazes de cooperar para a revolução da ternura e da proximidade.”

Concluindo, Francisco reiterou a importância da presença das pessoas surdas na Igreja “para construir comunidades que sejam casas acolhedoras e abertas a todos, a partir dos últimos”.

Leia também

Comunidade Shalom evangeliza em Libras há 17 anos

Bloco da inclusão: o amor em todas as linguagens


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *