Igreja

Papa Francisco fala para universitários sobre as responsabilidades no mundo

O Papa então abordou o aspecto do pensamento crítico e do amadurecimento de valores que devem ser promovidos dentro da universidade.

No final da manhã desta quinta-feira (13) e como última de uma série de audiências do dia, o Papa Francisco recebeu 6 mil pessoas da comunidade acadêmica da Lumsa, a “Libera Università Maria Santissima Assunta”, uma universidade privada de inspiração católica, com sedes em Roma, Palermo e Taranto, na Itália.

A audiência especial começou cedo na Sala Paulo VI, com interpretações do coro universitário e do grupo musical da instituição. Antes do discurso do Pontífice, também fizeram uso da palavra o reitor da universidade, diretores de departamentos e hóspedes sobre o nascimento da instituição.

A fundação da Lumsa, com Luigia Tincani

O encontro, como lembrou o Papa logo no início do seu discurso, além de inaugurar oficialmente o ano acadêmico, marca as comemorações dos 80 anos de fundação da instituição que começou em 1939 como uma escola de magistério, e se transformou na Lumsa atual, em 1989. Uma conquista “significativa e de maturidade”, disse Francisco, que “nasceu para responder uma necessidade que, na época, e também é agora, urgente, isto é, aquela de formar educadores e, em especial, educadoras, abrindo o mundo da alta formação às mulheres”.

O Papa então fez referência à fundadora, a Venerável Luigia Tincani, que direcionou esforços para criar vocações intelectuais femininas através de uma “empresa de serviço”, primeiro preparando docentes e, depois, formando profissionais para o mercado.

Francisco também trouxe as inspirações de dois Santos ao discurso: Paulo VI e John Henry Newman que “viveram a universidade” e, através do empenho pastoral, propuseram “consciência universitária” e “uma ideia de universidade”, que, segundo o Pontífice, também é sinônimo de “uma ideia de convergência de saberes” para poder oferecer ao mundo “a verdade e sentido de diálogo”.

Sobre essa importante tarefa desempenhada na formação de terceiro grau, o Papa relembrou o que disse à comunidade acadêmica de outra universidade romana em 2017:

“ Vocês devem se empenhar, também como universidade, em projetos de compartilhamento e de serviço aos últimos, para fazer crescer na nossa cidade de Roma o sentido de pertença à uma ‘pátria comum’. […] Trabalhando com projetos, inclusive pequenos, que favoreçam o encontro e a solidariedade, se recupera juntos um sentido de confiança na vida. A universidade comporta, de fato, um empenho não só formativo, mas educativo, que parte da pessoa e chega à pessoa. ”

As responsabilidades diante do mundo de contradições

O Papa então abordou o aspecto do pensamento crítico e do amadurecimento de valores que devem ser promovidos dentro da universidade. Por isso, exortou Francisco, “a exigência de renovar o emprego de responsabilidades”, sobretudo em época de acelerados processos comunicativos, tecnológicos e de interconexão global.

A primeira responsabilidade citada por Francisco foi a da coerência, ou seja, de fidelidade e de comunidade vivida dentro da universidade:

“ Olho com confiança para as novas gerações que se formam na universidade. Protagonistas conscientes daquela mudança que nasce da visão e da coerência, a partir de uma perspectiva comunitária. ”

A responsabilidade cultural, “eu diria que até missionária diante do mundo”, disse o Papa, foi a segunda sugerida pelo Pontífice para ser renovada no âmbito acadêmico. Francisco, então, citou Bento XVI quando descreveu a tarefa da universidade que é de oferecer “a verdade”:

“ Não devemos ter medo de usar essa palavra, num espírito de diálogo sincero. Verdade, liberdade, bem: sob essa direção, desejo que a universidade de vocês saiba oferecer uma formação em que, transversalmente ao saber curricular, tenha espaço para a formação integral da pessoa. ”

O Papa seguiu com o elenco de responsabilidades e citou aquela social da universidade, através de relações virtuosas de desenvolvimento integral com as forças vivas da sociedade: “é preciso coragem para se envolver”, enfatizou Francisco, abrindo-se “às antigas e novas pobrezas”.

A última responsabilidade descrita pelo Pontífice foi a interuniversitária. O Papa pediu que se desse continuidade ao trabalho em conjunto com outras instituições, católicas ou não, para se criar “um clima produtivo de cooperação, intercâmbio e ajuda mútua ao construir projetos didáticos e de pesquisa inovadores”, sempre em busca da “verdade e que não satisfaz com a mediocridade”.

Ao concluir o discurso exaltando as exigências de uma educação integral num “mundo globalizado e fragmentado, cheio de contradições e que requer tanto trabalho conjunto, sério, criativo, artesanal, que passa através da mente, do coração e das mãos”, o Papa disse:

“ Todos vocês, estudantes, professores e responsáveis da comunidade universitária, encorajo a abrir os corações e as mentes. A não se satisfazer – vocês, estudantes, primeiro de tudo – dos pensamentos correntes, aparentemente hegemônicos, de um mundo em que a diversidade é conflito. Que vocês possam sentir a ambição saudável de acrescentar alguma coisa de original, que seja também concreto e útil. ”


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *